Entenda a contenciosa relação EUA-China, em números

De cinemas a gastos militares, veja como funciona uma das relações econômicas mais importantes do mundo

PUBLICIDADE

Por Ana Swanson
Atualização:

THE NEW YORK TIMES — A China e os Estados Unidos estão envolvidos em uma rivalidade cada vez mais intensa no que diz respeito à segurança nacional e à concorrência econômica, com os líderes americanos frequentemente identificando a China como seu maior adversário de longo prazo.

PUBLICIDADE

No entanto, as duas maiores economias do mundo, que juntas representam 40% da produção global, continuam sendo parceiras integrais em muitos aspectos. Elas vendem e compram produtos importantes uma da outra, financiam os negócios uma da outra, fornecem moradia para milhões de pessoas de ambas as partes e criam aplicativos e filmes para o público de ambos os países.

Quando a Secretária do Tesouro dos EUA, Janet L. Yellen, se reunir com as principais autoridades chinesas em Pequim nesta semana, seu desafio será navegar por esse relacionamento multifacetado, que vai do conflito à cooperação. Aqui estão alguns números que ilustram os vínculos entre as duas nações.

O primeiro-ministro chinês Li Qiang, à direita, cumprimenta a secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, à esquerda, durante uma reunião no Grande Salão do Povo em Pequim, China, sexta-feira, 7 de julho de 2023.  Foto: Mark Schiefelbein / REUTERS

Poder econômico e militar

A economia dos EUA continua superando a da China em valor de dólares: Em 2022, o produto interno bruto chinês foi de US$ 18 trilhões, em comparação com os US$ 25,5 trilhões dos Estados Unidos.

Mas a população da China é mais de quatro vezes maior que a dos Estados Unidos. E o quadro econômico parece diferente quando ajustado para os preços locais: Com base na paridade do poder de compra, a participação da China no PIB mundial é de 18,9%, de acordo com o Fundo Monetário Internacional, superando os Estados Unidos, com 15,4%.

A China forneceu mais de um trilhão de dólares para a infraestrutura global por meio de sua Iniciativa Cinturão e Rota, que os analistas veem como um esforço para projetar poder em todo o mundo.

O rápido crescimento e a modernização das forças armadas da China geraram preocupações nos Estados Unidos. A China tem mais unidades navais do que os Estados Unidos e mais militares, com 2,5 milhões em 2019.

Publicidade

Mas as forças armadas americanas estão muito mais bem equipadas, e os Estados Unidos ainda gastam mais em defesa do que os seguintes 10 países que mais gastam juntos — US$ 877 bilhões em 2022, em comparação com US$ 292 bilhões em gastos relatados pela China.

Relações comerciais

Apesar das tensões crescentes, o comércio entre os países continua extremamente forte. A China é o terceiro maior parceiro comercial dos Estados Unidos, depois do Canadá e do México.

As importações americanas de bens e serviços da China atingiram um recorde de US$ 563,6 bilhões no ano passado. Mas a parcela das importações dos EUA provenientes da China vem caindo, um sinal de como algumas empresas estão rompendo os laços com a China.

A China também é um importante mercado de exportação, sendo que metade de toda a soja que os Estados Unidos enviam para o exterior vai para a China. O Conselho Empresarial EUA-China estimou que as exportações dos EUA para a China sustentaram quase 1,1 milhão de empregos nos Estados Unidos em 2021.

PUBLICIDADE

A China domina as cadeias de suprimentos de bens essenciais e de uso diário. É o maior produtor mundial de aço, painéis solares, eletrônicos, carvão, plásticos, botões e baterias de automóveis, e quadruplicou suas exportações de automóveis em apenas dois anos, tornando-se o maior exportador de automóveis do mundo por meio de sua crescente influência em veículos elétricos.

Os Estados Unidos têm expandido constantemente as sanções contra empresas e organizações chinesas devido a preocupações com segurança nacional e direitos humanos, colocando 721 empresas, organizações e pessoas chinesas em uma “lista de entidades” que restringe sua capacidade de comprar produtos dos Estados Unidos, de acordo com o Departamento de Comércio.

Laços financeiros e corporativos

A China é um dos maiores credores dos Estados Unidos e detém quase US$ 1 trilhão em dívidas americanas.

Publicidade

Os membros do índice S&P 500, que acompanha as maiores empresas públicas dos Estados Unidos, geram 7,6% de sua receita na China continental, de longe a maior fonte de vendas internacionais, de acordo com a FactSet. A receita que as grandes empresas dos EUA obtêm da China é maior do que a receita dos três países seguintes - Japão, Grã-Bretanha e Alemanha — juntos.

Mas a perspectiva para as empresas americanas que fazem negócios na China tornou-se mais sombria. Na pesquisa mais recente da Câmara Americana de Comércio na China com empresas americanas na China, 56% descreveram seus negócios como não lucrativos em 2022, com alguns culpando as rigorosas medidas de bloqueio da Covid-19 na China.

Também na pesquisa, 46% das empresas americanas acreditavam que as relações entre os EUA e a China se deteriorariam em 2023, enquanto apenas 13% acreditavam que melhorariam.

Conexões pessoais e culturais

Os Estados Unidos abrigam cerca de 2,4 milhões de imigrantes chineses, o que os torna o principal destino dos imigrantes chineses em todo o mundo. Os imigrantes chineses nos Estados Unidos têm duas vezes mais chances de ter um diploma de pós-graduação ou profissional do que os adultos nascidos nos EUA.

No ano letivo de 2021-22, 296.000 estudantes da China frequentaram instituições americanas de ensino superior, quase um terço de todos os estudantes internacionais nos Estados Unidos.

Aproximadamente três em cada quatro sino-americanos sofreram discriminação racial nos 12 meses anteriores e 9% foram fisicamente intimidados ou agredidos, de acordo com uma pesquisa da Universidade de Colúmbia e do Comitê dos 100, uma organização de liderança sino-americana.

Há muito tempo considerada um fabricante de baixo custo, a China se tornou mais uma fonte de inovação e criação cultural. O TikTok, o popular aplicativo de mídia social cuja empresa controladora é a ByteDance da China, afirma ter mais de 150 milhões de usuários nos Estados Unidos.

Publicidade

No ano passado, 20 filmes americanos foram lançados na China e sua bilheteria total foi de aproximadamente US$ 673 milhões, de acordo com a Comscore. A China tinha mais de 80.000 telas de cinema no final de 2021, em comparação com cerca de 39.000 nos Estados Unidos.

As restrições da pandemia tornaram muito mais difícil viajar entre os países. As companhias aéreas estão operando apenas 24 voos por semana entre os Estados Unidos e a China, em comparação com cerca de 350 antes da pandemia.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.