Ataque aéreo israelense em Gaza mata sete pessoas de ONG de chef famoso

Comboio foi atingido após descarregar toneladas de ajuda alimentar humanitária; chef José Andrés, da World Central Kitchen, pede fim do uso de alimentos como armas

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

Cidadãos da Austrália, Reino Unido e Polônia estão entre as sete pessoas que trabalhavam para o famoso chef José Andrés, da World Central Kitchen, que foram mortas em um bombardeio aéreo israelense no centro da Faixa de Gaza na segunda-feira, 1, segundo a ONG.

PUBLICIDADE

O comboio foi atingido quando saía de um armazém em Deir al-Balah, depois de descarregar mais de 100 toneladas de ajuda alimentar humanitária levada para Gaza por mar.

“Este não é apenas um ataque contra a WCK, é um ataque às organizações humanitárias que atuam nos locais mais terríveis em que os alimentos são usados como arma de guerra”, disse Erin Gore, executiva-chefe da World Central Kitchen. “Isso é imperdoável.”

Um corpo de uma pessoa com uma camisa da World Central Kitchen é retirado por civis palestinos em Deir al-Balah, no centro da Faixa de Gaza  Foto: Abdel Kareem Hana/AP

Os militares israelenses disseram que irão fazer uma revisão completa para compreender as circunstâncias do que chamaram de incidente trágico. Segundo eles, um órgão especializado independente e profissional investigará as mortes.

“As Forças de Defesa fazem grandes esforços para permitir a entrega segura de ajuda humanitária e têm trabalhado em estreita colaboração com a WCK nos seus esforços vitais para fornecer alimentos e ajuda humanitária ao povo de Gaza”, disseram os militares.

O porta-voz das Forças de Defesa de Israel (FDI), Daniel Hagari, afirmou que conversou com o fundador da WCK, o chef José Andrés, e expressou suas condolências.

O chanceler de Israel, Israel Katz, ressaltou em uma publicação na rede social X que o governo israelense iria investigar o ocorrido e que Tel-Aviv faz de tudo para prevenir a morte de civis durante a guerra.

Publicidade

Andrés, que iniciou a ONG em 2010 enviando cozinheiros e alimentos para o Haiti após um terremoto, disse que estava com o coração partido e de luto pelas famílias e amigos dos que morreram.

“O governo israelense precisa parar com essa matança indiscriminada”, disse. “É preciso parar de restringir a ajuda humanitária, parar de matar civis e trabalhadores humanitários e parar de usar os alimentos como arma. Não há mais vidas inocentes perdidas. A paz começa com a nossa humanidade partilhada. Precisa começar agora”.

José Andrés, chefe espanhol e fundador da World Central Kitchen, ajuda na distribuição de comida em Kherson, Ucrânia  Foto: Efrem Lukatsky/AP

O Hamas disse que o ataque teve como objetivo aterrorizar os trabalhadores das agências humanitárias internacionais, dissuadindo-os das suas missões.

O primeiro-ministro australiano, Anthony Albanese, confirmou a morte do trabalhador humanitário Lalzawmi “Zomi” Frankcom, de 44 anos, e disse que o seu governo contactou Israel para exigir que os responsáveis sejam responsabilizados.

Palestinos carregam o corpo de uma pessoa morta por bombardeios israelenses em Deir al Balah, no centro da Faixa de Gaza  Foto: Abdel Kareem Hana/AP

“Esta é uma tragédia humana que nunca deveria ter ocorrido, que é completamente inaceitável e a Austrália procurará uma responsabilização plena e adequada”, disse em uma conferência de imprensa nesta terça-feira, 2.

Albanese afirmou que civis inocentes e trabalhadores humanitários precisam ser protegidos e reiterou o apelo a um cessar-fogo em Gaza, juntamente para ajudar aqueles que sofrem de “tremenda privação”.

Um vídeo obtido pela Reuters mostrou paramédicos transportando corpos para um hospital e exibindo os passaportes de três dos mortos.

Publicidade

“Estamos com o coração partido e profundamente preocupados com o ataque que matou trabalhadores humanitários do WCKitchen em Gaza”, disse a porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos EUA, Adrienne Watson, nas redes sociais. “Os trabalhadores da ajuda humanitária devem ser protegidos enquanto entregam a ajuda que é desesperadamente necessária, e instamos Israel a investigar rapidamente o que aconteceu.”

A WCK informou que iria interromper imediatamente as suas operações na região e que tomaria decisões em breve sobre o futuro do trabalho. No mês passado, a ONG serviu mais de 42 milhões de refeições em Gaza durante 175 dias./ com AFP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.