PUBLICIDADE

Sabalenka é a primeira a ser bicampeã no Aberto da Austrália desde 2013; relembre vencedoras

Belarussa iguala marca da compatriota Victoria Azarenka e pode buscar recorde do torneio na era Open

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

Aryna Sabalenka conquistou o bicampeonato do Aberto da Austrália neste sábado, dia 27, ao atropelar a chinesa Qinwen Zheng por 2 sets a 0, com parciais de 6/3 e 6/2, em 1h16min de partida. A tenista belarussa conquistou o seu segundo troféu de Major na carreira.

PUBLICIDADE

Esta é a primeira vez que uma tenista vence duas vezes consecutivas o Aberto da Austrália desde a compatriota de Sabalenka, Viktoriya Azarenka, que conquistou Melbourne em 2012 e 2013. As campanhas, inclusive, assemelham-se. Em 2012, Azarenka ganhou na final da russa Maria Sharapova, enquanto que em 2013, defendeu o título diante da chinesa Na Li. Já Sabalenka enfrentou na decisão de 2023 uma tenista que, apesar de ser naturalizada casaquiana, nasceu na Rússia, em Moscou. Já na atual edição, também desafiou uma chinesa na final, Zheng.

Agora, Sabalenka tem a chance de atingir uma marca inédita desde 1999, o tricampeonato em Melbourne. A última vez que uma tenista venceu o Aberto da Austrália três vezes seguidas foi com a suíça Martina Hingis, com a trinca 1997, 1998 e 1999. Desde então, três atletas chegaram ao bicampeonato e tiveram a chance de repetir a marca, mas não conseguiram.

Aryna Sabalenka comemora vitória por 2 set a 0 contra Zheng Qinwen na final do Aberto da Austrália. Foto: Mark Baker/AP

Últimas bicampeãs desde 1999

  • Jennifer Capriati (2001 e 2002)
  • Serena Williams (2009 e 2010)
  • Victoria Azarenka (2012 e 2013)
  • Aryna Sabalenka (2023 e 2024)

Neste recorte de tempo, a americana Serena Williams ganha destaque. Mesmo sem bater o tricampeonato, a tenista foi campeã cinco vezes. Além do bicampeonato de 2009 e 2010, ela também ficou com o título em 2003, 2005, 2007 e 2015.

Sabalenka tem campanha perfeita no bicampeonato

A atual campeã fez uma campanha irretocável até o título. A número 2 do ranking da WTA não perdeu um set sequer e venceu 14. No total, ela soma 14 títulos no circuito profissional. “Quero parabenizar Qinwen por algumas semanas incríveis. Você é uma jogadora incrível. Você estará em muitas outras finais, vai ver só. Mal posso esperar para voltar e espero…”, disse a bicampeã, enquanto abraçava o troféu e indicava o desejo de conquistar o seu terceiro troféu do Aberto da Austrália. Ela também não escondeu a alegria pela vitória e chegou a dançar em uma das entrevistas.

Já Zheng, neste Aberto da Austrália, registrou sua maior trajetória num torneio deste nível. Aos 21 anos, a atual 15ª do mundo já garantiu a entrada no Top 10 pela primeira vez. Dona de dois títulos no circuito, a chinesa disputou sua primeira final de Grand Slam.

Publicidade

“Parabéns para a Aryna por ter feito uma partida tão maravilhosa aqui. É minha primeira final. Sinto um pouco de pena, mas é assim. É uma experiência para mim. Ao mesmo tempo quero agradecer a todos os fãs que vieram para me assistir. Eu me sinto um pouco triste agora. Sinto que poderia fazer melhor, mas não o fiz nesta partida. Obrigado à minha equipe por me ajudar a chegar até aqui. Gostei muito de jogar o Aberto da Austrália. Isso foi incrível para mim. Tenho certeza de que haverá muito mais no futuro”, disse a chinesa.

Sabalenka começou o jogo mostrando que não deixaria o título escapar. Ela iniciou sacando, confirmou o serviço com facilidade e abriu logo de cara 3/0. A chinesa diminuiu no quarto game e impediu que a número 2 do mundo fechasse o set no oitavo game, quando impediu três set points. No entanto, acabou sendo derrotada na sequência por 6/3.

A tenista de Belarus jogou ainda melhor no segundo set, quebrou o serviço de Zheng e logo de cara abriu 4/1. A chinesa sentiu na pele que o jogo já estava perdido, mesmo assim, lutou até o fim. Quando vencia por 5/2, Sabalenka precisou de cinco match points para confirmar o bicampeonato do Aberto da Austrália.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.