PUBLICIDADE

Acreditamos nos fatos sobre a guerra na Ucrânia, não na desinformação; leia artigo de 35 diplomatas

Guerra de desinformação travada pelo Kremlin faz parte da tentativa de minar a solidariedade internacional e o apoio à Ucrânia

Por Diplomatas de 35 países*

Nossos países estão de luto, juntamente ao Brasil e à comunidade internacional, pela perda de vidas inocentes e o deslocamento forçado de milhões de pessoas causado pela invasão não provocada, injusta e ilegal da Ucrânia pela Rússia. A invasão viola o direito internacional e ameaça a ordem global baseada em regras, que ajudou a preservar a paz na Europa e além desde a Segunda Guerra Mundial.

PUBLICIDADE

Assim como nossos países, o Brasil condenou a invasão da Rússia na Assembleia Geral das Nações Unidas. E, como muitos de nós, o Brasil está dando apoio humanitário à Ucrânia e proporcionando um porto seguro para os ucranianos que tiveram que fugir de suas casas.

Enquanto a Ucrânia luta para se defender da guerra de agressão da Rússia, a comunidade internacional se vê lutando uma guerra de desinformação travada pela Rússia. Isso faz parte da tentativa do Kremlin de minar a solidariedade internacional e o apoio à Ucrânia.

A guerra da Rússia prejudica a todos nós

A invasão da Ucrânia pela Rússia está afetando a todos. O mundo inteiro se vê defrontado com interrupções na cadeia de suprimentos e dolorosos aumentos no preço dos alimentos e da gasolina. O Brasil é particularmente afetado pelo risco de escassez de fertilizantes. E, no entanto, o governo russo está tentando convencer o mundo de que não é responsável por nada disso.

Residente anda em meio a destroços de um prédio bombardeado por forças russas em Severodonetsk 

Mas é a Rússia que está bombardeando campos e estoques de grãos, impedindo as colheitas de trigo e milho. É a Rússia que está bloqueando os portos e paralisando a capacidade da Ucrânia de exportar alimentos, provocando uma potencial escassez de alimentos. É a Rússia que está expulsando milhões de pessoas de suas casas ao bombardear cidades e vilarejos. Se a Rússia se retirar da Ucrânia, muitas das interrupções no fornecimento de alimentos e bens essenciais se dissiparão.

As sanções impostas pela comunidade internacional foram apropriadas e necessárias – elas não incluem alimentos ou fertilizantes. As sanções visam líderes políticos e militares russos, oligarcas e propagandistas, não o povo russo. Se o direito internacional significa algo, as elites russas não podem violá-lo impunemente; elas devem pagar um preço.

A propaganda grosseira deve ser vista pelo que é

A Rússia está usando mentiras para justificar a invasão, alegando que a Ucrânia é governada por nazistas que cometeram atrocidades contra russos étnicos. Mas foi incapaz de fornecer qualquer evidência dessas supostas atrocidades. A verdade é que a última vez que a Ucrânia experimentou o uso de foguetes e artilharia pesada para atingir e aterrorizar civis foi quando ela foi invadida por nazistas de verdade durante a Segunda Guerra Mundial.

Publicidade

A Rússia está tentando desviar a culpa pelas violações de direitos humanos alegadas contra ela, que o Conselho de Direitos Humanos da ONU está agora investigando. Ela nega qualquer responsabilidade pelos massacres e estupros em Bucha e em outros lugares, o ataque aéreo na estação de trem de Kramatorsk que abrigava mulheres e crianças, e os mais de 10.000 civis mortos em Mariupol. Mas todos nós sabemos onde está a verdade.

Precisamos reconhecer onde está a responsabilidade

Assim como nós, o Brasil acredita nos princípios das Nações Unidas - que os direitos humanos e a independência dos Estados soberanos devem ser respeitados, as disputas devem ser resolvidas pacificamente, e o poder militar não deve espancar o direito moral. Todos temos um interesse comum em defender o Estado de direito na Ucrânia e rejeitar as tentativas da Rússia de culpar os outros pelas consequências de sua agressão.

*Alemanha: Emb. Heiko Thoms; Austrália: Encarregado de Negócios Grant Morrison; Áustria: Emb. Stefan Scholz; Bélgica: Emb. Patrick Herman; Bulgária: Emb. Bojidara Sartchadjieva; Canadá: Emb. Jennifer May; Chipre: Emb. Evagoras Vryonides; Croácia: Emb. Ranko Vilovic; Dinamarca: Emb. Nicolai Prytz; Eslováquia: Emb. Milan Zachar; Eslovênia: Emb. Gorazd Renčelj; Espanha: Emb. Fernando García Casas; Estados Unidos: Encarregado de Negócios Douglas Anthony Koneff; Estônia: Emb. Mart Tarmak; Finlândia: Emb. Jouko Leinonen; França: Emb. Brigitte Collet; Grécia: Emb. Ioannis Tzovas Mourouzis; Holanda: Emb. André Driessen; Hungría: Emb. Zoltán Szentgyörgyi; Irlanda: Emb. Seán Hoy; Itália: Emb. Francesco Azzarello; Japão: Emb. Teiji Hayashi; Letônia: Emb. Alda Vanaga; Lituânia: Cônsul Vytautas Umbrasas; Luxemburgo: Encarregado de Negócios Charles Schmit; Malta: Emb. John Aquilina; Noruega: Emb. Odd Magne Ruud; Nova Zelândia: Emb. Richard Prendergast; Polônia: Emb. Jakub Tadeusz Skiba; Portugal: Emb. Luís Filipe Melo e Faro Ramos; Reino Unido: Encarregada de Negócios Melanie Hopkins; República Tcheca: Emb. Sandra Lang Linkensederová; Romênia: Emb. Monica-Mihaela Ştirbu; Suécia: Encarregado de Negócios Anders Wollter; União Europeia: Emb. Ignacio Ybáñez

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.