PUBLICIDADE

Brasileiro está entre os feridos de atentado em Israel, confirma Itamaraty

Vítima está em condição estável de saúde e recebendo ssistência da Embaixada do Brasil em Tel-Aviv

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

O Ministério das Relações Exteriores (MRE) confirmou na terça-feira, 16, que um brasileiro está entre os feridos no atentado terrorista ocorrido na segunda-feira, 15, em Ra’anana, em Israel. O cidadão brasileiro está em condição estável de saúde e está recebendo assistência da Embaixada do Brasil em Tel-Aviv, segundo o Itamaraty. A identidade da vítima não foi divulgada.

PUBLICIDADE

Segundo a polícia israelense, dois homens palestinos roubaram carros e atropelaram israelenses na cidade de Ra’anana, nos arredores de Tel-Aviv, Israel, na segunda-feira. Uma pessoa foi morta e outras 17 ficaram feridas, de acordo com autoridades de emergência.

Ambos os agressores, residentes da área de Hebron na Cisjordânia ocupada por Israel, foram presos, afirmou a polícia em comunicado. Suas motivações ainda estavam sendo investigadas, mas o incidente estava sendo tratado como um ataque terrorista, segundo Dean Elsdunne, porta-voz da polícia.

Magen David Adom, um serviço médico de emergência israelense, afirmou que uma mulher na casa dos 70 anos foi morta. Dos 17 feridos, dois estavam em estado grave, segundo o serviço. O Ministério das Relações Exteriores da França disse que dois dos feridos eram jovens franceses, mas não forneceu nomes ou idades.

As forças de segurança israelenses trabalham no local de um ataque com veículo e facadas em um ponto de ônibus, em Ra'anana, Israel, segunda-feira, 15 de janeiro de 2024  Foto: Oded Balilty / AP

O incidente, na cidade de Ra’anana, ocorreu em meio a tensões crescentes em Israel, com a guerra contra o Hamas na Faixa de Gaza entrando em seu quarto mês e as forças de segurança israelenses reforçando as restrições aos palestinos na Cisjordânia.

Em comunicado, o Hamas elogiou o que descreveu como “o ataque ‘Ra’anana’”, referindo-se aos agressores como “heróis” e chamando suas ações de “uma resposta natural às massacres e agressões da ocupação contra o povo palestino”. O grupo não assumiu a responsabilidade pelo incidente.

Em comunicado divulgado na segunda-feira, o Ministério das Relações Exteriores brasileiro repudiou a violência e prestou solidariedade ao povo e ao governo de Israel. “Ao manifestar seu repúdio ao recurso à violência, sobretudo contra civis, o governo brasileiro apela a palestinos e israelenses que se abstenham da prática de atos que ampliem as tensões e tragam o risco de escalada ainda maior no conflito ora em curso na região”, disse a pasta.

Publicidade

O ministério também reiterou a defesa da solução de dois Estados, “com um Estado Palestino economicamente viável convivendo lado a lado com Israel, em paz e segurança, dentro de fronteiras mutuamente acordadas e internacionalmente reconhecidas”./Com Agência Brasil e NYT

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.