PUBLICIDADE

Japão: homem é condenado à morte por ataque incendiário a estúdio de anime que matou 36 pessoas

Cerca de 70 pessoas estavam trabalhando dentro do estúdio no sul de Kyoto no momento do ataque e mais de 30 pessoas ficaram gravemente queimadas ou feridas

Foto do author Redação
Por Redação

Um tribunal japonês condenou um homem à morte após considerá-lo culpado de assassinato e outros crimes na quinta-feira, 25, por realizar um ataque incendiário a um estúdio de anime em Kyoto que resultou na morte de 36 pessoas. O Tribunal do Distrito de Kyoto afirmou que considerou o réu, Shinji Aoba, mentalmente capaz de enfrentar a punição por seus crimes e anunciou a sentença de pena de morte após um intervalo em uma sessão na quinta-feira.

Aoba invadiu o estúdio nº 1 da Kyoto Animation em 18 de julho de 2019 e o incendiou. Acredita-se que muitas das vítimas tenham morrido por envenenamento por monóxido de carbono. Mais de 30 outras pessoas ficaram gravemente queimadas ou feridas. O juiz Keisuke Masuda afirmou que Aoba queria ser um escritor, mas não teve sucesso, e buscou vingança, acreditando que a Kyoto Animation havia roubado romances que ele havia enviado como parte de um concurso da empresa, de acordo com a emissora de televisão nacional NHK.

Vista aérea tirada em 18 de julho de 2019 do cenário de resgate e recuperação após um incêndio em um prédio de uma empresa de animação que matou 36 pessoas em Kyoto  Foto: JIJI PRESS / JIJI PRESS / AFP

PUBLICIDADE

A NHK também informou que Aoba, desempregado e enfrentando dificuldades financeiras após mudar de emprego repetidamente, havia planejado um ataque separado em uma estação de trem ao norte de Tóquio um mês antes do ataque incendiário ao estúdio de animação. Aoba planejou os ataques depois de estudar casos criminais passados envolvendo incêndios criminosos, disse o tribunal na sentença, observando que o processo mostrava que Aoba havia premeditado o crime e estava mentalmente capacitado.

“O ataque que transformou instantaneamente o estúdio em um inferno e tirou as preciosas vidas de 36 pessoas causou a elas uma dor indescritível”, disse o juiz, de acordo com a NHK. Durante o julgamento, Aoba pediu desculpas às famílias das vítimas, mas não mostrou arrependimento sincero, e havia pouca esperança de correção, afirmou a sentença. Aoba, de 45 anos, ficou gravemente queimado e foi hospitalizado por 10 meses antes de sua prisão em maio de 2020. Ele apareceu no tribunal em uma cadeira de rodas. Seus advogados de defesa argumentaram que ele não estava mentalmente apto a ser considerado criminalmente responsável.

Cerca de 70 pessoas estavam trabalhando dentro do estúdio no sul de Kyoto, a antiga capital do Japão, no momento do ataque. Um dos sobreviventes disse que viu uma nuvem negra subindo do andar de baixo, depois um calor escaldante veio e ele pulou de uma janela do prédio de três andares, ofegante por ar. A empresa, fundada em 1981 e mais conhecida como KyoAni, produziu uma série de anime de grande sucesso sobre garotas do ensino médio, e o estúdio treinava aspirantes à profissão. A mídia japonesa descreveu Aoba como um encrenqueiro que mudava repetidamente de empregos temporários e apartamentos, e brigava com vizinhos.

O incêndio foi o mais mortal do Japão desde 2001, quando um incêndio no congestionado distrito de entretenimento de Kabukicho, em Tóquio, matou 44 pessoas. O secretário-chefe do gabinete, Yoshimasa Hayashi, afirmou que o ataque à Kyoto Animation foi “um caso altamente trágico” e que o governo intensificou as restrições às vendas de gasolina, incluindo verificações obrigatórias de identificação dos compradores. No entanto, Hayashi se recusou a comentar sobre a decisão de pena de morte.

O Japão manteve a pena de morte apesar das crescentes críticas internacionais. Autoridades do Ministério da Justiça afirmam que é uma resposta justificada a crimes hediondos e violentos contínuos. Uma pesquisa do governo japonês mostrou uma esmagadora maioria da população apoiando as execuções. As execuções são realizadas em alto sigilo no Japão, onde os prisioneiros não são informados de seu destino até a manhã em que são enforcados. Desde 2007, o Japão começou a divulgar os nomes daqueles executados e alguns detalhes de seus crimes, mas as divulgações ainda são limitadas./AP

Publicidade

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.