PUBLICIDADE

Em clima tenso, presidente do Irã adia viagem à Rússia

Por AE
Atualização:

O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, adiou uma visita à Rússia, onde ele iria comparecer à cúpula da Organização de Cooperação de Xangai (OCX), na cidade de Ecaterimburgo. Funcionários da delegação iraniana, que falaram sob condição de anonimato, disseram que Ahmadinejad não comparecerá ao primeiro dia do encontro, mas que o líder iraniano deve chegar amanhã à Rússia. É a primeira viagem programada do líder iraniano desde sua reeleição, que motivou violentos protestos no país."Hoje não, amanhã", respondeu uma funcionária ao ser questionada sobre a presença de Ahmadinejad na cúpula. Um funcionário do Kremlin disse que a presença ou não do presidente iraniano amanhã será confirmada em breve. "Isso dependerá da situação no país dele", afirmou. O anúncio da vitória folgada de Ahmadinejad sobre o moderado Mir Hossein Mousavi motivou protestos e algumas das piores cenas de confrontos em Teerã na última década. Inicialmente, Ahmadinejad se reuniria ainda hoje com o presidente russo, Dmitri Medvedev, segundo funcionários do Kremlin. O Irã é um país observador da OCX.O presidente chinês, Hu Jintao, deve chegar ao evento na Rússia hoje. A OCX foi estabelecida em 1996, como uma alternativa à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). O foco da entidade, capitaneada por Moscou e Pequim, é também conter a influência norte-americana na Ásia. Além de China e Rússia, o grupo inclui Usbequistão, Quirguistão, Casaquistão e Tajiquistão. O Irã já se mostrou anteriormente interessado em se tornar membro pleno, mas por enquanto tem apenas status de observador.Ainda que a Rússia busque se aproximar da nova administração dos Estados Unidos, do presidente Barack Obama, o encontro deve enfatizar a desconfiança do grupo sobre o papel dos EUA como uma superpotência global. O Kremlin informou que a principal tarefa dos líderes será preparar um comunicado que enfatize a importância da "multipolaridade", em uma aparente advertência contra qualquer dominação dos EUA na diplomacia global."A declaração irá notar a irreversibilidade da mudança rumo à multipolaridade real e o aumento da importância do aspecto global para resolver problemas regionais", afirmou a entidade, em comunicado. "Não há alternativa para a cooperação internacional como um instrumento de se resolver problemas."AfeganistãoO Afeganistão também deve ser um dos principais pontos tratados nas conversas. O presidente afegão, Hamid Karzai, é um convidado do encontro. Ele deve se encontrar com seu colega quirguiz, Kurmanbek Bakiyev, para falar sobre o fechamento da base militar norte-americana no território do Quirguistão. A instalação é considerada essencial para os suprimentos das tropas no Afeganistão e Karzai trabalha para que ela permaneça funcionando.Amanhã, o presidente da China participará do primeiro encontro oficial dos chamados Brics (Brasil, Rússia, Índia e China), também em Ecaterimburgo, com a presença do presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva. As informações são da Dow Jones.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.