PUBLICIDADE

Não há relação entre fechamento de fábrica em Guarulhos e eleição de Lula, ao contrário do que afirma vídeo

Representantes da multinacional NTN no Brasil e do Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos e Região esclarecem que o fim das atividades na fábrica paulista não tem motivação política

Por Gabriela Meireles
Atualização:

Circula nas redes sociais um vídeo gravado em frente a uma fábrica de autopeças em Guarulhos, na Região Metropolitana de São Paulo, em que um homem afirma que a empresa estaria fechando por causa da eleição de Lula (PT). A alegação é enganosa. Tanto a fábrica como o Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos e Região negaram que a fábrica tenha sido fechada por motivos políticos. A decisão foi tomada antes do período eleitoral e tem relação com custos operacionais.

PUBLICIDADE

O vídeo foi gravado em frente à fábrica de semieixos da NTN. O autor da gravação diz que "a empresa está indo embora para a Tailândia" e afirma que 260 funcionários serão demitidos. Ele diz que a motivação para o fechamento é a eleição de Lula - o que a empresa nega. "O fechamento da unidade não tem correlação política alguma, esta decisão já vem sendo amadurecida há tempos", afirma Francine Lopes, representante da NTN.

Segundo Lopes, o fim das operações ocorrerá gradualmente, a partir de abril de 2023. O encerramento oficial das atividades em Guarulhos está previsto para setembro do próximo ano.

 

O advogado coordenador do departamento jurídico do Sindicato dos Metalúrgicos, Marcilio Penachioni, afirma que o fechamento da empresa em Guarulhos ocorrerá porque o custo de fabricação de peças no exterior é menor. "O encerramento das atividades nada têm a ver com o processo eleitoral ocorrido recentemente", diz ele.

Penachioni explica que os acertos entre o sindicato e direção empresarial vêm ocorrendo há algum tempo. "Muito antes do processo eleitoral", afirma ele.

Por fim, a acusação de que a "empresa está indo embora para a Tailândia" também está equivocada. Afinal, já existem bases da multinacional naquele país. De acordo com Lopes, a NTN está encerrando a produção somente de semieixos no Brasil, que são um tipo específico de autopeça. Entretanto, a multinacional continuará suas atividades no Paraná, nos municípios Fazenda Rio Grande e Campina Grande do Sul, em setores diferentes. A representante da fábrica ainda completa que "o movimento não tem qualquer impacto nas demais 208 unidades da empresa em 34 países da América do Norte, América do Sul, Europa, Ásia e Indonésia, China e Japão".

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.