PUBLICIDADE

China e Filipinas trocam acusações por colisão de navios em águas disputadas

No dia anterior, as Filipinas já haviam acusado a guarda-costeira chinesa de usar canhões de água para impedir que três navios oficiais entregassem suprimentos aos pescadores filipinos

Por Pam Castro

AFP - Um navio filipino e uma embarcação da guarda-costeira chinesa colidiram neste domingo, 10, perto de um recife disputado, e os dois países se culpam mutuamente por este novo confronto no Mar do Sul da China. O incidente ocorreu durante uma missão de reabastecimento do navio filipino perto do banco de areia de Ayungin, nas ilhas Spratly, foco do conflito entre Manila e Pequim.

PUBLICIDADE

No dia anterior, as Filipinas haviam acusado a guarda-costeira chinesa de usar canhões de água para impedir que três navios oficiais entregassem suprimentos aos pescadores filipinos perto do atol de Scarborough, adjacente à ilha principal de Luzon.

Pequim reivindica a quase totalidade dessas águas, uma rota essencial do comércio mundial, em disputa com as reivindicações de outros países costeiros como Filipinas, Vietnã, Malásia e Brunei.

Embarcação chinesa usou canhões de água contra o navio filipino  Foto: Philippine Coast Guard via AP

Para reforçar as suas reivindicações, enviou patrulhas e construiu ilhas artificiais que foram militarizadas. Neste domingo, as Filipinas denunciaram que navios da guarda-costeira chinesa “assediaram, bloquearam e realizaram manobras perigosas contra navios de abastecimento civil filipinos”.

Um dos dois navios que transportavam suprimentos foi “atingido” por um navio da guarda-costeira chinesa, informou a unidade especial para o mar das Filipinas Ocidental, em um comunicado.

Além disso, um navio chinês também usou canhões de água contra os dois navios de abastecimento e um navio da guarda-costeira filipina que escoltava a missão, acrescentou a mesma fonte. Isso causou “sérios danos” ao motor de um dos navios de abastecimento e danificou o mastro do navio da guarda-costeira, acrescentou.

A guarda-costeira chinesa acusou o navio filipino de “colidir deliberadamente” com o navio chinês depois de “desconsiderar várias advertências firmes”.

Publicidade

Em comunicado, afirmou que o navio filipino “mudou repentinamente de direção de uma maneira pouco profissional e perigosa, colidindo deliberadamente com nosso navio da guarda-costeira ‘21556′ que estava realizando um trajeto normal de vigilância”.

“Não nos deixaremos impressionar”, reagiu o presidente das Filipinas, Ferdinand Marcos, pelo Facebook. “A agressão e as provocações realizadas pela guarda-costeira chinesa e sua milícia marítima contra nossas embarcações e nosso pessoal neste fim de semana só reforçam nossa determinação de proteger nossa soberania no mar das Filipinas ocidentais”, disse.

O incidente fez com que um comboio de navios civis que deveriam entregar mantimentos aos pescadores e tropas filipinos nessas águas cancelasse a sua missão, devido ao “monitoramento constante” dos navios chineses, informou o organizador.

Navio da Guarda Costeira chinesa abalroa o barco de abastecimento Unaizah Mae 1, operado pela marinha filipina Foto: Guarda Costeira Filipina via AP

‘Profundamente preocupante’

Diplomatas estrangeiros em Manila reagiram imediatamente ao incidente.

PUBLICIDADE

A embaixadora dos Estados Unidos, MaryKay Carlson, afirmou que o seu país apoiou “as Filipinas e os seus parceiros na condenação das repetidas ações ilegais e perigosas da República Popular da China contra os navios filipinos”. Já o embaixador da União Europeia, Luc Veron, disse que o incidente deste domingo foi “profundamente preocupante”.

As Filipinas e a China têm uma longa história de incidentes marítimos no disputado Mar do Sul da China, por onde passam anualmente trilhões de dólares em comércio.

As relações entre Manila e Pequim se deterioraram sob a presidência Ferdinand “Bongbong” Marcos, que tentou melhorar os laços com o seu aliado tradicional, os Estados Unidos, e se opôs às ações chinesas no Mar do Sul da China. No mês passado, Bongbong Marcos alertou que a situação nessas águas “se agravou”.

Publicidade

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.