Como será o duelo entre direita e esquerda no segundo turno do Equador? Leia a análise

Luisa González, do Movimiento Revolución Ciudadana, e Daniel Noboa, filho de um magnata e parte do partido da Ação Democrática Nacional, disputarão o segundo turno em 15 de outubro

PUBLICIDADE

Por Americas Quarterly
Atualização:

Em meio à violência recorde provocada pelo crime organizado, os equatorianos mostraram um alto nível de participação na eleição presidencial antecipada de 20 de agosto. Os candidatos Luisa González, do Movimiento Revolución Ciudadana (33%), e Daniel Noboa (23,7%), filho de um magnata e parte do partido da Ação Democrática Nacional, disputarão o segundo turno em 15 de outubro.

A nação enfrenta uma crise de segurança sem precedentes e sua era mais sangrenta: na primeira metade do ano, a Polícia Nacional registrou 3.568 mortes violentas, mais do que as 2.042 registradas no mesmo período do ano passado.

Diante desse cenário, analistas avaliam como será o segundo turno no Equador.

A candidata presidencial do Equador, Luisa González, e o candidato Daniel Noboa em uma combinação de fotografias Foto: Rodrigo Buendia/AFP

Sebastián Hurtado, presidente da Prófitas, consultoria de risco político com sede em Quito:

PUBLICIDADE

Os resultados das eleições presidenciais e legislativas no Equador foram motivados pela frustração geral com o status quo político, uma crise de segurança sem precedentes e o chocante assassinato do candidato presidencial Fernando Villavicencio há mais de uma semana.

O assassinato abalou a eleição ao minar uma vitória em um único turno da candidata apoiada pelo ex-presidente Rafael Correa e o correísmo, a quem alguns culparam pela morte de um crítico de longa data, e ao impulsionar candidatos de direita.

Espera-se uma eleição competitiva no segundo turno, com Noboa, que fez uma campanha política sem confrontos em um momento de polarização inédita, começando com uma vantagem sobre Gonzalez devido ao seu perfil de “outsider”, com a maioria das pessoas querendo ir além da dinâmica correísmo-anticorreísmo dos últimos 15 anos.

No entanto, os quase dois meses de campanha ainda podem trazer surpresas que podem afetar o resultado, especialmente porque os dois candidatos são pouco conhecidos e têm um passivo político significativo. Ao mesmo tempo, novos eventos relacionados à crise de segurança podem ocorrer.

Publicidade

Os resultados também sinalizam um Congresso fragmentado, onde os correístas vão ostentar o maior bloco sem uma maioria clara. O bom desempenho dos candidatos de direita na votação de domingo e a representação diminuída de partidos de esquerda como Pachakutik e Izquierda Democrática podem levar a um Congresso menos esquerdista do que aquele que foi dissolvido em maio.

A candidata Luisa González do Movimiento Revolución Ciudadana Foto: Dolores Ochoa/AP

Dois referendos proibindo a extração de petróleo e minerais em duas regiões ambientalmente sensíveis também receberam apoio esmagador. Embora obscurecido pela dramática campanha presidencial, o resultado do referendo representa um revés político significativo para o desenvolvimento futuro das indústrias extrativas no Equador, uma das poucas fontes de investimento privado significativo de curto prazo e crescimento da receita do governo.

Este ciclo eleitoral incomum e sem precedentes foi moldado por uma tragédia e um cenário político altamente polarizado. Os equatorianos devem esperar que quem vencer o segundo turno receba um mandato político robusto. Eles podem superar a divisão política e construir a governabilidade, um pré-requisito para lidar com os significativos desafios econômicos e de segurança que esta nação enfrentará nos próximos anos.

Laura Lizarazo, analista sênior, Control Risks:

Os equatorianos foram às urnas no dia 20 de agosto para eleições antecipadas em meio a um clima bastante incomum: o país enfrenta atualmente uma crise de segurança que rapidamente transformou uma nação outrora pacífica em uma das mais violentas do hemisfério. Os cidadãos votaram para escolher um novo presidente e 137 legisladores para completar o mandato de 2021-2025, interrompido abruptamente em maio passado, quando o atual presidente Guillermo Lasso dissolveu a legislatura para evitar um impeachment.

PUBLICIDADE

O resultado da corrida presidencial surpreendeu: após ficar em último lugar na maioria das pesquisas, Daniel Noboa, de 35 anos, ex-deputado (2021-2023) e filho de um dos homens mais ricos do Equador, disputará a presidência em um segundo turno apertado em 15 de outubro. Ele enfrentará a favorita candidata da Revolução Cidadã e protegida do ex-presidente Rafael Correa (2007-17), Luisa González.

Como na última década, a divisão profundamente enraizada entre os partidários de Correa e seus detratores moldará a disputa. Com a maior e mais estável base de apoio do Equador (55% de apoio, segundo pesquisa da Gallup), até março de 2023 Correa ainda era o político mais popular do país. No entanto, ele continua sendo uma figura altamente polarizadora. Amplos segmentos da população o rejeitam e certamente votarão em Noboa para evitar o retorno de seu partido.

O candidato Daniel Noboa da Ação Democrática Nacional Foto: Dolores Ochoa/AP

Por outro lado, Noboa é um político moderadamente conhecido, mas muito menos polêmico, que deve ganhar força nos próximos meses com um discurso equilibrado e uma figura pública: foi o único candidato que se saiu bem no debate presidencial de 13 de agosto (ganhando até elogios), projetando uma imagem confiante, serena e informada.

Publicidade

Depois de obter os resultados na noite de 20 de agosto, Noboa anunciou que retomaria as visitas às comunidades mais carentes e isoladas do Equador no dia seguinte, reforçando a atitude prática que tentou demonstrar durante os 11 dias de campanha.

Ele não descartou imediatamente a possibilidade de iniciar uma conversa com Jan Topic, o candidato que ficou em quarto lugar, para torná-lo parte de seu gabinete – possivelmente como ministro do Interior.

Esse movimento fortaleceria ainda mais sua campanha, já que Topic prometeu uma abordagem de “mão de ferro” para lidar com crimes e violência sem precedentes. Esses fatores provavelmente complicarão uma vitória suave e esmagadora do correísmo, tornando esta campanha uma corrida altamente polarizada e acirrada.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.