PUBLICIDADE

Publicidade

Fórmula 1: Cinco coisas que aprendemos no GP da China, 5ª etapa da temporada

Max Verstappen venceu com folgas mais uma etapa, mas a corrida em Xangai não foi de dobradinha da Red Bull

PUBLICIDADE

Por Gabriel Curty/GRANDE PRÊMIO

Max Verstappen venceu sem sustos o GP da China de Fórmula 1. A surpresa da corrida deste domingo (21) foi a não-dobradinha da Red Bull, com Sergio Pérez superado por um inspirado Lando Norris, que mostrou força com a McLaren. E os britânicos, enfim, bateram a Ferrari.

O time italiano viu seus dois pilotos, pela primeira vez em 2024, juntos fora do pódio: Charles Leclerc ficou em quarto e Carlos Sainz foi o quinto. George Russell ainda arrastou a Mercedes ao sexto lugar, enquanto Lewis Hamilton teve de se satisfazer com a nona posição.

Max Verstappen vence o GP da China de Fórmula 1. Foto: Andres Martinez Casares/EFE

Red Bull deixa de fazer 1-2 na China. Mas único que deve se preocupar com isso é Pérez

Não há motivos para preocupação na Red Bull com o segundo lugar de Norris na China. Não, a McLaren não vai bater de frente com os taurinos, o campeonato dos ingleses é outro. A questão aqui é Pérez: enquanto Verstappen teve outra vitória dominante, sobrando muito, o mexicano tomou de Lando. Não vai custar o Mundial de Construtores, nada do tipo, mas talvez o contrato dele se isso começar a acontecer com maior frequência.

Norris esquece sprint e põe calma na alma da McLaren

Tudo bem que aquela largada da sprint foi tenebrosa e que cair de primeiro para sétimo em duas curvas é imperdoável, mas o saldo de Norris na China tem de ser muito positivo. O inglês já tinha feito uma volta sensacional para ser pole da corrida curta, mas o ritmo neste domingo foi bom para valer. Mais um pódio na conta, possivelmente um dos mais especiais para deixar para trás a impressão recente ruim.

Ferrari reduz danos, mas cai para terceira força na China

A Ferrari não tem nem direito de vir com esse papinho de que está feliz por reduzir danos. Diminuiu o estrago? Sim, mas foi uma etapa bastante preocupante dos italianos. Longe toda vida da Red Bull, atrás da McLaren, não foi nada ideal. Ainda tiveram momentos de rusgas entre Leclerc e Sainz, tanto na sprint quanto na largada da corrida. Atualizações para já ou o sonho de pegar a Red Bull um dia vai virar medo de ser jantada pela McLaren.

Mercedes se embanana de novo com carro que é simplesmente ruim

Não tem muito para onde correr aqui: a Mercedes é ruim. E é também pouco inteligente, para dizer o mínimo, ao resolver junto de Hamilton mudar um acerto que foi segundo lugar na sprint. Sério, qual sentido disso? O sexto lugar de Russell foi lucro diante do que os prateados não apresentaram. Sorte deles que a Aston Martin só tem um piloto.

Alonso é cada vez mais Aston Martin toda. E Hülkenberg carrega Haas

PUBLICIDADE

E é claro que o único piloto da Aston Martin é Alonso. Enquanto o espanhol segue com sangue nos olhos e muita velocidade mesmo acima dos 40 anos, Lance Stroll é incapaz de ficar sem fazer besteiras. A pancada em Daniel Ricciardo na saída do safety-car foi coisa de cinema - filme de terror. A Haas começa a caminhar para um lado parecido, já que Hülk carrega o time nas costas na briga da ‘F1 B’ e foi aos pontos de novo. Kevin Magnussen, inegavelmente melhor que Stroll, teve um dia daqueles e acertou em cheio Yuki Tsunoda. Coincidentemente segundos aliás da barbeiragem de Lance, aliás.

A Fórmula 1 retorna de 3 a 5 de maio para a disputa do GP de Miami, o primeiro de três que acontecem nos Estados Unidos na temporada 2024.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.