PUBLICIDADE

Líder do Hamas agradece declarações de Lula em apoio à Palestina; veja vídeo

As declarações do dirigente do Hamas vêm à tona poucas semanas após a eclosão da crise diplomática entre Brasil e Israel com as polêmicas falas do presidente Lula

Por Jorge C. Carrasco
Atualização:

O chefe de relações políticas e internacionais do Hamas, Basem Naim, agradeceu ao governo brasileiro e ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelas recentes manifestações de apoio à causa palestina.

Os comentários de Naim foram transmitidos em um vídeo para a conferência nacional do Partido da Causa Operária (PCO). No vídeo, o dirigente do grupo terrorista responsável pelo ataque a Israel em 7 de outubro diz que os membros da organização estão “honrados” por todas as declarações do Estado brasileiro.

“Hoje, estou falando para a audiência dessa conferência em um dos maiores Estados, de um dos maiores países do mundo, uma nação em ascensão, Brasil, que é um país amigo dos palestinos, apoiador da causa palestina. E estamos muito honrados por todas as declarações recentes dos funcionários do governo, particularmente as declarações do presidente Lula sobre seu compromisso e sua postura corajosa de apoiar a causa palestina e, especificamente, exigir um cessar-fogo para parar essa agressão contra nosso povo”, afirma Basem Naim.

Basem Naim, representante do Hamas, durante uma coletiva de imprensa na Cidade do Cabo em 29 de novembro de 2023. Foto: RODGER BOSCH / AFP

PUBLICIDADE

O representante do Hamas também declarou que aguarda o dia em que a organização poderá comemorar a “liberdade da Palestina” junto com o Brasil e outros aliados.

“Esperamos o dia em que estaremos na Palestina com todos os nossos amigos ao redor do mundo, incluindo nossos amigos e companheiros do Brasil para celebrar a liberdade da Palestina. E penso que será em breve. Mas, até chegarmos a esse momento, temos que fazer nosso dever de casa”, afirma Naim. “Estamos no solo, estamos lutando, estamos firmes, estamos comprometidos com nossa causa. Mas, também queremos o apoio de todos os nossos amigos ao redor do mundo, em particular, no grande e amado Brasil”, continua ele.

Declarações de Lula e a crise diplomática

As declarações do dirigente do Hamas vêm à tona poucas semanas após a eclosão da crise diplomática entre Brasil e Israel com as polêmicas falas do presidente Lula em relação às ações das Forças Armadas Israelenses na Faixa de Gaza. Em 18 de fevereiro, durante uma entrevista coletiva em Adis Abeba, capital da Etiópia, Lula criticou Israel pelo número de mortes registrado durante seus ataques em Gaza, e comparou a morte de palestinos com o extermínio de judeus feito pelo líder da Alemanha Nazista, Adolf Hitler. Ao menos 6 milhões de judeus foram mortos pelo regime nazista, entre 1933 e 1945.

O Presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, faz gestos antes de uma reunião com o Secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, no Palácio do Planalto, em Brasília, em 21 de fevereiro de 2024. Foto: EVARISTO SA / AFP

“O que está acontecendo na Faixa de Gaza e com o povo palestino não existiu em nenhum outro momento histórico. Aliás, existiu. Quando Hitler resolveu matar os judeus”, declarou o presidente. Além disso, Lula afirmou que Israel não obedece as decisões da ONU e que a ofensiva israelense promove um genocídio. Ele também se disse a favor da criação de um Estado palestino.

Publicidade

De acordo com o presidente, o conflito “não é uma guerra entre soldados e soldados, é uma guerra entre um Exército altamente preparado e mulheres e crianças”. “Não é uma guerra, é um genocídio”, declarou ele.

O discurso de Lula teve reações imediatas de repúdio por parte comunidade judaica no Brasil e no Israel. Mas também gerou um amplo desconforto diplomático com o Israel, que declarou o presidente persona non grata até receber uma desculpa oficial da República. O petista, contudo, tem resistido em recuar.

Reagindo ao discurso, o primeiro-ministro israelense Binyamin Netanyahu, disse que o presidente brasileiro havia cruzado uma linha vermelha. “Ao comparar a guerra de Israel em Gaza contra o Hamas, uma organização terrorista genocida, ao Holocausto, o presidente da Silva desonra a memória dos seis milhões de judeus assassinados pelos nazistas e demoniza o Estado judeu como o mais virulento dos antissemitas. Deveria ter vergonha”, comentou ele.

Com o acirramento da crise, o Brasil, convocou para consultas seu embaixador em Tel-Aviv e convocou o representante diplomático de Israel para declarar sua “insatisfação” com os acontecimentos.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Em uma reafirmação da política externa nacional, mas de forma cautelosa, Lula já classificou as ações do Hamas em 7 de outubro como terroristas. “Fiquei chocado com os ataques terroristas realizados hoje contra civis em Israel, que causaram numerosas vítimas. Ao expressar minhas condolências aos familiares das vítimas, reafirmo meu repúdio ao terrorismo em qualquer de suas formas”, declarou Lula no dia do ataque a Israel.

Além disso, em outubro de 2023, o presidente apelou ao secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, e à comunidade internacional, para pedir a liberação das crianças palestinas e israelenses que foram sequestradas e mantidas como reféns durante o conflito.

Durante o avanço do conflito, o Itamaraty e o presidente passaram a criticar mais fortemente as ações do Israel em Gaza, qualificando-as de desproporcionais e solicitando, junto a outros aliados, a condenação do país por genocídio.

Publicidade

Após contato do Estadão, a assessoria do presidente afirmou que Lula condenou os ataques terroristas do Hamas no dia 7 de outubro.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.