Com aliados enfraquecidos, Nicarágua busca aproximação discreta com EUA

Sanções destinadas a frustrar as ações ditatoriais do presidente atingiram duramente sua família e grupo próximo

PUBLICIDADE

Por Maria Abi-Habib
Atualização:
8 min de leitura

THE NEW YORK TIMES - A família no poder na Nicarágua resistiu amplamente às sanções impostas pelos Estados Unidos nos últimos anos, quando autoridades americanas acusaram o governo de se aproximar da autocracia. Agora, ao que parece, essa determinação da família pode estar perdendo força.

Logo após a invasão da Ucrânia pela Rússia, o filho mais proeminente do presidente autocrático da Nicarágua, Daniel Ortega, se aproximou discretamente de Washington para reiniciar um diálogo, de acordo com autoridades e diplomatas familiarizados com o tema. Ao mesmo tempo, o governo Biden impunha sanções contra Moscou, que tem no país centro-americano um dos poucos aliados restantes.

O tópico-chave na discussão com o filho era o alívio de sanções para a família.

A ascensão meteórica do filho, Laureano Ortega, ajudou a família a consolidar o poder; ele agora administra os relacionamentos mais importantes da Nicarágua, forjando acordos diplomáticos e de energia marcantes com diplomatas chineses e russos de alto nível.

O filho do presidente da Nicarágua, Laureano Ortega, em assinatura de contratos com o vice-chanceler da China, Ma Zhaoxu, em Tianjin, China, em dezembro  Foto: Yue Yuewei/Xinhua via Reuters

Um alto funcionário do Departamento de Estado dos EUA foi enviado a Manágua para se encontrar com Laureano Ortega em março, mas a reunião nunca aconteceu.

Laureano, de 40 anos, é visto por alguns analistas como o favorito para suceder seu pai, de 76, um ex-líder revolucionário que diz estar com problemas de saúde.

Continua após a publicidade

Apesar das frequentes denúncias de Daniel Ortega a Washington, a economia da Nicarágua depende fortemente dos EUA, de longe seu maior parceiro comercial. Rússia, Venezuela e Cuba, aliados leais de Ortega, não fazem parte da lista dos cinco principais parceiros comerciais da Nicarágua.

Mas as sanções destinadas a frustrar as tendências ditatoriais de Ortega atingiram duramente sua família e seu grupo mais próximo; generais de alto escalão e vários filhos do presidente, incluindo Laureano, foram alvos das sanções de Washington, com seus negócios colocados na lista de restrições e acusados de lavar dinheiro para o regime.

Aliança com Putin em xeque

A natureza de alto nível da abertura foi tomada como um sinal por Washington de que as autocracias da América Latina podem estar repensando sua aliança com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, enquanto as forças armadas de seu país estão atoladas na Ucrânia e sua economia devastada por sanções.

O governo Biden espera fazer incursões com os parceiros latino-americanos de Putin ao retratar a Rússia como uma potência em declínio com pouco a oferecer.

Em 5 de março, logo após a invasão da Rússia, altos funcionários americanos voaram para a Venezuela para conversas, as negociações de mais alto nível entre os países em anos. Essas conversas garantiram a libertação de dois americanos presos, enquanto o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, sinalizou a disposição de aumentar a produção de petróleo de seu país caso as exportações russas fossem vetadas.

Um mural representando o presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, em Estel  Foto: Inti Ocon/The New York Times

Continua após a publicidade

Os Estados Unidos foram rápidos em proibir o petróleo russo, e a União Europeia está prestes a impor seu próprio embargo. O regime governante da Nicarágua encontra-se em um estado financeiro precário.

“A Rússia não pode dar dinheiro a eles agora e a carteira venezuelana está fechada”, disse Arturo McFields, ex-embaixador da Nicarágua na Organização dos Estados Americanos (OEA), que renunciou em março para protestar contra o governo ditatorial de Ortega.

McFields disse que foi informado sobre o contato da Nicarágua com Washington antes de renunciar e acrescentou que a família Ortega e seu grupo próximo estavam sofrendo com as sanções americanas.

Os filhos do presidente são incapazes de viver a vida confortável a que se acostumaram, enquanto o dinheiro necessário para pagar paramilitares pró-governo ou expandir a força policial para administrar a crescente dissidência está diminuindo a cada mês, disseram McFields e um ex-alto funcionário americano.

A vice-presidente da Nicarágua, Rosario Murillo, e seu marido, o presidente Daniel Ortega, em evento em Manágua em 27 de outubro de 2021 Honduras Presidency/Handout via Reuters Foto: HONDURAS PRESIDENCY / via REUTERS

Com a Rússia e a Venezuela sofrendo sob suas próprias sanções, a Nicarágua não tem a quem recorrer para obter alívio econômico, afirma McFields.

Falando dos Ortegas, disse ele, a “família precisa de dinheiro para manter seus comparsas, a polícia e seus paramilitares felizes porque não têm nada a oferecer além da repressão”. Ele acrescentou: “Mas eles sabem que isso não é bom porque estão criando um caldeirão para outro abril de 2018″, uma referência aos protestos maciços contra o governo de Ortega que foram violentamente reprimidos pela polícia e grupos paramilitares pró-governo.

Continua após a publicidade

Laureano Ortega pretendia garantir o alívio das sanções para a família Ortega e seu grupo em troca da libertação de presos políticos, uma prioridade para o governo Biden, segundo autoridades americanas com conhecimento das negociações.

A porta-voz e vice-presidente de Ortega, sua mulher, Rosario Murillo, não respondeu a perguntas sobre as negociações, enviando e-mails com slogans revolucionários. No passado, ela denunciou as sanções como agressões imperiais.

Um alto funcionário do Departamento de Estado disse que não está claro se a divulgação de Laureano Ortega foi motivada por temores de que o crescente isolamento da Rússia afetaria o regime de Ortega, que é cada vez mais visto como um estado pária por grande parte da América Latina, ou se foi o subproduto de dissidência interna entre a família e a “velha guarda” – os aliados do presidente desde seus tempos sandinistas que atualmente servem em seu governo.

Velha guarda

À medida que a família aumenta seu domínio sobre o Estado, membros da velha guarda estão cada vez mais em desacordo com ela - desconfortáveis com suas crescentes ambições dinásticas - e também são afetados pelas sanções de Washington, de acordo com a autoridade americana e McFields. O funcionário do Departamento de Estado falou sob condição de anonimato para discutir um assunto delicado que não foi relatado.

“Uma conclusão importante desse alcance é que as sanções dos EUA à Nicarágua claramente chamam a atenção da família”, disse Dan Restrepo, ex-assessor de segurança nacional para a América Latina do presidente Barack Obama. “Provavelmente ainda mais à medida que os EUA aumentam seu regime de sanções contra a Rússia. Essa combinação está claramente afetando bastante quando se trata de membros do regime.”

Se a família Ortega estiver disposta a discutir a libertação de presos políticos, Washington se envolverá, acrescentou o funcionário do Departamento de Estado. Caso contrário, Washington está se preparando para aplicar pressão adicional sobre o regime com mais sanções.

Continua após a publicidade

Laureano Ortega se aproximou de Washington por meio de um terceiro, disse o funcionário, mas se recusou a comentar mais. Outra pessoa familiarizada com as negociações disse que Laureano se aproximou do Departamento de Estado por meio do embaixador da Nicarágua em Washington, Francisco Obadiah Campbell Hooker.

Quando contatado por telefone, Campbell negou e disse que não tinha conhecimento do assunto.

Laureano Ortega atualmente atua como conselheiro presidencial gerenciando o comércio, o investimento e as relações internacionais da Nicarágua. No ano passado, ele se reuniu com o vice-ministro das Relações Exteriores da China para assinar um acordo retirando o reconhecimento de Taiwan pela Nicarágua e forjou o primeiro acordo de cooperação nuclear com a Rússia.

A pré-candidata à presidência da Nicarágua Cristiana Chamorro foi presa na perseguição a adversários do regime Ortega  Foto: INTI OCON / AFP

Restrepo disse que o alcance de alto nível reforçou “a abordagem do governo de se apoiar em sanções para indicar que o caminho antidemocrático é um beco sem saída e só ficará mais intenso”.

Daniel Ortega, um ex-líder guerrilheiro marxista que chegou ao poder depois de ajudar a derrubar outro notório ditador nicaraguense, Anastasio Somoza, em 1979, passou a década de 80 lutando contra grupos paramilitares financiados pelos americanos que buscavam sua derrubada.

Ele então serviu na oposição da Nicarágua na década de 90, até conquistar a vitória nas eleições de 2006, depois de adotar uma plataforma pró-negócios e se reconciliar com a Igreja Católica, que há muito se opunha a ele.

Continua após a publicidade

Ele então começou a consolidar o controle de sua família no poder. Em 2017, Ortega nomeou sua mulher como vice-presidente quando seus filhos começaram a assumir papéis maiores nos negócios e na política.

Ortega frequentemente consulta Murillo antes de tomar grandes decisões políticas, disseram McFields e uma autoridade americana, um relacionamento tão próximo que o casal é frequentemente chamado na Nicarágua de “OrMu”, uma mistura dos nomes deles.

Não está claro se Laureano Ortega ou Murillo eventualmente substituirão Ortega, de acordo com analistas e autoridades americanas. Murillo está na casa dos 70 anos e, se escolhida, pode ocupar a presidência por um período antes de entregar as rédeas ao filho.

“Laureano não é autônomo o suficiente para mover um dedo sem ter o pleno acordo de Ortega e Murillo”, disse Carlos Fernando Chamorro Barrios, jornalista nicaraguense que fugiu no ano passado, poucos meses antes de sua irmã, Cristiana Chamorro Barrios, candidata presidencial, ter sido presa.

À medida que a dissidência contra Ortega se intensificou, o governo utilizou todas as alavancas do Estado para esmagá-la brutalmente.

Quando um poderoso movimento estudantil ajudou a liderar protestos contra o governo em todo o país, em 2018, foi violentamente reprimido pela polícia e por grupos paramilitares pró-governo, deixando pelo menos 350 mortos, segundo grupos de direitos humanos.

Depois que Ortega bloqueou seus adversários mais confiáveis, proibiu grandes eventos políticos e fechou locais de votação em massa no período que antecedeu sua reeleição no ano passado. Em resposta, o governo Biden impôs sanções ao setor de mineração da Nicarágua e ao braço de investimento militar. “O governo se transformou em um Frankenstein, em uma ditadura familiar sem ideologia clara”, disse McFields, ex-embaixador da Nicarágua.

Continua após a publicidade

“Ao longo do tempo, o governo mostrou que tudo se baseia no modelo de família e na sua relação com ele”, disse. “Até as pessoas no governo estão cansadas da situação. Eles estão cansados de um regime que parece não conseguir resolver nada a menos que seja por meio da repressão.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.