PUBLICIDADE

Incêndios florestais se espalham e peixes morrem em meio a seca na Europa

Agências meteorológicas emitem novos alertas de temperaturas extremas e risco de incêndios durante uma onda de calor que já causou enormes perda agrícolas, de fauna e flora

Foto do author Redação
Por Redação

Em continuação à intensa onda de calor e seca que atinge a Europa durante este verão do Hemisfério Norte, bombeiros lutavam nesta quinta-feira, 11, para conter um enorme incêndio na França que varreu uma grande faixa de floresta de pinheiros, enquanto outros países voltam a ficar em alerta para incêndios florestais conforme novos alertas de calor extremo são emitidos. Já na Alemanha e na Polônia, peixes apareceram mortos em um rio que flui e cidades correm para salvar os animais de outrao rios com níveis baixos de água.

PUBLICIDADE

A seca está causando uma enorme perda de produtos agrícolas e outros alimentos na Europa, em um momento em que a escassez de suprimentos e a guerra da Rússia contra a Ucrânia causam um aumento na inflação.

Na França, que está enfrentando sua pior seca já registrada, as chamas assolaram as florestas de pinheiros durante a noite, iluminando o céu com uma intensa luz laranja na região de Gironda, que já foi devastada pelas chamas no mês passado, e na vizinha Landes. Mais de 68 km² foram queimados desde terça-feira, 9. Os incêndios florestais franceses já forçaram a retirada de cerca de 10.000 pessoas e destruíram pelo menos 16 casas.

Incêndio florestal perto de Belin-Beliet, sudoeste da França, durante a noite de 11 de agosto de 2022 Foto: Thibaud Moritz/AFP

A França está enfrentando nesta semana a sua quarta onda de calor do ano, enquanto enfrenta o que o governo descreve como a pior seca já registrada no país. As temperaturas devem chegar a 40 ºC nesta quinta-feira.

A televisão estatal espanhola mostrou dezenas de caminhões indo para a França tendo que dar meia-volta e permanecer na Espanha porque os incêndios florestais forçaram as autoridades a fechar algumas passagens de fronteira. A TVE informou que os caminhoneiros, muitos carregando mercadorias perecíveis, estavam procurando maneiras de atravessar a fronteira porque as áreas de estacionamento ao redor da passagem de Irun estavam cheias.

Um parque nacional na serra mais alta de Portugal, a Serra da Estrela, também estava sendo devastado por um incêndio há quase uma semana. Cerca de 1.500 bombeiros, 476 veículos e 12 aeronaves foram mobilizados para combatê-lo, mas o fogo impulsionado pelo vento tornava muito difícil alcançar o local, com picos inacessíveis de quase 2.000 metros de altura e barrancos profundos. O fogo já queimou 10.000 hectares de floresta.

No Reino Unido, onde as temperaturas atingiram um recorde de 40,3 ºC em julho, o escritório meteorológico emitiu um novo alerta para “calor extremo” de quinta a domingo, com temperaturas previstas para chegar a 36 ºC. Este foi um dos verões mais secos já registrados no sul do Reino Unido, e o serviço meteorológico disse que há um “risco excepcional” de incêndios florestais nos próximos dias.

Publicidade

O Corpo de Bombeiros de Londres disse que sua sala de controle lidou com 340 incêndios de grama, lixo e áreas abertas durante a primeira semana de agosto, oito vezes o número do ano passado. O comissário assistente Jonathan Smith disse que “a grama em Londres está seca e a menor das faíscas pode iniciar um incêndio que pode causar devastação”.

Peixes mortos e em risco

Ao longo do Rio Oder, que flui da República Checa até o mar Báltico, voluntários coletaram peixes mortos que chegaram à costa na Polônia e na Alemanha. Piotr Nieznanski, diretor de política de conservação do WWF Polônia, disse que aparentemente um produto químico tóxico foi lançado na água por uma indústria e os baixos níveis de água causados pela seca tornaram as condições muito mais perigosas para os peixes.

“Um evento trágico está acontecendo ao longo do Rio Oder, um rio internacional, e não há informações transparentes sobre o que está acontecendo”, disse ele, pedindo às autoridades governamentais que investiguem. As pessoas que vivem ao longo do rio foram avisadas para não nadar na água ou mesmo tocá-la.

O órgão estatal de gestão de água da Polônia disse que a seca e as altas temperaturas podem causar até mesmo pequenas quantidades de poluição para levar a um desastre ecológico, mas não identificou a fonte da poluição.

No norte da Sérvia, o leito seco do reservatório de Conopljankso está agora repleto de peixes mortos que não conseguiram sobreviver à seca.

O nível da água ao longo do Rio Reno, na Alemanha, corria o risco de ficar tão baixo que poderia se tornar difícil transportar mercadorias – incluindo itens energéticos críticos, como carvão e gasolina.

Na Suíça, a seca e as altas temperaturas colocaram em risco as populações de peixes e as autoridades começaram a retirá-los de alguns riachos que estavam secando.

Publicidade

Uma cegonha no Rio Oder, onde peixes mortos flutuam, pois a água foi contaminada e está causando a extinção em massa de peixes no rio na Polônia Foto: Cezary Aszkiełowicz/Agencja Wyborcza.pl via Reuters

Em Hausen, no cantão de Zurique, as autoridades capturaram centenas de peixes, muitos deles trutas, nos riachos Heischerbach, Juchbach e Muehlebach quase secos esta semana, anestesiando-os com choques elétricos e colocando-os imediatamente em um tanque de água enriquecido com oxigênio, informou a mídia local. Mais tarde, os peixes foram levados para riachos que ainda possuem água suficiente.

Apesar de todos os danos causados pelo clima extremo, as autoridades suíças veem um lado mórbido: eles acreditam que há esperança de encontrar algumas pessoas que desapareceram nas montanhas nos últimos anos porque seus corpos estão sendo aparecendo à medida que as geleiras derretem.

No cantão suíço de Valais, o derretimento das geleiras revelou recentemente partes de um avião acidentado e, em locais separados, pelo menos dois esqueletos. Os corpos ainda não foram identificados, informou o site de notícias 20Minuten nesta quinta./AP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.