PUBLICIDADE

Argentina realiza reuniões com FMI para renegociar dívidas e tentar desbloquear US$ 3,3 milhões

Primeiros vencimentos de 2024 ocorrem nesta segunda e no dia 16 de janeiro e equivalem a US$ 1.300 milhões e US$ 650 milhões, respectivamente

Foto do author Redação
Por Redação

A primeira reunião entre a delegação do alto escalão do Fundo Monetário Internacional (FMI) e o governo da Argentina terminou na segunda-feira, 8, mas a série de encontros para renegociar os vencimentos da dívida continuará nos próximos dias.

PUBLICIDADE

Participaram da reunião em Buenos Aires por parte do FMI o vice-diretor do Departamento do Hemisfério Ocidental do Fundo, Luis Cubeddu; o chefe da missão em Argentina, Ashvin Ahuja, e o representante do FMI no país, Ben Kelmanson. Do governo local estiveram presentes o chefe do Gabinete de Ministros, Nicolás Posse, e o ministro da Economia, Luis Caputo. “A reunião foi positiva”, avaliaram fontes oficiais para a EFE, sem dar mais detalhes sobre o que foi discutido.

Agora, as equipes técnicas das partes continuarão trabalhando e é previsto que emitam um “comunicado conjunto com as conclusões da visita”.

Na Argentina, especula-se que o próprio presidente do país, Javier Milei, participará de uma das reuniões com a delegação do Fundo para tentar adiar os primeiros vencimentos de 2024, que ocorrem nesta segunda-feira, 9, e no dia 16 de janeiro, e que equivalem a US$ 1.300 milhões e US$ 650 milhões, respectivamente.

A reunião entre Posse, Caputo e o FMI, cujo encontro estava marcado para quinta-feira passada, 4, foi várias vezes adiada devido a reuniões técnicas entre o Fundo e o Banco Central da República Argentina e o Ministério da Economia.

Se as negociações chegarem a uma conclusão bem sucedida, o FMI irá emitir US$ 3,3 milhões de dólares pendentes do ano passado. Na foto, o Banco Central da Argentina. Foto: Erica Canepa/Bloomberg

O FMI deve querer que o país unifique os pagamentos e isso só é possível se houver mais de um vencimento no mesmo período, algo que foi feito em junho, julho e outubro do ano passado, durante o governo de Alberto Fernández. O acordo de refinanciamento assinado em março de 2022 chegava a US$ 43.491 milhões no final do terceiro trimestre do ano passado, com um aumento de US$ 3.271 milhões face ao segundo trimestre.

No domingo, 7, o presidente afirmou em entrevista a uma rádio argentina que espera um desembolso do FMI para ter “uma gestão macroeconômica mais flexível, o que permitiria a elaboração de um programa de estabilização (econômica) mais enérgico”.

Publicidade

Nesse sentido, Milei foi obrigado, após a transição presidencial em dezembro do ano passado, a recorrer a um empréstimo de curto prazo do CAF-Banco de Desenvolvimento da América Latina de US$ 960 milhões para pagar os vencimentos de 21 de dezembro.

Se as negociações chegarem a uma conclusão bem sucedida, o FMI irá emitir US$ 3,3 milhões de dólares pendentes do ano passado, com os quais a Argentina poderá cumprir os seus compromissos de dívida e ao mesmo tempo melhorar o nível de reservas.

A dívida

Anteriormente, o porta-voz do governo Manuel Adorni dissera à imprensa que “a única coisa que se pretende hoje é tentar reavivar o acordo que caiu devido ao fracasso sistemático no cumprimento dos objetivos que o país tinha com a organização”. Em 2018, a Argentina recebeu o maior empréstimo concedido pelo FMI na sua história, em um montante de quase US$ 55 milhões de dólares, dos quais US$ 44 milhões foram finalmente desembolsados.

Devido à pandemia e a uma seca histórica, o anterior governo central, o de esquerda de Alberto Fernández, acordou no início de 2022 um novo programa de refinanciamento pelo qual o país se comprometeu a cumprir uma série de metas — fiscais e de emissão monetária, entre outras.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Essas diretrizes foram suspensas a partir de meados de 2023 em coincidência com a campanha eleitoral que trouxe o o economista ultraliberal Milei à presidência.

O presidente, que após tomar posse em 10 de dezembro, lançou um plano de ajuste e desregulamentação de uma economia com forte intervenção estatal, expressou em diversas ocasiões que o FMI não deveria se preocupar porque seu governo será mais austero do que a organização exige: “Essas novas metas que se impõem serão mais do que cumpridas”, reiterou o porta-voz do governo, Manuel Adorni. “O plano que estamos executando é de ordem nas contas e em vários aspectos da economia argentina, portanto não deverá haver nenhum problema para que o acordo seja retomado.”

O FMI apoiou as medidas do novo governo argentino, que visam o ajustamento fiscal, o corte da despesa pública e a contenção da emissão monetária. Na verdade, alguns analistas consideram que o programa econômico do presidente libertário vai mais longe do que o que a agência exige para cumprir o serviço da dívida. “Estas fortes ações iniciais visam melhorar significativamente as finanças públicas de uma forma que proteja os mais vulneráveis da sociedade e fortalecer o regime cambial”, afirmou o Diretor de Comunicações do FMI, Julie Kozack, depois de conhecer os primeiros anúncios econômicos, em meados de dezembro.

Publicidade

Além disso, a diretor-geral do FMI, Kristalina Georgieva, deu o seu apoio ao pacote de medidas que visam eliminar o déficit fiscal e alcançar um excedente primário que permita o serviço da dívida em moeda estrangeira./EFE e Associated Press.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.