Milei anuncia plano de demitir 70 mil servidores na Argentina; 15 mil serão cortados este mês

Plano dá continuidade a política de ‘motosserra’ do governo argentino para atingir o equilíbrio fiscal este ano; sindicato convoca greve geral após anúncio

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

O presidente argentino Javier Milei afirmou no fim desta terça-feira, 26, que pretende demitir 70 mil servidores públicos da Argentina. Nesta quarta-feira, o seu porta-voz, Manuel Adorni, confirmou que 15 mil serão cortados no dia 31 e que o restante das demissões está em discussão.

PUBLICIDADE

De acordo com o porta-voz, o governo optou por não renovar parte dos contratos de servidores que se encerram no fim deste mês. Os demais serão renovados por mais seis meses, e uma nova auditória será feita no término deste prazo para analisar novas demissões.

As demissões dão continuidade ao plano de Milei para diminuir a máquina pública argentina e alcançar um equilíbrio fiscal este ano. O plano, que foi a principal plataforma política do argentino durante as eleições presidenciais do ano passado, inclui medidas a paralisação de obras públicas, corte de financiamentos a províncias e o fim de 200 mil planos de seguridade social, implementadas em pouco mais de 100 dias de governo.

Presidente da Argentina, Javier Milei, durante a sua participação no Fórum Econômico Internacional das Américas (IEFA) em Buenos Aires nesta terça-feira, 26. Cortes de 70 mil servidores foram anunciados no evento Foto: Juan Mabromata / AFP

Essas medidas foram destacadas pelo presidente argentino durante um evento de negócios nesta terça-feira. No final do seu discurso, ele garantiu haver mais “motosserra”, como ficou conhecida a sua política de redução de gastos, nos próximos meses.

Em um tom mais cauteloso nesta quarta, o porta-voz de Milei afirmou que os cortes serão “mais lentos do que gostaríamos” por causa da complexidade da máquina estatal. “São questões sensíveis porque por trás há locais de trabalho e atendimento às pessoas”, disse. “O objetivo é chegar ao adequado. Se for 70 mil, que seja 70 mil, se for 15 mil, que fique em 15 mil. Precisamos ser extremamente cirúrgicos no trabalho para não cometer erros”, acrescentou.

Adorni também afirmou que as demissões não incluem servidores de empresas públicas ou de programas sociais. “(O governo) não quer fazer mal, pelo contrário: que se possa enxugar a máquina pública e que as pessoas não paguem salários que não correspondam”, disse.

Milei disse em mais de uma ocasião que o governo havia demitido 50 mil servidores, mas autoridades confirmam que os cortes ficaram entre 5 e 7 mil em dezembro, no primeiro mês do argentino na presidência. As medidas enfrentam oposição dos sindicatos de trabalhadores do país, que chegaram a organizar uma greve geral em janeiro. Uma nova mobilização foi convocada pela Associação dos Trabalhadores do Estado (ATE) depois das novas declarações do governo.

Publicidade

Nos primeiros 100 dias, as medidas de austeridade de Milei quebraram uma sequência de 10 anos de déficits públicos e obtiveram dois superávits seguidos nas contas públicas, mas, em contrapartida, aumentaram a pobreza do país e fizeram o Executivo entrar em colisão com as províncias.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.