Estados Unidos e União Europeia anunciam nova parceria para diminuir dependência da energia russa

Foto: Lex van Lieshout/EFE
Por Chris Megerian e Cathy Bussewitz, Associated Press
Atualização:

Intenção dos aliados é diminuir dependência europeia da energia importada da Rússia; EUA e outras nações aumentarão exportação de gás, mas problemas logísticos dificultam plano

Por Chris Megerian e Cathy Bussewitz, Associated Press
Atualização:

BRUXELAS - Os Estados Unidos e a União Europeia anunciaram nesta sexta-feira, 25, uma nova parceria para reduzir a dependência da Europa da energia russa, um passo que as autoridades de alto escalão caracterizam como o início de uma intenção de anos para isolar ainda mais Moscou após a invasão da Ucrânia.

O presidente dos EUA, Joe Biden, afirmou que o presidente russo, Vladimir Putin, usa energia para “coagir e manipular seus vizinhos” e usa os lucros de sua venda para “conduzir sua máquina de guerra”.

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Biden disse que a parceria que ele anunciou em conjunto com um alto funcionário da União Europeia transformará essa dinâmica, reduzindo a dependência da Europa das fontes de energia russas, além de reduzir a demanda geral de gás do continente.

O presidente disse que tal passo não é “apenas a coisa certa a fazer do ponto de vista moral”, mas “vai nos colocar em uma base estratégica mais forte”.

Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, apresentaram plano para tornar Europa menos dependente da energia russa
Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, apresentaram plano para tornar Europa menos dependente da energia russa Foto: Evelyn Hockstein / REUTERS

Segundo o plano, os EUA e outras nações aumentarão as exportações de gás natural liquefeito para a Europa em 15 bilhões de metros cúbicos este ano, embora as autoridades americanas não tenham conseguido dizer exatamente quais países fornecerão a energia extra este ano. Remessas ainda maiores seriam entregues no futuro.

Ao mesmo tempo, eles tentarão manter suas metas climáticas no caminho certo, alimentando a infraestrutura de gás com energia limpa e reduzindo os vazamentos de metano que podem piorar o aquecimento global.

Embora a iniciativa provavelmente exigirá novas instalações para importação de gás natural liquefeito, a parceria também visa reduzir a dependência de combustíveis fósseis a longo prazo por meio de eficiência energética e fontes alternativas de energia, segundo a Casa Branca.

Ursula von der Leyen, chefe do braço executivo da UE, disse que é importante para a Europa se afastar da Rússia e se voltar para fornecedores de energia confiáveis, amigáveis e confiáveis. “Nosso objetivo é reduzir essa dependência dos combustíveis fósseis russos e nos livrar disso”, disse ela.

A energia russa é uma importante fonte de renda e influência política para Moscou. Quase 40% do gás natural da União Europeia vem da Rússia para aquecer residências, gerar eletricidade e indústria de energia.

Biden estava deixando Bruxelas após o anúncio e indo para Rzeszów, na Polônia, onde as tropas americanas estão localizadas a cerca de uma hora de carro da fronteira ucraniana. Lá, ele será informado sobre a resposta humanitária aos refugiados que saem da Ucrânia e aqueles que ainda sofrem dentro do país. Ele também se reunirá com membros do serviço americano da 82ª Divisão Aerotransportada, que servem ao lado das tropas polonesas.

Espera-se que Biden voe para Varsóvia neste sábado, 26, para conversar com o presidente polonês Andrzej Duda e fazer um discurso ao povo polonês antes de voltar para Washington.

Em Bruxelas, Biden participou de um trio de cúpulas organizadas pela OTAN, o Grupo dos Sete países industrializados (G-7) e a União Europeia, todas nesta quinta-feira. A série de reuniões extraordinárias reflete preocupações crescentes sobre a guerra na Ucrânia, que entrou em seu segundo mês.

Embora a Ucrânia tenha resistido à invasão russa com muito mais sucesso do que o inicialmente esperado, o conflito se tornou cansativo e sangrento, com milhares de vítimas de cada lado e milhões de pessoas fugindo do país.

Navio com tanques de gás natural atraca no porto de Rotterdam, na Holanda, em imagem de 6 de julho de 2011. Uma década depois da foto, Europa começa a se mobilizar para aumentar exportação de gás de outros países e se tornar menos dependente da Rússia
Navio com tanques de gás natural atraca no porto de Rotterdam, na Holanda, em imagem de 6 de julho de 2011. Uma década depois da foto, Europa começa a se mobilizar para aumentar exportação de gás de outros países e se tornar menos dependente da Rússia Foto: Lex van Lieshout / EFE

Os líderes ocidentais também estão preocupados com a chance do presidente russo, Vladimir Putin, usar armas químicas ou até nucleares para recuperar o impulso na guerra.

Conseguir mais gás natural liquefeito para a Europa pode ser difícil, por mais que os EUA tenham aumentado muito suas exportações nos últimos anos. Muitas instalações de exportação já operam em capacidade máxima, e a maioria dos novos terminais ainda está em fase de planejamento.

A maioria das exportações norte-americanas de gás já vai para a Europa, de acordo com o Center for Liquefied Natural Gas, um grupo de lobby do setor. Embora grande parte da oferta já esteja contratada para compradores, ainda há oportunidades para mudar seu destino.

“Os EUA estão em uma posição única porque têm GNL flexível que pode ser redirecionado para a Europa ou para a Ásia, dependendo de quem está disposto a pagar esse preço”, disse Emily McClain, analista de mercados de gás da Rystad.

Mesmo que os EUA possam enviar mais gás para a Europa, o continente pode ter dificuldades para recebê-lo. Os terminais de importação estão localizados em áreas costeiras, onde há menos conexões de dutos para distribuição.

E se todas as instalações da Europa estivessem operando na capacidade máxima, a quantidade de gás provavelmente seria apenas cerca de dois terços do que a Rússia fornece por meio de gasodutos.

Alemanha quer acabar rápido com dependência de energia russa

A Alemanha divulgou um relatório nesta sexta-feira, 25, que mostra que o país está cortando a dependência da energia russa mais cedo do que muitos pensavam ser possível. Robert Habeck, vice-chanceler e ministro da Economia alemão, disse que o país espera diminuir suas importações de petróleo russo pela metade até o segundo semestre e praticamente encerrar as importações até o final deste ano.

A necessidade de carvão russo pode ser reduzida pela metade nas “próximas semanas”, disse o ministro. Além disso, Habeck estimou que a Alemanha poderia ficar livre do gás russo em meados de 2024, “se tudo correr bem”. “Fizemos esforços intensos nas últimas semanas, juntamente com todas as partes interessadas relevantes, para importar menos energia fóssil da Rússia e ampliar a base de fornecimento”, disse.

Ministro da economia e do clima da Alemanha, Robert Habeck, fala durante coletiva de imprensa em Duesseldorf, Alemanha, no dia 22 de fevereiro deste ano. Habeck afirmou nesta sexta-feira, 25, que país corre para cortar dependência da energia russa
Ministro da economia e do clima da Alemanha, Robert Habeck, fala durante coletiva de imprensa em Duesseldorf, Alemanha, no dia 22 de fevereiro deste ano. Habeck afirmou nesta sexta-feira, 25, que país corre para cortar dependência da energia russa Foto: Roberto Pfeil / via REUTERS

Falando em Berlim em uma coletiva de imprensa depois de apresentar um relatório de progresso sobre a segurança energética alemã , Habeck disse que a mudança do gás russo está acontecendo em um “ritmo insano”. “Todo contrato de fornecimento rescindido prejudica Putin”, disse ele.

Segundo o ministro, o gás natural russo, que a Alemanha recebe através de gasodutos fixos, será o mais difícil de abandonar e exigirá terminais de gás natural liquefeito e tanques flutuantes de armazenamento. O governo se move para adquirir as instalações. Atualmente, a Alemanha importa 55% de seu gás natural da Rússia.

O país também obtém cerca de metade de seu carvão da Rússia, mas passou a comprar mais suprimentos de outros países nos últimos anos. A necessidade de carvão russo pode ser eliminada até meados de setembro, disse ele. /ASSOCIATED PRESS, NYT


Encontrou algum erro?Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Publicidade