Japão ainda vive sob a sombra do terremoto de 2011, uma tragédia seguida de crise nuclear

Com outro terremoto de grande intensidade atingindo o país já no início do ano, ainda não foi superada a crise nuclear desencadeada por um sismo de magnitude 8,9 ocorrido há 13 anos

PUBLICIDADE

Por Emma Bubola
2 min de leitura

Enquanto o Japão avaliava o estrago causado pelo grande terremoto de segunda-feira, 1º, o país ainda lida com as consequências da devastadora crise nuclear decorrente de um terremoto ocorrido há quase 13 anos, quando o nome de Fukushima passou a fazer companhia ao de Chernobyl, deixando o arquipélago traumatizado.

Em março 2011, um terremoto de magnitude 8,9 seguido por um tsunami devastou a costa nordeste do Japão e desativou o sistema de refrigeração de três dos reatores da usina nuclear Fukushima Daiichi, provocando um derretimento triplo que despejou contaminação radioativa em boa parte da área ao redor.

O terremoto seguido de tsunami deixou um rastro de mais de 19.000 mortos, e a calamidade nuclear, um dos piores episódios do tipo em toda a história, disparou alarmes em todo o mundo. Dezenas de milhares de pessoas foram retiradas de cidades e vilarejos agrícolas nas imediações. Passada uma década, algumas delas ainda não voltaram.

A usina nuclear de Fukushima Daiichi, danificada por um terremoto e tsunami massivos em 11 de março de 2011, é vista a partir do porto de pesca de Ukedo, na cidade de Namie, nordeste do Japão, em 24 de agosto de 2023.  Foto: Eugene Hoshiko / AP

A limpeza da região do entorno da usina de Fukushima ainda está em fase inicial. O governo disse que a água de reuso radioativa e tratada que era usada para resfriar o combustível nuclear será liberada ao longo de um período de 30 anos.

Em meados do ano passado, o governo anunciou que começaria a liberar a água tratada no oceano. A Agência Internacional de Energia Atômica declarou que o plano do governo cumpria seus padrões de segurança, mas ainda inspirou objeções por parte de alguns cientistas, e a ansiedade entre os pescadores, temendo que seus negócios sejam prejudicados. Além disso, aumentou a tensão com os governos chinês e sul-coreano.

Continua após a publicidade

Todos os reatores nucleares do Japão foram desativados após a crise de 2011, e boa parte do seu programa nuclear segue paralisado. /THE NEW YORK TIMES/TRADUÇÃO DE AUGUSTO CALIL

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.