PUBLICIDADE

Barulho ou tradição? Cidade na Suíça faz votação para decidir se vacas devem usar sino no pescoço

Badaladas de acessório durante a madrugada provocaram incômodo a alguns moradores que pediram pela remoção de sino no fim do dia, mas comunidade reagiu mal à reclamação

Por Nina Larson

Vacas pastando com sinos exóticos pendurados no pescoço são uma espécie de símbolo na Suíça, embora essa cena tradicional não agrade todo mundo e incite críticas ao barulho que fazem durante a noite.

PUBLICIDADE

Neste ano, uma denúncia foi apresentada devido ao barulho de um rebanho de aproximadamente 15 vacas, que pastam à noite em um campo próximo a uma área residencial no município de Aarwangen, no centro da Suíça.

Dois casais, residentes de apartamentos alugados com vista para o campo, solicitaram às autoridades que interviessem para garantir que o dono dos animais retirasse o sino no fim do dia.

Fazendeiro Rolf Rohrbach com uma de suas vacas na vila de Aarwangen. Apesar da tradição de vacas usarem sinos no pescoço, foi apresentada uma queixa sobre os níveis de ruído de um rebanho. Foto: Fabrice COFFRINI/AFP

A reação à reclamação foi rápida, com exigências irrefutáveis de uma votação local a fim de proteger o uso tradicional dos sinos.

“Minha primeira reação quando escutei a denúncia foi de surpresa”, comentou à AFP o prefeito de Aarwangen, Niklaus Lundsgaard-Hansen, que vive perto do terreno em questão. “Não sabia que as vacas faziam tanto barulho, mas descobri que elas podem incomodar algumas pessoas.”

O prefeito se surpreendeu ainda mais com a intensidade da resposta. Os solicitantes só precisavam do apoio de 10% das pessoas elegíveis na cidade, de 4.800 pessoas, ou seja, cerca de 380 assinaturas, para submeter uma votação sobre o tema no conhecido sistema de democracia direta da Suíça.


Uma petição nomeada “Iniciativa do Sino” recebeu 1.099 assinaturas a favor de preservar o direito de usar sinos de vaca a qualquer momento. “Isso é enorme”, comentou Lundsgaard-Hansen. Uma campanha sobre a votação foi apresentada oficialmente nesta segunda-feira, 11, aos eleitores, em uma reunião municipal. A princípio, a votação será realizada em junho de 2024.

Publicidade

Na semana passada, os rituais pecuários alpinos, que incluem conduzir o gado para pastagens nas altas montanhas durante o verão com sinos decorativos, foram incluídos na lista de patrimônio cultural imaterial da Unesco.

No entanto, para muitos moradores que buscam a paz e tranquilidade do campo, sem muita distância das cidades, o encanto folclórico dos sinos é excessivo.

Os sinos das vacas já foram indispensáveis para rastrear os rebanhos nos pastos alpinos, mas sua utilidade diminuiu com a chegada do GPS. Eles continuam sendo, contudo, um símbolo da vida campestre na Suíça.

Fazendeiros podem ter que remover os sinos das vacas durante a noite, caso as autoridades determinem que eles excedem os níveis de ruído aceitáveis. Foto: Fabrice COFFRINI / AFP

Tradição

Nos últimos anos, as reclamações sobre o barulho dos sinos aumentaram. Também houve reclamações de que, em algumas igrejas, os sinos tocam a cada 15 minutos, dia e noite. As críticas costumam gerar reações intensas em defesa das tradições suíças - um país onde os estrangeiros representam um quarto da população. “Isso é sobre nossa tradição”, insistiu à AFP o neurologista Andreas Baumann, responsável pela iniciativa da petição. “Queremos preservar o que os nossos antepassados criaram ou queremos deixá-lo num museu?”, questionou.

Para os casais que denunciaram, a resposta da comunidade foi, possivelmente, inesperada. Um deles preferiu retirar a denúncia e o outro deseja sair da cidade, segundo o prefeito.

Independente do resultado da votação, o fazendeiro envolvido talvez tenha que remover os sinos das vacas durante a noite, caso as autoridades determinem que eles excedem os níveis de ruído aceitáveis. Uma decisão judicial sobre o assunto é esperada em breve.

Rolf Rohrbach, um fazendeiro vizinho, diz adorar essa tradição. “Eu ouço quando durmo”, disse Rohrbach, “eu sei que minhas vacas estão em casa”./AFP

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.