PUBLICIDADE

Número de mortes causadas pelo ciclone Freddy em Moçambique e Malawi sobe para mais de 200

Grande parte das vítimas está no Malawi, um dos países mais pobres da África

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

O número de mortos pelo Ciclone Freddy em Moçambique e Malawi, onde foi decretado estado de calamidade, aumentou para mais de 200 nesta terça-feira, 14. A grande parte das vítimas está no Malawi, um dos países mais pobres da África, com 190 mortos e cerca de 37 pessoas desaparecidas, segundo as autoridades. Em Moçambique, o número de mortos chegou a 20.

Além dos mortos e dos desaparecidos, cerca de 580 pessoas do Malawi e 24 em Moçambique foram feridas devido aos danos causados pelo ciclone. O Freddy desencadeou chuvas torrenciais, que provocaram inundações e deslizamentos de terra.

Ciclone Freddy, que atualmente bate no sul da África, matou pelo menos 100 pessoas em Malauí e Moçambique desde que atingiu o continente pela segunda vez na noite de sábado, as autoridades de ambos os países confirmaram.  Foto: Thoko Chikondi/AP

PUBLICIDADE

As mortes em Malawi incluem cinco membros de uma única família que morreu no município de Blantyre, Ndirande, depois que os ventos destrutivos de Freddy e as fortes chuvas demoliram sua casa, de acordo com um relatório da polícia. Uma criança de três anos que estava “presa nos escombros” também está entre as vítimas, com seus pais entre os desaparecidos.

“Suspeitamos que este número subirá, já que estamos tentando compilar um relatório nacional de nossos escritórios da polícia do sudoeste, sudeste e leste que cobre as áreas afetadas”, disse o porta-voz da polícia do Malawi, Peter Kalaya, à AP.

Em várias regiões do sul do Malawi, as autoridades declararam estado de desastre, inclusive na capital econômica Blantyre, anunciou a presidência.

O ciclone Freddy se formou no noroeste da Austrália na primeira semana de fevereiro e pode se tornar o ciclone tropical mais duradouro já registrado, segundo a Organização Meteorológica Mundial (OMM), uma agência das Nações Unidas.

É a segunda vez que o ciclone - que tem causado destruição no sul da África desde o final de fevereiro - tocou terra firme na África continental. Ele também atingiu Madagascar e a Ilha da Reunião ao atravessar o oceano.

Publicidade

O percurso do ciclone Freddy

Freddy se desenvolveu pela primeira vez perto da Austrália no início de fevereiro e viajou por todo o sul do Oceano Índico. Está previsto para ser o ciclone tropical mais longo já registrado. A agência meteorológica das Nações Unidas convocou um painel de especialistas para determinar se o ciclone quebrou o recorde estabelecido pelo Furacão John em 1994 de 31 dias.

O ciclone atravessou todo o sul do Oceano Índico e atingiu Madagascar em 21 de fevereiro, antes de chegar a Moçambique em 24 de fevereiro. Deixou 17 pessoas mortas e milhares desalojadas.

As pessoas atravessam um rio enfurecido em Blantyre, Malawi, após Ciclone Freddy nesta segunda-feira, 13.  Foto: Thoko Chikondi/AP

A agência meteorológica francesa Météo-France, centro regional de monitoramento de ciclones tropicais na Ilha da Reunião, afirmou nesta segunda-feira, 13, que “as chuvas mais fortes continuarão durante as próximas 48 horas” enquanto os barris de Freddy estiverem em funcionamento.

As províncias centrais de Moçambique e Malawi foram identificadas como especialmente vulneráveis a “enchentes e deslizamentos de terra em áreas montanhosas” pelos monitores meteorológicos.

A cidade portuária de Quelimane, localizada a cerca de 40 km do local onde o ciclone fez o aterro sanitário, ainda está isolada do resto do país. Em algumas áreas, não há estradas, água ou eletricidade, disse por telefone Guy Taylor, porta-voz do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).

Estrada foi desmoronada por enchentes devido a fortes chuvas após o ciclone Freddy em Blantyre, Malauí, nesta segunda-feira, 13. Líder do Malauí declarou o estado de calamidade em vários distritos do sul, incluindo o centro comercial de Blantyre, após o retorno do ciclone deixar dezenas de mortos Foto: Amos Gumulira/ AFP

Várias tempestades ou ciclones atravessam o sudoeste do Oceano Índico a cada ano durante a temporada de ciclones, que vai de novembro a abril.

Muitos dos danos sofridos no Malawi estão em casas construídas em áreas proibidas por lei, como em regiões montanhosas ou perto de rios, onde estão lutando contra deslizamentos de terra, enchentes sem precedentes e rios transbordando em suas margens. O ciclone forçou o governo malawiano a suspender escolas em 10 distritos em sua região sul “como medida de precaução”. /AFP e AP

Publicidade