PUBLICIDADE

China tem milhares de 'Navalnis' sufocados pelo regime de Xi Jinping

Mais de 7 mil críticos do governo chinês estão sob custódia no país, indica levantamento; chineses não são reconhecidos opositores como Navalni por falta de partido de oposição

Por Li Yuan

THE NEW YORK TIMES - Depois de assistir ao documentário “Navalni”, sobre o líder da oposição russa Alexei Navalni, uma empresária chinesa me mandou uma mensagem dizendo: “Ren Zhiqiang é o Navalni da China”. Ela se referia ao magnata aposentado do setor imobiliário que foi condenado a 18 anos de prisão por criticar o líder da China, Xi Jinping.

PUBLICIDADE

Após a trágica morte de Navalni neste mês, um jovem dissidente que vive em Berlim postou no X: “O Professor Li é o mais próximo da versão chinesa de Navalni”. Ele se referia ao influenciador rebelde conhecido como Professor Li, que usava as redes sociais para compartilhar informações sobre protestos na China e que agora teme por sua vida.

Há outros: Liu Xiaobo, laureado com o Prêmio Nobel da Paz, que morreu sob custódia do regime em 2017, e Xu Zhiyong, o acadêmico de direito que cumpre 14 anos de prisão por acusações de subversão.

Imagem de 18 de fevereiro mostra cartaz com o rosto do opositor russo Alexei Navalni, morto em uma prisão na Rússia Foto: Kirty Wigglesworth/via AP

O triste fato é que não há um equivalente chinês de Navalni porque não há um partido de oposição na China — portanto nenhum líder de oposição.

Não é por falta de tentativa. Muitos chineses corajosos desafiaram o regime autoritário mais poderoso do mundo. Desde 2000, a organização humanitária sem fins lucrativos Dui Hua registrou os casos de 48.699 prisioneiros políticos na China, com 7.371 atualmente sob custódia. Nenhum deles tem o mesmo reconhecimento público entre os chineses que Navalni tinha na Rússia.

Sob o presidente Vladimir Putin, a Rússia é altamente intolerante à dissidência. Putin prende seus críticos e os persegue mesmo no exílio. Na China, figuras de destaque como os equivalentes a Navalni não poderiam existir. Eles seriam silenciados e presos muito antes de alcançarem a consciência pública.

“Você consegue imaginar a República Popular da China dando aos notórios prisioneiros políticos o acesso contínuo que Navalni teve à opinião pública por meio de vários métodos diretos e indiretos?”, escreveu Jerome Cohen, professor de direito aposentado da Universidade de Nova York, no X.

Publicidade

Isso era o que os membros da comunidade dissidente chinesa estavam pensando enquanto assistiam às notícias da morte de Navalni com tristeza e horror. Sua morte foi trágica e sua vida foi heroica. Mas foi difícil para eles processar as revelações de que ele conseguiu enviar centenas de cartas escritas à mão da prisão. As pessoas escreviam para ele, pagando 40 centavos por página, e recebiam cópias de suas respostas.

“Apesar das condições cada vez mais severas, incluindo períodos repetidos de confinamento solitário”, escreveu meu colega Anton Troianovski, “ele manteve presença nas redes sociais, enquanto membros de sua equipe continuaram a publicar investigações sobre a elite corrupta da Rússia do exílio.”

Imagem de janeiro mostra câmeras de vigilância espalhadas em Hong Kong, na China. Vigilância chinesa contribui para diminuir dissidência no país  Foto: Lam Yik/Reuters

Nada disso seria possível na China. Os nomes da maioria dos prisioneiros políticos chineses são censurados online. Uma vez presos, nunca mais se ouve falar deles. Ninguém pode visitá-los, exceto seus parentes diretos e seus advogados, embora isso não seja garantido.

Os prisioneiros políticos da China não podem ter qualquer tipo de acesso ao mundo exterior e são deixados para apodrecer atrás das grades, mesmo que estejam lidando com problemas de saúde – exatamente como Liu, o laureado com o Prêmio Nobel da Paz, que morreu de câncer de fígado sob custódia do regime.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Algumas pessoas chamam Ren, o magnata aposentado do setor imobiliário, de “Navalni da China”. Ele já teve provavelmente o perfil público mais conhecido entre os prisioneiros políticos chineses. Ele estava entre os blogueiros mais influentes do país, com quase 38 milhões de seguidores. Em 2016, sua conta no Weibo foi excluída depois que ele criticou a declaração de Xi Jinping de que toda a mídia chinesa deveria servir ao partido.

Conheço Ren desde 2010. Mas desde sua prisão em março de 2020, não tive comunicação direta com ele. Nem seus amigos. Nenhum de nós tem conhecimento em primeira mão de sua vida na prisão.

Dias antes de sua prisão, Ren me disse que havia agendado uma biópsia sob suspeita de câncer de próstata. Por meses, tenho ouvido de pessoas que se comunicaram com sua família que ele não está recebendo tratamento adequado e que ele se levanta uma dúzia de vezes por noite para ir ao banheiro. Não consigo entrar em contato com membros de sua família porque dar entrevistas à mídia estrangeira pode colocá-los em apuros.

Publicidade

Gao Zhisheng era um advogado de direitos humanos que passou anos na prisão, foi torturado e depois desapareceu em 2017. Sua família não tem notícias dele desde então. Ninguém sabe onde ele está, ou mesmo se está vivo. Neste momento, poucos chineses conhecem seu nome.

“Seu desaparecimento é uma ocorrência comum”, escreveu Guo Yushan, um ativista que ajudou o advogado Chen Guangcheng a buscar asilo nos Estados Unidos em 2012. “Eles são levados à extinção pelo sistema, evitados e protegidos pela sociedade em geral, esquecidos pelo público”, disse Guo. “E muitas vezes, quanto mais completa for sua resistência, mais completa será sua desaparição.”

Guo escreveu essas palavras em 2013, o primeiro ano de Xi no poder, para uma organização que oferecia assistência financeira às famílias de prisioneiros políticos. Tais programas seriam inimagináveis na China hoje. Guo desapareceu da vista pública após ser libertado de quase um ano de detenção em 2015.

Em uma sociedade tão controlada quanto a China sob o poder de Xi, é impossível para alguém ter o tipo de influência que Navalni teve. O maior medo do Partido Comunista são organizações e indivíduos que possam desafiar seu regime. Por isso, não gosta de grupos religiosos ou organizações não governamentais. Ele teme empreendedores que acredita terem o poder financeiro e habilidades organizacionais para representar uma ameaça ao partido. Ele sufoca qualquer faísca que possa potencialmente se transformar em um incêndio.

Atualmente, o regime de Xi parece estar obcecado com o Professor Li, um influenciador das redes sociais com um avatar de gato. Li Ying é um pintor que em 2022 transformou sua conta no então Twitter em um hub que informa o público chinês com notícias que não são vinculadas na mídia e na internet fortemente censuradas. Nesta semana, ele pediu a seus seguidores na China que deixassem de segui-lo porque a polícia questionou alguns deles. Em um dia, o número de seus seguidores caiu de 1,6 milhão para 1,4 milhão.

Li, que mora em Milão disse-me no ano passado que estava se preparando psicologicamente para a possibilidade de ser assassinado.

Independentemente das diferentes formas de autoritarismo que enfrentam, os prisioneiros políticos russos e chineses compartilham o desejo de que seus países não estejam fadados ao fracasso e se tornem normais, democráticos e livres. Todos eles são Navalni.

Publicidade

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.