Publicidade

Brasil vive semana importante no tênis

Com a disputa do Brasil Open, na Costa do Sauípe, e com a cúpula da modalidade reunida no Rio, País é centro das atenções nesse início de setembro.

PUBLICIDADE

Por Agencia Estado
Atualização:

O tênis brasileiro vai viver a sua semana mais importante. Na Bahia, precisando talvez contar com a força dos Orixás, Gustavo Kuerten parte para a defesa do título do Brasil Open, o mais importante torneio do calendário nacional, e quem sabe afugentar de vez a má fase, enquanto no Rio de Janeiro, no hotel Sheraton, a cúpula da modalidade vai estar reunida para a assembléia anual, que este ano tem uma importância fundamental: vai eleger o presidente e a nova diretoria executiva. O brasileiro Nelson Nastás é um dos 17 candidatos aos 12 cargos da diretoria internacional da entidade, um poder e tanto. Nas quadras da Costa do Sauípe, talvez influenciado pelo clima baiano, o torneio já vai começar quente. Logo na primeira rodada, Guga faz um duelo cheio de histórias com o sueco Magnus Norman. Os dois rivalizaram pela liderança da Corrida dos Campeões em 2000. Disputaram as finais de Roma - vencida pelo sueco - e semanas depois de Roland Garros, que marcou o bicampeonato para o brasileiro. Agora, os dois tenistas que passaram por cirurgias semelhantes no quadril esperam reviver seus melhores momentos. O Brasil Open poderá até ter uma visita dos 300 dirigentes internacionais da ITF, a poderosa Federação Internacional de Tênis, mas nem vai precisar disso para ser reconhecido. A competição ganhou o prêmio de excelência da ATP pela sua impecável organização. E, sem exageros, a estrutura na Costa do Sauípe pode ser comparada a vários torneios europeus do Masters Series, como Montecarlo ou Hamburgo. Além da briga de Guga para fugir da má fase, o ascendente Flávio Saretta quer mostrar para que veio. Estreará na competição com o compatriota Marcos Daniel e está pensando alto: quer conquistar o seu primeiro título de um ATP Tour, em quadras brasileiras e comemorar com sua torcida. A missão não será nada fácil. Afinal, este ano o Brasil Open tem quatro jogadores entre os 20 primeiros da ATP, como o alemão Rainer Schuettler, o holandês Sjeng Schalken, Guga e o chileno Fernando Gonzalez, dono de uma das direitas mais poderosas do tênis mundial. Eleição - No Rio, o presidente da Confederação Brasileira de Tênis (CBT), Nelson Nastás, espera sucesso na eleição que será dia 11. Conta para isso, com o bom senso de toda a assembléia, pois quer substituir um argentino Eduardo Molina O´Connors, que está no cargo há 16 anos. Mas, há muita gente interessada nesta diretoria executiva que conta com vários poderosos do tênis, como, por exemplo, Christian Bimes, presidente da Federação Francesa de Tênis.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.