PUBLICIDADE

Postagem engana ao atribuir incêndio a manifestantes contrários ao resultado eleitoral na França

Pessoas realmente foram às ruas para se opor à vitória da direita radical, mas prefeitura e jornalista local afirmam que fogo foi registrado horas antes de ser conhecida a primeira parcial da votação

PUBLICIDADE

Atualização:

O que estão compartilhando: vídeo que mostraria um incêndio na França iniciado por manifestantes de “extrema-esquerda” após candidatos de direita se destacarem nas eleições legislativas.

O Estadão Verifica investigou e concluiu que: é enganoso. De fato, as chamas foram registradas na comuna francesa de Bobigny, localizada no departamento de Seine-Saint-Denis, em 30 de junho. Essa foi a data em que ocorreu o primeiro turno das eleições legislativas da França. A prefeitura de Seine-Saint-Denis, no entanto, explicou que o incêndio ocorreu por volta das 17h30. Isso foi antes da divulgação dos resultados iniciais do pleito. Dessa forma, a prefeitura afirmou não há relação entre o fogo e o resultado das eleições no país europeu. Um jornalista que cobriu o incidente confirmou a veracidade da alegação da administração local.

Vídeo de incêndio na França não tem relação com protestos da esquerda após eleições Foto: Reprodução/Facebook

PUBLICIDADE

Saiba mais: no último domingo, 30 de junho, franceses foram às urnas para o primeiro turno das eleições legislativas do país. Como resultado, o partido de extrema-direita de Marine Le Pen, o Reagrupamento Nacional (RN), foi o mais votado. Em segundo lugar está a Nova Frente Popular (NFP), coalizão de esquerda. O bloco Juntos, que inclui o Renascimento, partido do presidente francês Emmanuel Macron, ficou em terceiro lugar.

No mesmo dia, após a vitória da direita radical, diversos protestos foram registrados na França. Em Lyon, por exemplo, manifestantes de esquerda montaram barricadas. Em Paris, os participantes se reuniram na Place de la République.

Apesar de diversos protestos verídicos, um incêndio na comuna francesa de Bobigny foi erroneamente atribuído a ativistas de extrema-esquerda que estariam se manifestando contra a vitória do partido de Marine Le Pen. A filmagem que registrou o fogo viralizou nas redes sociais e foi republicada por usuários de diferentes países. No Brasil, as postagens acumulam mais de 188 mil visualizações no X.

O conteúdo foi desmentido pela prefeitura de Seine-Saint-Denis, departamento que abriga Bobigny. A prefeitura explicou que o incêndio ocorreu por volta das 17h30 e afirmou que não está, de forma alguma, relacionado ao resultado eleitoral. A causa do fogo não foi divulgada pela prefeitura.

Os locais de votação abrem às 8h, no horário local, e costumam encerrar às 18h. No entanto, esse horário pode ser estendido até às 20h, em caso de grandes cidades da França, como Paris, Lyon e Marselha. Nesse horário, pesquisadores costumam publicar projeções nacionais com base em uma contagem parcial de votos.

Publicidade

Os primeiros resultados oficiais são divulgados a partir das 20h. Antes disso, nenhuma parcial oficial pode ser anunciada. Sendo assim, o incêndio em Bobigny ocorreu antes do resultado do pleito. Veja abaixo.

Jornalista confirma versão da prefeitura

O jornalista do canal de notícias francês BFM TV, Antoine Forestier, publicou imagens do local após o incêndio. Ele explicou que as chamas atingiram uma lixeira, pouco depois das 17h30. Ele ressaltou que o incêndio ocorreu 2h30 antes das primeiras estimativas das eleições.

Ao Estadão Verifica, Forestier afirmou que foi ao local para apurar o incidente por volta das 21h30. Ele disse que as testemunhas não sabiam o que havia causado o incêndio, mas algumas alegaram que foi um cigarro não apagado corretamente. O jornalista explicou que as chamas se espalharam rapidamente por se tratar de um “local poubelle”, que pode ser traduzido livremente para “sala de lixo”. Veja aqui imagens do local via Google Maps.

De acordo com Forestier, ninguém fez ligação entre as eleições legislativas e o incêndio. “Às 22h, as pessoas que estavam no local não estavam muito preocupadas com os resultados das eleições”, disse.

PUBLICIDADE

Os franceses voltam às urnas em 7 de julho para um segundo turno das eleições legislativas. Como explicou o Estadão, se uma nova maioria de legisladores contrários a Macron for introduzida, ele será forçado a nomear um adversário político como primeiro-ministro.

Como lidar com postagens do tipo: a postagem aqui analisada usa um vídeo real para desinformar sobre um assunto em evidência. A imprensa está cobrindo informações sobre as eleições parlamentares na França e seus desdobramentos. Sendo assim, uma pesquisa por palavras-chave no seu buscador de preferência ou uma busca reversa de imagens pode auxiliar a compreender o real contexto do vídeo e da alegação.

Publicidade

Esse conteúdo também foi desmentido pela agência de checagem Aos Fatos. Na França, o conteúdo foi contestado pelo canal TF1 Info, pelo The observers, da rede France 24, e pelo HuffPost.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.