PUBLICIDADE

Refém israelense de 84 anos liberada pelo Hamas é internada em estado grave

Diretor de hospital diz que mulher teve “grave falta de cuidados médicos” durante seu cativeiro nas últimas semanas

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

Uma refém israelense de 84 anos, Elma Avraham, de 84 anos, liberada neste domingo, 26, pelo grupo terrorista palestino Hamas foi hospitalizada em estado grave e corre risco de morte, informou o diretor do hospital Soroka, em Israel .

PUBLICIDADE

“Elma Avraham está em estado crítico. Ela está sendo tratada em nosso serviço de emergência devido à grave falta de cuidados médicos durante seu cativeiro nas últimas semanas nas mãos do Hamas”, declarou à imprensa Shlomi Codish, diretor do hospital

“Sua vida está em perigo e ela será transferida para a unidade de terapia intensiva, onde esperamos estabilizar e melhorar sua condição”, acrescentou.

Acordo entre o grupo terrorista Hamas e Israel está permitindo a liberação de reféns israelenses e prisioneiros palestinos. Foto: MOHAMMED SABER

A octogenária, uma artista, foi sequestrada em 7 de outubro quando combatentes do Hamas invadiram sua casa no kibutz Nahal Oz, durante o violento ataque perpetrado pelo movimento palestino em solo israelense.

O exército israelense estima que 240 pessoas foram sequestradas naquele dia e levadas para a Faixa de Gaza. Segundo seu filho, Uri Rawitz, com quem ela havia falado pela manhã, a idosa não conseguiu trancar a porta do quarto seguro de sua casa.

Uri Rawitz depois recebeu uma foto de sua mãe sendo levada em uma motocicleta por combatentes armados juntamente com outra refém.

Elma Avraham faz parte do grupo de 17 reféns, sendo 14 deles israelenses, libertados neste domingo, após sete semanas de cativeiro, no terceiro dia de trégua na guerra entre o Hamas e Israel. Em troca, foram libertados 39 prisioneiros palestinos pelo governo israelense.

Publicidade

Este é o terceiro grupo de reféns israelenses e estrangeiros libertados em três dias, durante o cessar-fogo de quatro dias iniciado na sexta-feira e que deve expirar na segunda-feira, 27. / AFP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.