PUBLICIDADE

Hezbollah dispara ‘dezenas’ de foguetes contra postos militares israelenses nas Colinas de Golã

Ataque ocorreu antes de Israel bombardear uma fábrica de armas do Hezbollah no Líbano

Foto do author Redação
Por Redação

O grupo xiita libanês Hezbollah anunciou neste domingo, 14, que disparou “dezenas” de foguetes contra três postos do Exército israelense no norte das Colinas de Golã, em meio ao aumento das tensões regionais após o ataque iraniano contra Israel na noite de sábado, 13.

PUBLICIDADE

“Combatentes da Resistência Islâmica atacaram os postos israelenses de Nafah, Yarden e Kela, nas colinas ocupadas do Golã sírio, com dezenas de foguetes Katyusha na manhã de domingo”, disse o grupo libanês em um comunicado.

O Hezbollah já havia atacado um quartel em Kela nesta madrugada, coincidindo com o disparo de mais de 300 drones e mísseis contra Israel pelo Irã, um aliado próximo do grupo libanês.

As novas ações neste domingo ocorrem em meio à crescente tensão após o ataque iraniano em larga escala, uma resposta ao bombardeio israelense de duas semanas atrás que destruiu seu consulado em Damasco e matou sete integrantes da Guarda Revolucionária.

Ataques do Irã contra Israel, que teve apoio do grupo libanês Hezbollah, aumentou a tensão entre países da região Foto: Atef Safadi/EFE

No entanto, o movimento xiita não fez nenhuma referência à operação de Teerã em sua declaração, apenas justificando o disparo de foguetes como uma resposta ao recente bombardeio israelense no sul do Líbano e como uma medida de “apoio” à Faixa de Gaza, sua retórica habitual.

O Líbano está no topo da lista dos países com maior risco de serem arrastados para uma possível escalada regional, já que o Hezbollah está envolvido em seus piores confrontos com Israel há meio ano, desde a guerra de 2006.

No início da manhã de hoje, não muito depois do lançamento nas Colinas de Golã, aviões israelenses bombardearam uma fábrica de armamentos no Vale do Bekaa, uma região no leste do Líbano, longe da fronteira comum, onde os confrontos geralmente se concentram./EFE

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.