PUBLICIDADE

A China quer dominar a IA, mas tropeça em um detalhe: depende da tecnologia dos EUA

País tem plano de liderar a tecnologia até 2030, mas encontra grandes obstáculos internos e externos

Por Paul Mozur , John Liu e Cade Metz

THE NEW YORK TIMES - Em novembro de 2023, um ano após o lançamento do ChatGPT, uma startup chinesa relativamente desconhecida saltou para o topo de uma tabela de classificação que avaliava as habilidades dos sistemas de inteligência artificial (IA) de código aberto.

A empresa chinesa, 01.AI, tinha apenas oito meses de existência, mas contava com grandes apoiadores e uma avaliação de US$ 1 bilhão, além de ter sido fundada por um conhecido investidor e tecnólogo, Kai-Fu Lee. Em entrevistas, Lee apresentou seu sistema de IA como uma alternativa a modelos abertos, como o LLaMA, da Meta.

Nova guerra fria envolve EUA e China na disputa pela supremacia em inteligencia artificial  Foto: Andy Wong/ AP

PUBLICIDADE

Havia só um detalhe: parte da tecnologia do sistema da 01.AI veio do próprio LLaMA. A startup de Lee evoluiu a tecnologia da Meta, treinando seu sistema com novos dados para torná-lo mais poderoso.

A situação é emblemática de uma realidade que muitos na China admitem abertamente. Mesmo que o país esteja correndo para criar IA generativa, as empresas chinesas estão confiando quase que inteiramente em sistemas subjacentes dos Estados Unidos. A China agora está pelo menos um ano atrás dos Estados Unidos em termos de IA generativa e pode estar a caminho de ficar ainda mais para trás, segundo especialistas - o cenário ilustra uma nova fase na competição tecnológica entre as duas nações, que alguns compararam a uma guerra fria.

“As empresas chinesas estão sob enorme pressão para se manterem a par das inovações dos EUA”, diz Chris Nicholson, investidor da empresa de capital de risco Page One Ventures, que se concentra em tecnologias de inteligência artificial. O lançamento do ChatGPT foi “mais um momento Sputnik ao qual a China sentiu que tinha que responder”.

Jenny Xiao, sócia da Leonis Capital, uma empresa de investimentos que se concentra em empresas com tecnologia de IA, diz que os modelos de IA que as empresas chinesas criam do zero “não são muito bons”, o que faz com que muitas empresas chinesas usem “versões ajustadas de modelos ocidentais”. Ela estimou que a China estava de dois a três anos atrás dos Estados Unidos em termos de desenvolvimento de IA generativa.

O que está em jogo na disputa pela IA

A disputa pela liderança em IA tem implicações enormes. Os avanços na IA generativa poderiam alterar o equilíbrio tecnológico global de poder, aumentando a produtividade das pessoas, ajudando os setores e levando a inovações futuras, mesmo que as nações lutem contra os riscos da tecnologia.

Publicidade

Enquanto as empresas chinesas tentam recuperar o atraso recorrendo a modelos de IA de código aberto dos Estados Unidos, os americanos estão em uma situação difícil. Mesmo que os Estados Unidos tenham tentado desacelerar os avanços da China, limitando a venda de microchips e restringindo os investimentos, eles não impediram a prática de liberar software abertamente para incentivar sua adoção.

Para a China, a nova dependência de sistemas de IA dos Estados Unidos - principalmente o LLaMA da Meta - alimentou questões mais profundas sobre o modelo de inovação do país, que nas últimas décadas surpreendeu ao criar empresas de destaque mundial como o Alibaba e a ByteDance.

“Ao usar tecnologias americanas de código aberto para recuperar o atraso, a China levanta questões muito complicadas, envolvendo segurança nacional e geopolítica”, diz Oren Etzioni, professor da Universidade de Washington.

Ao usar tecnologias americanas de código aberto para recuperar o atraso, a China levanta questões muito complicadas, envolvendo segurança nacional e geopolítica

Oren Etzioni, professor da Universidade de Washington

Investimento e repressão na China

A IA tem sido uma prioridade na China há muito tempo. Depois que a ferramenta de IA AlphaGo derrotou dois dos principais jogadores do jogo de tabuleiro Go em 2016 e 2017, os legisladores chineses estabeleceram um plano ambicioso para liderar o mundo em tecnologia até 2030. O governo prometeu bilhões para pesquisadores e empresas focadas em IA

PUBLICIDADE

Quando a OpenAI lançou o ChatGPT em novembro de 2022, muitas empresas chinesas estavam sendo prejudicadas por uma repressão regulatória de Pequim que desencorajava a experimentação sem a aprovação do governo. As empresas de tecnologia chinesas também estavam sobrecarregadas por regras de censura criadas para gerenciar a opinião pública e silenciar a principal oposição ao Partido Comunista Chinês.

As empresas chinesas com recursos para criar um modelo de IA generativo enfrentaram um dilema. Se criassem um chatbot que dissesse algo errado, seus criadores pagariam o preço. E ninguém podia ter certeza do que poderia sair da boca digital de um chatbot.

“Simplesmente não é possível se livrar de todas as formas problemáticas de expressão desses sistemas”, diz Andrew Ng, professor de ciência da computação em Stanford e ex-executivo do Baidu, o gigante chinês das buscas.

Publicidade

Os gigantes chineses da tecnologia também estavam lutando contra as novas regulamentações que determinam como os modelos de IA podem ser treinados. As regras limitam os conjuntos de dados que podem ser usados para treinar modelos de IA e os aplicativos que são aceitáveis, além de estabelecer requisitos para o registro de modelos de IA junto ao governo.

Kai-Fu Lee (E), fundador da 01.AI, conversa com investidores em Pequim Foto: Yan Cong/The New York Times

“É mais difícil e mais arriscado inovar em IA generativa no atual regime regulatório, que ainda é um alvo móvel”, diz Kevin Xu, fundador da Interconnected Capital, com sede nos EUA, um fundo que investe em empreendimentos de IA.

Os investidores em tecnologia na China também têm pressionado por retornos rápidos da IA, o que significa que o dinheiro tem sido direcionado para aplicativos fáceis de executar, em vez de metas mais ambiciosas voltadas para a pesquisa fundamental, diz Yiran Chen, professor de Computação da Universidade Duke. Cerca de 50% dos investimentos chineses em IA foram direcionados para a tecnologia de visão computacional, necessária para a vigilância, em vez de construir modelos básicos para IA generativa, afirma ele.

Agora, Baidu, Alibaba, a empresa de laticínios Mengniu e a empresa de aulas particulares TAL Education entraram na corrida da IA generativa na China, levando a mídia chinesa a cunhar a frase “a batalha dos 100 modelos” para descrever o frenesi.

Algumas pessoas criticaram o “vale-tudo” como uma manobra publicitária que aumenta a concorrência desnecessária. Em um painel de discussão no ano passado, Robin Li, CEO da Baidu, descreveu o fato de ter centenas de modelos básicos de IA como um desperdício.

“Mais recursos devem ser alocados para aplicativos em vários setores, especialmente considerando as limitações do nosso poder de computação”, disse ele.

O sucesso tem sido difícil de ser alcançado. Quando a Baidu apresentou seu chatbot, Ernie, em março, foi revelado que a demonstração “ao vivo” havia sido pré-gravada. As ações da Baidu despencaram 10% naquele dia.

Publicidade

Apesar do revés, o Baidu continua sendo um dos poucos esforços importantes da China para criar um modelo de IA de base a partir do zero. Outros estão sendo liderados pelo Alibaba e pela Tencent, gigantes da tecnologia da China, bem como por uma startup ligada à Universidade de Tsinghua.

Um porta-voz do Baidu não quis comentar.

As restrições impostas pelos EUA às vendas de chips de I.A. para a China representam outro desafio, já que muitos desses chips são necessários para o treinamento de modelos de IA generativos. A Baidu e a 01.AI, entre outras, afirmaram ter armazenado chips suficientes para sustentar suas operações em um futuro próximo.

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.