Maioria dos americanos reprova apoio de Biden a Israel e mais jovens se afastam do presidente

Pesquisa divulgada nesta terça-feira, 19, pelo jornal ‘The New York Times’ mostra que três em cada quatro jovens rejeita apoio americano a Israel contra o Hamas

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

O apoio dos Estados Unidos a Israel na guerra contra o grupo terrorista Hamas na Faixa de Gaza tem sido amplamente rechaçado pelo eleitor americano e pode prejudicar o presidente Joe Biden em sua campanha pela reeleição no ano que vem, indica uma pesquisa divulgada nesta terça-feira, 19, pelo jornal The New York Times, em parceria com o Siena College.

PUBLICIDADE

O levantamento mostra que 57% dos americanos desaprovam a conduta americana no conflito e 46% deles creem que o ex-presidente Donald Trump, provável rival do democrata em novembro, faria um trabalho melhor na resposta à crise no Oriente Médio.

Ainda que política externa não seja o principal critério do eleitor americano na hora de ir votar, a posição de Biden sobre Gaza o afastou dos jovens, um grupo demográfico crucial para sua vitória contra Trump em 2020, que hoje tem críticas sobre o apoio do democrata ao premiê israelense Binyamin Netanyahu. Três de cada quatro eleitores de 18 a 29 anos, entrevistados desaprovam a gestão de Biden da guerra.

Esse rechaço se traduz também na preferência do eleitor mais jovem para a eleição do ano que vem. Trump tem hoje 49% dos eleitores de 18 a 29 anos, contra 43% de Biden. Em julho, o democrata tinha 10 pontos de vantagem sobre o republicano. Historicamente, essa faixa etária apoia em massa os democratas.

Não é claro até que ponto as críticas a Biden se traduzirão em votos para Trump, ou para qualquer outra pessoa, dada a desilusão com a política expressada pelos jovens eleitores que simpatizam com a causa palestina.

Premiê israelense, Binyamin Netanyahu, recebe o presidente Biden em Tel-Aviv Foto: AP / AP

Trump na frente

No geral, os eleitores que estão registrados para votar em novembro dizem que preferem Trump a Biden nas eleições presidenciais do próximo ano por 46% a 44%. O índice de aprovação do presidente caiu para 37%, dois pontos a menos do que em julho.

As preocupações com a economia são as principais do eleitor americano. Para 34% dos entrevistados, a inflação é a principal questão que o país enfrenta. Este valor é inferior aos 45% registados em outubro de 2022, mas ainda está alto.

Publicidade

A maioria dos jovens eleitores, no entanto, respondeu a cada pergunta com respostas que mostram que eles vêem o pior em Israel. Poucos deles acreditam que os israelitas levam a sério a paz com os palestinianos. Quase metade diz que Israel está a matar civis intencionalmente. Cerca de três quartos dizem que Israel não está a tomar precauções suficientes para evitar vítimas civis. E a maioria opõe-se a uma ajuda económica e militar suplementar a Israel.

Entre os entrevistados, os que se identificam como utilizadores regulares do TikTok foram os mais inflexíveis nas suas críticas. A plataforma, que é propriedade de uma empresa chinesa, tem sido alvo de fortes críticas de ambos os partidos, mas especialmente dos republicanos, devido a um fluxo inflamatório de vídeos destinados a usuários que são muito jovens.

A guerra também parece estar a fazer avançar o processo de transformar Israel numa questão partidária. Durante anos, os republicanos, liderados por Trump, acusaram os democratas de minar o governo de Israel e imploraram aos eleitores judeus que deixassem o partido que quase três quartos deles tradicionalmente chamam de seu lar político.

Agora, está surgindo uma divisão partidária que pode afetar o conforto de alguns eleitores judeus no Partido Democrata: 76% dos republicanos disseram que simpatizam com Israel em detrimento dos palestinos. Entre os cristãos evangélicos brancos, cuja ênfase teológica em Israel está no centro do seu conservadorismo, a simpatia por Israel é ainda maior, 80 por cento.

Os democratas não mostram esse consenso: 31% disseram que simpatizavam mais com Israel, 34% com os palestinianos e 16% disseram que simpatizavam com ambos. / NYT

Protesto pró-Palestina em Michigan, um dos Estados-chave na eleição americana Foto: Rebecca Cook/ Reuters
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.