PUBLICIDADE

EUA mudarão nomes de pássaros que homenageiam a escravistas e racistas

Uma decisão da comunidade ornitológica dos Estados Unidos determinou que pelo menos 80 aves irão mudar de nome priorizando as características físicas dos animais

Por Darryl Fears

Depois de dois anos de discussão e debate, a principal organização de observação de aves dos Estados Unidos decidiu que os pássaros não deveriam mais ter nomes humanos.

PUBLICIDADE

A Sociedade Ornitológica Americana anunciou no início deste mês que removerá os nomes dados às aves norte-americanas em homenagem às pessoas e os substituirá por apelidos que descrevam melhor sua plumagem e outras características. O grupo disse que priorizará pássaros cujos nomes remontam a escravistas, supremacistas brancos e ladrões de sepulturas indígenas. Entre eles está um dos observadores de aves mais famosos da história dos EUA, John James Audubon.

“Há poder em um nome, e alguns nomes de pássaros ingleses têm associações com o passado que continuam sendo excludentes e prejudiciais hoje”, disse a presidente da sociedade, Colleen Handel, em comunicado. “Precisamos de um processo científico muito mais inclusivo e envolvente que concentre a atenção nas características únicas e na beleza das próprias aves.”

No ano que vem, há a expectativa de que a sociedade nomeie um comitê dedicado a explorar até 80 novos nomes. A medida, em uma organização conhecida pela sua relutância em renomear pássaros, foi surpreendente até mesmo para os ativistas do grupo que pediram por essa mudança, depois que uma mulher branca no Central Park acusou falsamente um observador de pássaros negro de agressão em 2020. Em um acerto de contas que abalou o campo da ornitologia, os ativistas, a maioria deles brancos, argumentaram que os nomes de alguns pássaros eram ofensivos para pessoas de cor.

“Vimos muitas mudanças em nosso mundo no passado recente”, disse Sara Morris, a presidente eleita da sociedade, em referência aos protestos por justiça racial que se seguiram ao assassinato de George Floyd por um policial de Minneapolis e ao incidente no Central Park envolvendo o observador de pássaros Cristiano Cooper.

A insensibilidade racial no campo esmagadoramente branco da ornitologia e da observação de pássaros deveria ser rejeitada, disse Morris. Relatórios recentes estimam que a América do Norte perdeu 3 bilhões de aves nos últimos 50 anos e “precisamos envolver o maior número possível de pessoas na apreciação, estudo e conservação das aves”, disse Morris. “Precisamos quebrar tantas barreiras à participação quanto pudermos.”

Pássaro Wilson's Snipe, que faz referência ao naturalista do século 19, Alexander Wilson, terá seu nome trocado a partir de 2024. Foto: USFWS via AP

Não se espera que todos os observadores de aves da sociedade de 2,7 mil membros recebam bem a notícia. Alguns que memorizaram nomes estabelecidos há mais de um século provavelmente hesitarão. “Se esperamos que as pessoas não concordem com esta decisão? Claro”, disse Morris. “Mas estamos orgulhosos. À medida que conversávamos com as pessoas, muitas delas mudaram de ideia.”

Publicidade

Jordan Rutter, uma observadora de pássaros que organizou a petição com seu noivo, Gabriel Foley, disse que a ação da sociedade a deixou sem palavras. “Isso foi tudo o que pedimos”, disse Rutter, cofundador do grupo Bird Names for Birds (Nomes de pássaros para pássaros, em tradução livre), que listou cerca de uma dúzia de homens homenageados com nomes de pássaros e descreveu seus passados racistas. “Nunca pensei que isso iria acontecer. … Que momento incrível para a comunidade de observação de pássaros.”

Por enquanto, os observadores de aves que avistam a toutinegra de Townsend e o solitário de Townsend podem se surpreender com a história de seu homônimo, John Kirk Townsend. Seus diários descrevem sua coleção de crânios, roubados dos túmulos de povos nativos em 1800, para promover sua teoria de que eles eram racialmente inferiores.

John Kirk Townsend usou crânios roubados dos túmulos de povos indígenas para promover sua teoria de que eles eram racialmente inferiores. Foto: Domínio Público dos EUA via Washington Post

Na América do Norte, onde tribos indígenas onde hoje são os Estados Unidos e o Canadá encontraram e nomearam aves selvagens séculos antes da chegada dos colonizadores europeus, “os brancos são creditados por descobrir [as aves]. Foram os brancos que deram aos pássaros o nome de outros brancos. E os brancos ainda são as pessoas que perpetuam esses nomes”, disse Rutter em uma entrevista de 2021 ao The Washington Post.

Pelo menos dois capítulos da Sociedade Nacional Audubon, uma organização de conservação ambiental em referência ao naturalista John James Audubon, votaram para mudar os nomes e distanciá-los do escravizador que detestava os abolicionistas e, segundo ele mesmo, certa vez guiou uma família de fugitivos de volta ao seu escravizador. A cagarra de Audubon e o papa-figo de Audubon foram nomeados em sua homenagem.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Observadores de pássaros que atribuem o pardal e a toutinegra de Bachman a John Bachman podem encontrar esta passagem em um de seus discursos: “Que o negro permanecerá como é, a menos que sua forma seja alterada por um amálgama, que... é revoltante para nós. Que seu intelecto... é muito inferior ao do caucasiano, e que ele é, portanto... incapaz de autogovernar-se. Que ele é jogado em nossa proteção. Que nossa defesa da escravidão está contida nas Sagradas Escrituras.”

Dois membros da Bird Names for Birds, Jess McLaughlin e Alex Holt, confirmaram esta história nos arquivos da biblioteca e ajudaram a chamar a atenção da sociedade ornitológica para o assunto.

A sociedade e sua antecessora, a União Americana de Ornitólogos, administram uma lista de nomes de pássaros em língua inglesa na América do Norte desde 1886. Eles são usados por escolas, governo, conservacionistas, observadores de pássaros e outros grupos, disse o comunicado.

Publicidade

Erica Nol, co-presidente do Comitê Ad Hoc sobre Nomes de Pássaros Ingleses da sociedade, disse que os membros levaram a questão a sério desde o dia em que o comitê foi formado, há mais de um ano. Reunindo-se a cada duas semanas via Zoom, eles elaboraram uma lista prioritária de nomes a serem considerados para mudança.

No início, os diversos membros brancos, negros e latinos não conseguiram chegar a um consenso. Além dos pássaros norte-americanos, eles pensaram em mudar os nomes dos pássaros sul-americanos, mas acabaram decidindo que esse não era o seu lugar.

Meses depois, os membros perceberam que todos os nomes homônimos eram problemáticos. “Eles implicam posse de uma espécie”, disse Nol. “Eles são esmagadoramente de uma época e de um tecido social específicos, são quase todos homens brancos, poucas mulheres, e as mulheres eram quase todas apenas o primeiro nome. Nosso principal objetivo era aumentar o público observador de aves.”

O comitê surpreendeu a liderança da sociedade com a sua recomendação de alterar todos os nomes de aves ingleses e pelo menos dois nomes culturais de aves que não faziam sentido. “O nome deve ser descritivo do pássaro”, disse Nol.

Pássaro toutinegra de Wilson, que homenageia o naturalista do século 19, Alexander Wilson, está entre as cerca de 80 espécies que serão renomeadas. Foto: Serviço de Pesca e Vida Selvagem dos EUA via AP

Tanto Morris quanto Judith Scarl, o executivo-chefe e diretora executiva, concordaram com a observação de Nol de que a liderança da sociedade olhava para eles como se fossem loucos. “Havia questões difíceis sobre como justificaríamos isso”, disse Nol.

“Esta é uma decisão histórica e importante”, disse Scarl. “Este é o caminho a seguir. Vamos trabalhar duro para levar as pessoas a esse entendimento.”

Kenn Kaufman, membro da sociedade, começou a observar pássaros aos 6 anos. “Eu era um garoto em South Bend, Indiana, e me interessei por pássaros porque eles estavam lá e eram fascinantes”, disse ele. “Venho usando alguns desses nomes de pássaros há meio século.”

Publicidade

No geral, Kaufman disse: “Achei uma bagunça entrar e mudar todos esses nomes”. Mas ele começou a conversar com pessoas como Rutter e Drew Lanham, ornitólogo negro e professor da Universidade Clemson, na Carolina do Sul. “À medida que a conversa prosseguia, percebi que eles estavam mudando de ideia. É incrível como mais informações podem fazer isso”, disse ele.

“Tenho certeza de que haverá objeções”, disse Kaufman. “Só espero que eles possam ver isso do ponto de vista de grupos de pessoas que podem ter sido marginalizadas no passado.”

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.