PUBLICIDADE

Milei viaja aos Estados Unidos para sondar apoio político

O empenho do presidente argentino em fazer amizade com o próximo ocupante da Casa Branca levou-o a um tour de dois dias pelos polos políticos dos Estados Unidos

Por Jack Nicas

The New York Times - O presidente da Argentina, Javier Milei, recebeu o Secretário de Estado americano Antony J. Blinken em Buenos Aires, na manhã de sexta-feira, para discutir as várias maneiras como Milei está reformulando a política externa argentina alinhada com os Estados Unidos.

PUBLICIDADE

Algumas horas depois, ambos estavam prontos para embarcar em aviões separados para Washington. Blinken estava voltando para a Casa Branca e o presidente Biden. Milei estava indo para a Conferência de Ação Política Conservadora, ou CPAC, onde subiria ao palco antes do ex-presidente Donald J. Trump e proferiria um discurso que quase certamente criticaria os perigos da esquerda.

A agenda agitada de Milei - viajando do sul para o norte, da esquerda para a direita - mostra como o novo presidente argentino está tentando navegar pelas águas politicamente turbulentas dos Estados Unidos em um ano eleitoral, sabendo que a próxima administração pode ser crucial para o seu próprio sucesso.

O presidente da Argentina, Javier Milei, à direita, se reúne com o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, no palácio presidencial Casa Rosada em Buenos Aires, Argentina, na sexta-feira, 23 de fevereiro de 2024.  Foto: Agustín Marcarian / AP

Além de ser o maior investidor estrangeiro da Argentina e seu terceiro maior parceiro comercial, os Estados Unidos têm mais controle sobre o Fundo Monetário Internacional do que qualquer outro país, ao qual a Argentina deve US$ 40 bilhões.

A Argentina está em grande parte quebrada - o novo slogan de Milei é “Não há dinheiro” - e seu plano para tirar o país da crise financeira pode depender de obter mais dinheiro do FMI e mais tempo para pagar.

Ele já está avançando com seus planos econômicos enquanto a inflação anual da Argentina excede 250%, a mais alta do mundo por algumas medidas, e os protestos e greves aumentam. Se ele conseguir estabilizar a economia argentina, uma façanha que nenhum presidente argentino realizou em décadas, ele disse que quer abandonar a moeda argentina pelo dólar americano.

Assim, Milei, um ex-comentarista de televisão fervoroso que apoiou as alegações de fraude eleitoral de 2020 de Trump, tem sido amigável com a administração Biden desde que assumiu o cargo em dezembro.

Publicidade

Ele criticou a China e a Rússia, se alinhou de perto com os Estados Unidos e Israel, e retirou a Argentina de sua entrada planejada no BRICS, a aliança de nações em desenvolvimento projetada para contrariar o poder dos EUA.

No início da reunião com Blinken na sexta-feira, Milei disse aos repórteres: “A Argentina decidiu voltar para o lado do Ocidente, para o lado do progresso, para a democracia e, acima de tudo, para a liberdade.”

Depois da reunião, quando perguntado sobre o que achava dos planos de viagem de Milei, Blinken disse: “Isso é inteiramente com ele.” Ele acrescentou que não poderia estar “mais satisfeito, em nome do presidente Biden, com a reunião que acabamos de ter”.

Os Estados Unidos têm muito a ganhar na Argentina, em particular as vastas reservas da nação de minerais estratégicos, incluindo lítio, que é um componente importante nas baterias para carros elétricos. Esse foi um tema das conversas entre o Milei e Blinken na sexta-feira.

O presidente da Argentina, Javier Milei, na sacada da Casa Rosada em 10 de dezembro de 2023 em Buenos Aires, Argentina.  Foto: Enrique García Medina / EFE

PUBLICIDADE

Mas a amizade que Milei está tentando forjar com Biden é um tanto complicada por sua tentativa separada de impulsionar sua imagem global como um guerreiro contra a esquerda moderna, que ele diz estar envenenando o Ocidente com socialismo e ativismo pela justiça social.

Seu discurso contra o socialismo e o feminismo este ano no Fórum Econômico Mundial em Davos, Suíça, viralizou depois que o bilionário Elon Musk o compartilhou com milhões de seguidores.

Milei é contra a “justiça social” porque ela visa “ajudar alguém tirando de outra pessoa”, disse Diana Mondino, ministra das Relações Exteriores da Argentina, em uma coletiva de imprensa com Blinken na sexta-feira. Ela disse que mesmo que Milei e Biden não concordem em tudo, ainda podem se dar bem. “Vivemos em um mundo muito complicado”, disse ela.

Publicidade

Trump tem sido um grande fã, torcendo repetidamente para que o Milei “faça a Argentina grande novamente” em postagens online. Mas os dois ainda não se encontraram pessoalmente.

Isso pode mudar no sábado, quando os dois serão os dois principais palestrantes no último dia do CPAC, que se tornou uma espécie de festival de Trump nos últimos anos. (Outros palestrantes este ano incluem o comentarista Steve Bannon, o executivo de travesseiros Mike Lindell e os congressistas de extrema direita Jim Jordan e Matt Gaetz.)

Milei provavelmente será abraçado como uma celebridade de direita no evento. Seu poder de estrela entre os conservadores já estava em exibição nesta semana, quando o senador republicano Marco Rubio, da Flórida, visitou Buenos Aires. Milei deu ao Rubio uma caneca de café com “Não há dinheiro” escrito nela, e o senador pediu para ele autografá-la.

Depois, Rubio entregou a caneca a um assistente. “Não manche isso”, disse ele.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.