Publicidade

‘Minha mãe foi um furacão’, diz filha de Isabel Salgado

Ícone do vôlei brasileiro foi cremada nesta quinta-feira, no Rio; atleta faleceu aos 62 anos vítima de problemas respiratórios

PUBLICIDADE

Por Fabio Grellet
Atualização:

RIO - O velório da ex-jogadora de vôlei Isabel Salgado terminou às 14h05 desta quinta-feira, 17, no cemitério e crematório da Penitência, no Caju (região portuária do Rio), onde o corpo foi encaminhado para cremação. A cerimônia terminou ao som de “Não quero dinheiro, só quero amar”, de Tim Maia, entoada pelos familiares e amigos que acompanharam o cortejo da capela até o prédio em que o caixão foi encaminhado para cremação.

Durante o velório, sobre o caixão foi exposta uma camisa azul marinho número 7 usada por Isabel na seleção brasileira de vôlei. Segundo o crematório, o processo de cremação não é imediato e deve ser concluído nos próximos dias. A família cogita lançar as cinzas no mar, mas isso ainda não foi decidido, segundo Maria Clara Salgado, uma dos cinco filhos de Isabel e a única a falar com a imprensa durante o velório.

Amigos e familiares se despediram de Isabel Salgado nesta quinta-feira, no Rio.  Foto: PEDRO KIRILOS/ESTADÃO CONTEÚDO

PUBLICIDADE

“Queria agradecer a todo mundo que veio aqui. Minha mãe foi um furacão, uma mãe incrível, ela amava gente, foi uma mulher que ensinou a amar e foi muito amada”, disse Maria Clara, num rápido pronunciamento. “Hoje foi um dia de celebrá-la, ela segue muito viva dentro da gente. Diariamente a gente vai viver esse amor que aprendeu com ela. Ela vai descansar em paz agora. Não era hora dela ainda, minha mãe viveu só 62 anos, mas viveu intensamente, como poucas pessoas viveram”, concluiu a filha.

O velório foi prestigiado por artistas como Chico Buarque e Antônio Pitanga, políticos como Marcelo Freixo e Benedita da Silva e esportistas. O vice-presidente da Confederação Brasileira de Vôlei, Radamés Lattari, lamentou a morte da ex-atleta e anunciou que Isabel será homenageada durante a próxima rodada da Super Liga de vôlei.

Isabel sofria da síndrome aguda respiratória do adulto (SARA). Ela chegou a ser internada no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, mas não resistiu. Trata-se de uma doença rara. A Síndrome Aguda Respiratória do Adulto é uma condição em que há acúmulo de líquido nos pulmões, dificultando que o paciente absorva o oxigênio. O quadro geralmente é causado como consequência de outra doença, quando há comprometimento do pulmão. O anúncio de sua morte foi confirmada pelos amigos e pessoas mais próximas nas redes sociais.

Mãe dos atletas Maria Clara, Pedro e Carol Solberg, Isabel foi anunciada, na segunda-feira, como membro do grupo de transição do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT), junto de Ana Moser e Raí, para tratar de assuntos ligados ao Esporte. ““Isabel Salgado não foi apenas um símbolo para o esporte, mas também de luta na defesa de seus ideais. Seu pioneirismo no esporte abriu as portas para muitas brasileiras. Suas conquistas levaram o Brasil a outro patamar na história do vôlei feminino”, disse Lula.

Quem foi Isabel Salgado?

Revelada pelo Flamengo, Isabel foi a primeira jogadora brasileira de vôlei a atuar na Europa, acertando com o Modena, da Itália, em 1980. Foi medalha de bronze com a seleção brasileira nos Jogos Pan-Americanos de 1979, em Porto Rico, participando ainda das Olimpíadas de 1980, em Moscou, e 1984, em Los Angeles.

Publicidade

Ao encerrar a sua trajetória nas quadras, ele se tornou nome importante do Brasil no vôlei de praia, ficando marcada pela parceria com Jackie Silva. Porém, foi ao lado de Roseli Ana Timm que conquistou o Mundial de Vôlei de Praia, em Miami, em 1994.

Ao se aposentar das areias, trabalhou como técnica, chegando a treinar as filhas Maria Clara e Carol no vôlei de praia. Em 2016, Isabel foi escolhida como um dos nomes a carregar a tocha olímpica no Rio, sede dos Jogos naquele ano. Isabel também é mãe de Pilar e Alison e deixa também cinco netos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.