Golfinho furioso quebra costelas de nadador em praia do Japão; outras três pessoas ficam feridas

Polícia local informou que seis casos de ataques de golfinhos em humanos já foram relatados somente nesta temporada

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

Um homem que nadava na praia de Suishohama, na cidade de Mihama, no Japão, foi atacado por um golfinho na madrugada deste domingo, 16, e ficou gravemente ferido. De acordo com a Fukui TV, uma emissora local, o nadador teve suas costelas quebradas pela fúria do animal, e outras três pessoas também foram atacadas no mesmo dia.

De acordo com a Delegacia de Polícia de Tsuruga, o homem de 60 anos é morador da cidade de Kani, que fica a 90 quilômetros do local do acidente e a 350 quilômetros da capital, Tóquio. Ele nadava com sua família por volta das 4h da manhã no horário local (16h de sábado, 15, no horário de Brasília), quando foi atingido por um golfinho que apareceu nas proximidades.

PUBLICIDADE

Mais tarde, no mesmo local, às 9h30, um homem de 40 anos também foi atacado. Ele levou uma mordida do animal no braço esquerdo. Outros dois homens de cerca de 20 anos, no final do dia, também foram mordidos enquanto nadavam, conforme relatou a imprensa japonesa.

A praia de Suishohama tem sido atormentada por golfinhos desde o final de maio. As autoridades pediram que as pessoas fiquem longe dos golfinhos para sua própria segurança. “Se você os enxergar, não entre na água”, disse um policial da cidade para o jornal asiático Asahi Shimbun.

Autoridades da praia de Suishohama pediram que as pessoas fiquem longe dos golfinhos para sua própria segurança (foto ilustrativa) Foto: Sarasota Dolphin Research Program via AP

A praia é popular entre visitantes de toda a região de Mihama. A polícia disse que já recebeu seis relatos de ataques de golfinhos apenas nesta temporada. Segundo o Asahi Shimbun, no verão do ano passado, uma série de mordidas de golfinhos em banhistas também foi registrada.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.