PUBLICIDADE

Análise|Entrada da Suécia e Finlândia na Otan protegerá o Mar Báltico de possível operação militar de Putin

Adesão de países escandinavos é importante estrategicamente para isolar ativos militares russos e evitar um ataque contra repúblicas do Báltico

THE NEW YORK TIMES - A invasão da Ucrânia pela Rússia há dois anos foi um enorme choque para os europeus. Acostumados a 30 anos de paz pós-Guerra Fria, eles imaginavam que a segurança europeia seria construída ao lado de uma Rússia mais democrática. Agora, os europeus têm como desafio redesenhar sua estratégia de segurança contra uma máquina de guerra imperial e revisionista.

PUBLICIDADE

Com a adesão da Finlândia no ano passado e o Parlamento húngaro finalmente aprovando o pedido da Suécia na segunda-feira, Vladimir Putin agora se vê diante de uma Otan ampliada e motivada, que não sonha mais com uma paz permanente. Helsinque e Estocolmo podem complicar sensivelmente os possíveis planos de Putin de uma operação militar nas ex-repúblicas soviéticas do Báltico ou no Mar do Norte.

Enquanto os países da Otan olham com certa apreensão para a possibilidade de que o imprevisível Donald Trump, que não é fã da aliança, possa se tornar presidente dos EUA novamente, seus membros europeus estão tomando medidas para garantir suas próprias defesas. O motivo é a dissuasão pura e simples. Alguns estados-membros já sugerem que, se Putin for bem-sucedido na Ucrânia, ele testará a vontade coletiva da Otan nos próximos três a cinco anos.

Segundo Robert Dalsjo, diretor de estudos da Agência Sueca de Pesquisa em Defesa, com Trump ou não, a Europa deve se preparar para pelo menos uma geração de maior contenção e dissuasão europeia de uma Rússia que está se militarizando, e onde Putin claramente “tem um apoio público considerável para seu revanchismo agressivo”.

Como Suécia e Finlândia podem isolar a Rússia?

Com a adesão da Suécia à Otan, finalmente as peças estão se encaixando para uma dissuasão da Otan fortemente reforçada nos mares Báltico e do Norte, com maior proteção para os estados da linha de frente da Finlândia, Noruega e nações bálticas, que fazem fronteira com a Rússia.

“A Suécia traz previsibilidade, eliminando qualquer incerteza sobre como agiríamos em uma crise ou em uma guerra”, disse Dalsjo. Dada a geografia da Suécia, incluindo Gotland, a ilha que ajuda a controlar a entrada do Mar Báltico, a adesão “tornará a defesa e a dissuasão muito mais fáceis de realizar”, disse ele.

Foi a invasão em grande escala da Ucrânia pela Rússia, há dois anos, que levou a Finlândia a decidir aderir à Otan , e Helsinque levou a Suécia, um pouco mais relutante, a solicitar a adesão também.

Publicidade

Soldados suecos durante sessão de treinamento em Estocolmo Foto: REUTERS / REUTERS


Com a Suécia e a Finlândia juntas na Otan , será muito mais fácil engarrafar a marinha de superfície russa no Mar Báltico e monitorar o Alto Norte. A Rússia ainda tem até dois terços de suas armas nucleares no norte do país, sediadas na Península de Kola.

“De modo geral, a sensação é de que estaremos mais seguros”, disse Anna Wieslander, sueca que é diretora para o norte da Europa do Atlantic Council.

Portanto, os novos membros ajudarão a fornecer um monitoramento aprimorado de uma parte crucial das forças armadas da Rússia, acrescenta Niklas Granholm, vice-diretor de estudos da Defense Research Agency.

Cerco estratégico

A frota russa em Kaliningrado, no Mar Báltico, entre a Polônia e a Lituânia, está a apenas 200 milhas de distância, assim como seus mísseis Iskander com capacidade nuclear. Os estrategistas da Otan há muito tempo se preocupam com a forma de apoiar as nações bálticas se a Rússia tomar o “Suwalki Gap” de 40 milhas entre Kaliningrado e Belarus, mas a posição da Suécia, que fica entre os mares do Norte e Báltico, facilitaria muito o envio de reforços da Otan.

PUBLICIDADE

A Rússia ainda manterá seus mísseis terrestres, mas seus submarinos com armas nucleares podem ter mais dificuldade para manobrar em mar aberto sem serem detectados.

A Suécia, com seu próprio setor de defesa avançado e de alta tecnologia, fabrica seus próprios e excelentes aviões de combate, corvetas navais e submarinos, projetados para operar no difícil ambiente do Mar Báltico. O país já começou a desenvolver e construir uma nova classe de submarinos modernos e corvetas maiores para defesa costeira e aérea.

Protegendo o Báltico

Com a adesão à Otan, será mais fácil agora coordenar com a Finlândia e a Dinamarca, que também têm ilhas importantes no Mar Báltico, e com a Noruega.

Publicidade

A Suécia também pode se juntar à brigada avançada multinacional da Otan na Letônia, com o objetivo de colocar tropas aliadas em todos os países da aliança que fazem fronteira com a Rússia.

As principais tarefas da Suécia, segundo Wieslander, serão ajudar a proteger o Mar Báltico e o espaço aéreo sobre Kaliningrado; garantir a segurança de Gotemburgo, que é fundamental para o reabastecimento e os reforços; e servir como uma área de preparação para as tropas americanas e da Otan , com acordos para o posicionamento avançado de equipamentos, munições, suprimentos e hospitais de campanha.

Tanto para a Finlândia quanto para a Suécia, a adesão é o fim de um longo processo de 30 anos do que o Sr. Dalsjo chamou de “nosso longo adeus à neutralidade”. Primeiro, veio o colapso da União Soviética e a decisão de entrar para a União Europeia, o que significou abandonar a neutralidade em favor do que ambos os países chamaram de “não alinhamento militar”.

Análise por Steven Erlanger
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.