Irã lançou mais de 300 drones e mísseis, e Israel interceptou 99%; retaliação israelense preocupa

Tensão permanece alta após fim de ataque iraniano, e Israel diz que fará ‘o que for necessário’ para se proteger; Biden elogia poder de defesa de Israel, mas tenta solução diplomática

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

TEL AVIV — Israel comemorou neste domingo, 14, sua defesa aérea bem-sucedida diante de um ataque sem precedentes do Irã, afirmando que, junto com seus aliados, frustrou 99% dos mais de 300 drones e mísseis lançados em direção ao seu território.

PUBLICIDADE

No entanto, as tensões regionais permanecem altas, diante do medo de uma escalada adicional no caso de um possível contra-ataque israelense.

“O Irã lançou mais de 300 ameaças, e 99% foram interceptadas”, disse o contra-almirante Daniel Hagari, porta-voz militar israelense. “Isso é um sucesso.”

Israel disse que o Irã lançou 170 drones, mais de 30 mísseis de cruzeiro e mais de 120 mísseis balísticos. Na manhã de domingo (noite de sábado no Brasil), o Irã disse que o ataque havia terminado e Israel reabriu seu espaço aéreo.

Questionado se Israel responderia, Hagari disse que o país faria o que fosse necessário para proteger seus cidadãos. Ele afirmou que nenhum dos drones e mísseis de cruzeiro atingiu Israel e que apenas alguns dos mísseis balísticos passaram.

O contra-almirante declarou que, dos mísseis de cruzeiro, 25 foram abatidos pela força aérea israelense e que um dano menor foi causado a uma base aérea israelense, mas disse que ela ainda estava funcionando.

Socorristas disseram que apenas uma menina de 7 anos foi gravemente ferida no sul de Israel, aparentemente em um ataque de míssil, embora tenham dito que a polícia ainda estava investigando as circunstâncias de suas lesões.

Publicidade

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, postou uma mensagem curta no X (antigo Twitter): “Nós interceptamos. Nós bloqueamos. Juntos, venceremos.”

O ministro da Defesa, Yoav Gallant, também comemorou os resultados, agradecendo aos EUA e outros países por sua assistência. Ele disse que Israel precisa permanecer vigilante e se preparar para qualquer cenário, mas chamou as interceptações de “grande sucesso”.

Israel disse que o Irã lançou 170 drones, mais de 30 mísseis de cruzeiro e mais de 120 mísseis balísticos. Foto: Tomer Neuberg/AP

Biden busca solução diplomática

O presidente dos EUA, Joe Biden, disse que convocaria uma reunião do G7 (as sete maiores democracias) ainda neste domingo “para coordenar uma resposta diplomática unida ao ataque descarado do Irã”.

A linguagem indicou que a administração Biden não quer que o ataque do Irã se transforme em um conflito militar mais amplo. O Irã tomou a decisão em resposta a um ataque amplamente atribuído a Israel em um prédio consular iraniano na Síria no início deste mês, que matou dois generais iranianos.

PUBLICIDADE

A Guarda Revolucionária paramilitar do Irã emitiu uma nova ameaça contra os EUA. “O governo terrorista dos EUA é advertido de que qualquer apoio ou participação em prejudicar os interesses do Irã será seguido por uma resposta decisiva e que causará arrependimento pelas forças armadas do Irã”, disse um comunicado divulgado pela IRNA.

Ataque inédito do Irã em décadas

Os dois inimigos têm se engajado em uma guerra sombria marcada por incidentes como o ataque em Damasco. Mas o bombardeio do Irã, que acionou sirenes de ataque aéreo por Israel inteiro, foi o primeiro ataque militar direto do Irã a Israel, apesar de décadas de inimizade que remontam à Revolução Islâmica do país em 1979.

Israel, ao longo dos anos, estabeleceu – muitas vezes com a ajuda dos Estados Unidos — uma rede de defesa aérea multicamadas capaz de interceptar uma variedade de ameaças, incluindo mísseis de longo alcance, mísseis de cruzeiro, drones e foguetes de curto alcance.

Publicidade

Esse sistema, juntamente com a colaboração com os EUA e outras forças, ajudou a frustrar o que poderia ter sido um ataque muito mais devastador em um momento em que Israel já está atolado em sua guerra contra o Hamas em Gaza e envolvido em combates de menor escala em sua fronteira norte com a milícia Hezbollah do Líbano. Tanto o Hamas quanto o Hezbollah são apoiados pelo Irã.

O que acontece agora?

Israel anunciou que reabriu seu espaço aéreo, afrouxando uma restrição que havia imposto antes do ataque, embora as escolas permanecessem fechadas em todo o país. A vizinha Jordânia também reabriu seu espaço aéreo.

O general Mohammad Hossein Bagheri, chefe do estado-maior das forças armadas iranianas, disse que a operação estava encerrada, segundo a agência de notícias estatal IRNA. “Não temos intenção de continuar a operação contra Israel”, afirmou.

Israel está particularmente orgulhoso do sucesso de sua defesa, pois contrasta acentuadamente com as falhas que sofreu durante o ataque do Hamas em 7 de outubro. Enfrentando o Hamas, um inimigo muito menos poderoso, as defesas de fronteira de Israel entraram em colapso, e o Exército levou dias para repelir os militantes invasores – uma derrota embaraçosa para o exército mais forte e bem equipado do Oriente Médio.

Embora frustrar o ataque iraniano possa ajudar a restaurar a imagem de Israel, o que ele faz a seguir será observado de perto tanto na região quanto nas capitais ocidentais. Em Washington, Biden disse que as forças dos EUA ajudaram Israel a derrubar “quase todos” os drones e mísseis e prometeu reunir aliados para desenvolver uma resposta unificada.

Biden, que havia interrompido uma estadia de fim de semana em sua casa de praia em Delaware para se reunir com sua equipe de segurança nacional na Casa Branca no sábado à tarde, falou com Netanyahu mais tarde no dia.

“Eu disse a ele que Israel demonstrou uma capacidade notável de se defender contra e derrotar até mesmo ataques sem precedentes – enviando uma mensagem clara aos seus inimigos de que eles não podem ameaçar efetivamente a segurança de Israel”, afirmou Biden.

Publicidade

Em um comunicado no domingo, o secretário de Estado Antony Blinken disse que os EUA “não buscam escalada” e realizariam conversas com seus aliados nos próximos dias. Os EUA, juntamente com seus aliados, enviaram mensagens diretas a Teerã para alertar contra uma escalada adicional do conflito.

Líderes do G7 realizarão uma videoconferência no domingo à tarde para discutir os ataques iranianos contra Israel, de acordo com a Itália, que detém a presidência do grupo de países desenvolvidos, que inclui os Estados Unidos, Japão, Alemanha, França, Grã-Bretanha e Canadá.

Negociações com Hamas sofrem revés

O Irã prometeu vingança desde o ataque aéreo de 1º de abril na Síria, pelo qual Teerã responsabilizou Israel. Israel não comentou publicamente sobre isso. Israel e o Irã estiveram em rota de colisão ao longo da guerra de seis meses de Israel contra militantes do Hamas em Gaza, desencadeada pelo ataque de 7 de outubro a Israel.

Naquele dia, militantes do Hamas e da Jihad Islâmica, também apoiados pelo Irã, mataram 1.200 pessoas em Israel e sequestraram outras 250. Uma ofensiva israelense em Gaza causou devastação generalizada e matou mais de 33.000 pessoas, de acordo com autoridades de saúde locais.

Negociações em andamento, destinadas a trazer um cessar-fogo em troca da libertação dos reféns, pareciam ter sofrido um revés neste domingo. O gabinete de Netanyahu disse que o Hamas rejeitou a última proposta de acordo, que havia sido apresentada ao Hamas uma semana atrás por mediadores do Catar, Egito e Estados Unidos.

Um oficial do Hamas disse que o grupo quer um “compromisso escrito claro” de que Israel se retirará da Faixa de Gaza durante a segunda de uma negociação de cessar-fogo em três fases. O acordo apresentado às partes prevê um cessar-fogo de seis semanas em Gaza, durante o qual o Hamas liberaria 40 dos mais de 100 reféns que o grupo mantém no enclave em troca de 900 prisioneiros palestinos das prisões de Israel, incluindo 100 cumprindo longas penas por crimes graves.

O Hamas saudou o ataque do Irã, dizendo que era “um direito natural e uma resposta merecida” ao ataque na Síria e instou os grupos apoiados pelo Irã na região a continuar apoiando o Hamas na guerra contra Israel.

Publicidade

Quase imediatamente após o início da guerra, o Hezbollah começou a atacar a fronteira norte de Israel. Os dois lados têm se envolvido em trocas de fogo diárias, enquanto grupos apoiados pelo Irã no Iraque, Síria e Iêmen lançaram foguetes e mísseis em direção a Israel./AP

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.