Na Cisjordânia, eu vi como a paz com os palestinos exigirá um confronto com Israel; leia o artigo

Nicholas Kristof encontra dois moradores da Cisjordânia que não via desde 1982 e relata como a vida dos civis palestinos mudou nos últimos 40 anos

PUBLICIDADE

Por David Ignatius*

Ekram Quran está no telhado de sua casa na periferia de Al-Bireh, na Cisjordânia, apontando para a colina a 100 metros de distância, onde ela costumava passear quando menina entre figueiras e oliveiras. “Era um lugar para respirar”, ela se lembra. Agora, o que ela vê é uma cerca de arame farpado e, além dela, ao longo do topo da colina, os prédios de um assentamento israelense chamado Psagot.

PUBLICIDADE

Quatro soldados de Israel chegam cerca de cinco minutos depois de descermos do telhado. Eles pedem para ver os documentos do Quran e os meus, por “segurança”. Depois de verificar nossos nomes, eles devolvem os documentos e se retiram para seu posto no portão do assentamento. Tivemos sorte. Quran diz que, no final do mês passado, um homem palestino de 20 anos foi baleado e morto na rua ao lado de sua casa durante uma manifestação.

“É uma injustiça”, diz Quran quando os soldados vão embora. Sua família construiu essa casa em 1961. Os israelenses começaram a construir seu assentamento 20 anos mais tarde, depois que tomaram a Cisjordânia na guerra de 1967. Hoje, ela está impotente em sua própria propriedade, que fica em um pedaço do que é conhecido como Área C, os 60% da Cisjordânia que estão sob total controle israelense.

Palestinos protestam na cidade de Hebrom, na Cisjordania, em meio a guerra das Forças de Defesa de Israel com o grupo terrorista Hamas na Faixa de Gaza  Foto: Hazem Bader/AFP

A guerra devastadora em Gaza estava acontecendo a apenas 50 milhas de distância enquanto conversávamos. Mas Quran, como a maioria dos palestinos da Cisjordânia que conheci na semana passada, não fala muito sobre a violência. Eles estão irritados, mas também assustados. Quran dirige uma empresa de design gráfico em Ramallah. Ela quer continuar trabalhando e sobreviver. Seu tom não é de raiva militante, mas sim de uma tristeza que beira o desespero.

Durante três dias na semana passada, percorri a Cisjordânia, desde as colinas áridas abaixo de Hebron, no sul, até as colinas calcárias de Nablus, no norte. O que vi foi um padrão de dominação israelense e abusos ocasionais que tornam a vida cotidiana uma humilhação para muitos palestinos - e podem obstruir o futuro pacífico que israelenses e palestinos dizem querer.

Dirigir pelas estradas da Cisjordânia é - perdoe o termo - uma solução de “duas placas”. Os colonos israelenses com placas amarelas circulam em uma superestrada bem protegida chamada Route 60. Os palestinos com placas brancas navegam por estradas pequenas e esburacadas. Desde 7 de outubro, muitas das entradas de seus vilarejos estão fechadas. Viajando em um táxi israelense com um motorista palestino, vi um pouco dos dois mundos.

Observei os pontos de controle israelenses perto de Belém e Nablus que tinham mais de 800 metros de comprimento e podiam exigir esperas de mais de duas horas. Os atrasos, as indignidades e as agressões diretas contra os palestinos se tornaram uma rotina terrível. “Se eu estiver em um carro com placa amarela, isso muda meu sangue?”, perguntou Samer Shalabi, o palestino que foi meu guia na área de Nablus.

Publicidade

Meu passeio pela Cisjordânia foi uma verificação da realidade sobre o que é possível “no dia seguinte” ao fim da guerra de Gaza. O presidente Biden e outros líderes mundiais falam com esperança sobre a criação de um Estado palestino quando o Hamas for derrotado. Eu também adoraria ver isso acontecer. Mas as pessoas precisam ser realistas sobre os obstáculos que estão diante de nossos olhos.

No local, em meio à pressão diária da ocupação israelense, a esperança compartilhada de um Estado palestino pode parecer um conto de fadas - reconfortante de se ouvir, mas uma versão do pensamento mágico. No caminho estão os assentamentos e postos avançados israelenses espalhados pelas colinas da Cisjordânia, com suas cercas altas e muros de concreto simbolizando sua aparente imobilidade.

“Os assentamentos foram colocados lá para impedir a criação de um Estado palestino”, argumentou Daniel Seidemann, um advogado israelense que talvez seja o principal crítico do movimento dos colonos no país. Ele ofereceu uma visita guiada às questões dos assentamentos para mim e para dois funcionários do Departamento de Estado na segunda-feira, explicando a colcha de retalhos da Cisjordânia a partir das alturas do Monte Scopus e do Monte das Oliveiras.

Veja como a matemática funcionaria para a “desocupação” que, segundo Seidemann, seria necessária para um Estado palestino viável. Mais de 700.000 israelenses vivem nos assentamentos da Cisjordânia, e pelo menos 200.000 teriam que sair, segundo ele. Alguns colonos resistiriam. “Há uma possibilidade significativa de uma guerra civil entre o Estado de Israel e o Estado dos colonos da Judeia e Samaria”, advertiu ele, usando os termos bíblicos dos colonos para as áreas da Cisjordânia.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

“Se não for doloroso, não será significativo”, concluiu Seidemann.

Para os colonos, obstruir a formação do Estado palestino faz parte da missão, disse-me Yehuda Shaul, um dos principais especialistas israelenses em assentamentos. Ele observou que, em 1980, Matityahu Drobles, que na época era chefe do departamento de assentamentos da Organização Sionista Mundial, declarou seu objetivo sem rodeios em um plano amplo. “Ao ser isolada pelos assentamentos judaicos, a população minoritária [árabe] terá dificuldade em formar uma continuidade territorial e política”, escreveu ele na época. “A melhor e mais eficaz maneira de remover qualquer sombra de dúvida sobre nossa intenção de manter a Judeia e Samaria para sempre é acelerar o impulso dos assentamentos nesses territórios.”

Biden é o mais recente presidente a confrontar a realidade de que abordar a questão palestina significa confrontar Israel - especialmente em relação aos assentamentos. O número de assentamentos oficiais e de “postos avançados” não reconhecidos, mas generalizados, continua crescendo. Um grupo chamado Peace Now afirma que este ano marcou o maior aumento desde que o grupo começou a monitorar os assentamentos em 2012.

Publicidade

E nos últimos anos, houve um aumento assustador da violência dos colonos contra os palestinos, no que os defensores dos direitos humanos dizem ser esforços deliberados para afugentá-los da terra que os colonos acreditam que Deus deu a Israel.

Soldados israelenses patrulham o check point the Hawara, na Cisjordania  Foto: Nasser Nasser / AP

A violência dos colonos aumentou desde o ataque terrorista do Hamas em 7 de outubro, que matou aproximadamente 1.200 israelenses. Desde então, houve 343 ataques de colonos contra palestinos, de acordo com o Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários. Pelo menos 143 famílias palestinas, com 1.026 pessoas (incluindo 396 crianças), foram deslocadas pela violência. Os colonos mataram oito palestinos e feriram 85, segundo a organização da ONU.

Os colonos violentos quase sempre ficam impunes. De 2005 a 2022, 93% das 1.597 investigações abertas pela polícia israelense sobre casos em que israelenses teriam ferido palestinos foram encerradas sem acusação, de acordo com a organização israelense de direitos humanos Yesh Din; apenas cerca de 3% resultaram em condenações.

A ameaça aos palestinos é especialmente grave na Área C, onde os israelenses superam os palestinos em mais de 400.000 contra 300.000. O exército israelense restringe severamente as viagens dos palestinos para lá, e os colonos atacam regularmente vilarejos e acampamentos de beduínos.

Uma última palavra sobre os assentamentos antes de descrever os detalhes da minha viagem. Tenho alguns amigos israelenses próximos que moram em assentamentos, e eles são pessoas decentes e com princípios. Muitos deles provavelmente se mudariam se o governo israelense decidisse que uma solução de dois estados assim o exigisse. A violência vem de colonos extremistas, e o perigo é que eles parecem ter o apoio de membros do governo de Netanyahu.

Um sinal de que o governo Biden pode estar levando a questão dos assentamentos mais a sério foi o anúncio feito este mês de que os colonos que se acredita estarem envolvidos em ataques violentos contra palestinos poderão ter seus vistos de entrada nos Estados Unidos negados, juntamente com seus familiares. Isso não é uma solução para esse grande problema, mas é um começo.

Vamos começar nosso passeio no extremo sul da Cisjordânia, nas colinas secas ao sul de Hebron. Os assentamentos israelenses se expandiram nessa região. Um novo problema aqui é a luta pelos “postos avançados de pastoreio”, onde os fazendeiros israelenses tentaram expulsar os pastores beduínos que pastam nessa terra há um século.

Publicidade

Saleh Molhem e Mahmoud Qaraqei, dois professores palestinos aposentados que vivem em um campo de refugiados na Cisjordânia  Foto: William Keo / NYT

Saleh Abu Awad, um desses pastores beduínos, encontrou-se comigo na segunda-feira ao lado de um campo rochoso com brotos verdes no clima ameno de dezembro. Ele é magro, com o rosto desgastado e barba aparada, e estava usando um moletom empoeirado com o logotipo desbotado da Emporio Armani.

Perto dali fica o assentamento israelense de Meitarim, ao longo da Rota 317, e um posto avançado conhecido como Asa’el. Você pode assistir a um vídeo em que uma família israelense em Asa’el comemora as alegrias de cultivar essa terra, com as crianças dando cambalhotas em fardos de feno.

Um Abu Awad abatido disse que, em 13 de julho, foi atacado por colonos enquanto pastoreava suas ovelhas. “Esta é a nossa terra. Você não deveria estar aqui”, disse-lhe um dos colonos. Abu Awad me disse que sua família tem pastado suas ovelhas nas proximidades desde a época de seu bisavô. Mas os colonos estavam decididos. Abu Awad disse que um grupo voltou mais tarde, queimou seis de suas barracas e levou embora 130 de suas ovelhas, que ele estima valerem cerca de US$ 50.000.

Abu Awad não se incomodou em reclamar com a Autoridade Palestina. “Eles não têm poder algum”, disse ele. Os colonos continuaram a fazer incursões na área. Assisti a quase uma dúzia de casos de assédio capturados em vídeos por ativistas palestinos.

Nessa área, conhecida como Masafer Yatta, os colonos deslocaram à força os moradores de várias comunidades inteiras desde 7 de outubro, de acordo com a organização de direitos humanos B’Tselem. Os colonos voltaram ainda no último domingo, um dia antes de eu conversar com Abu Awad. Muitos beduínos fugiram dessas terras de pastagem com medo, mas Abu Awad disse que vai ficar. “Não tenho nenhum outro lugar para onde ir”, disse ele. “Não somos inimigos [dos israelenses]. Só queremos que eles nos deixem em paz.”

Uma quitanda vende carne nas proximidades de um check point em Qalandia, na Cisjordânia  Foto: William Keo/ NYT

Para os colonos israelenses que esperam expulsar os palestinos da Área C, a estratégia do fazendeiro-posto parece estar funcionando. Um líder dos colonos chamado Ze’ev “Zambish” Hever explicou a estratégia à sua organização, Amana, a principal empresa de construção do movimento de colonos, em fevereiro de 2021. “As fazendas de pastoreio que aumentaram (...) hoje cobrem quase o dobro da terra que as comunidades construídas [assentamentos] cobrem”, disse Hever. “Se for uma guerra, se houver uma batalha pela Área C, [os líderes locais dos colonos] devem se comportar como se fosse uma guerra.”

Dirigimos para o norte, pela superestrada dos colonos Route 60. Entramos em Hebron, uma cidade industrial empoeirada que, há 40 anos, vem lutando contra um assentamento chamado Kiryat Arba, plantado próximo ao centro da cidade.

Publicidade

O ministro da Segurança Nacional, Itamar Ben Gvir, um dos membros de extrema direita da coalizão do primeiro-ministro Binyamin Netanyahu, mora em Kiryat Arba. Em agosto, ele disse a um jornalista: “Meu direito, o direito da minha esposa e dos meus filhos de se locomover pelas estradas da Judeia e Samaria é mais importante do que o direito de circulação dos árabes”.

O fechamento de estradas torna as viagens um pesadelo para os árabes. Passamos pelas entradas de uma série de cidades e vilarejos palestinos viajando para o norte; a maioria foi bloqueada pelos militares israelenses com grandes pilhas de terra ou portões de metal. Os palestinos que desejam viajar para fora de seus vilarejos na Área C precisam passar por postos de controle com soldados israelenses, muitas vezes caprichosos.

Palestinos andam pelo campo de refugiados de Al Am´ari, em Ramallah, Cisjordânia  Foto: William Keo / NYT

É possível ver o preço desse assédio nos terraços de oliveiras abandonadas ao longo da estrada ao norte, perto de Hebron. Os agricultores palestinos têm medo de colher suas azeitonas ou são fisicamente impedidos de fazê-lo. Um diplomata ocidental me disse que, como resultado, a produção de azeite de oliva na Cisjordânia pode estar 35% abaixo da média este ano.

Jerusalém é a joia no centro dessa terra. É também o campo de batalha mais volátil entre colonos e israelenses - e o lugar onde os Estados Unidos terão o maior desafio para chegar a um acordo. Seidemann mostrou aos dois funcionários do Departamento de Estado e a mim como é esse campo de batalha sagrado. Suas preocupações estão resumidas no título de um estudo que ele preparou este ano para líderes políticos e religiosos de todo o mundo: “O cerco estratégico da Cidade Velha de Jerusalém”.

Do Monte Scopus, em Jerusalém Oriental, Seidemann apontou para as colinas em direção a um grande assentamento chamado Ma’ale Adumim, que abriga cerca de 40.000 pessoas. Há várias décadas, os líderes israelenses esperam expandi-lo enormemente com um projeto conhecido como E1. Seidemann chama isso de “ponte terrestre do juízo final” que cortaria qualquer futuro estado palestino ao meio, separando o sul do norte.

Seidemann nos levou para o sudeste, para o Monte das Oliveiras e para uma vista da Cidade Velha de Jerusalém, que é sagrada para três religiões. Vimos o domo dourado da rocha e as mesquitas de Al-Aqsa, reverenciadas pelos muçulmanos; o Jardim do Getsêmani e outros locais sagrados cristãos; e, além do Monte do Templo, onde estão localizadas as mesquitas, o Muro Ocidental - o “Muro das Lamentações” - que é sagrado para os judeus.

Um grande objetivo dos israelenses conservadores e religiosos é aumentar sua presença em toda a área de Jerusalém. Ao sul, Seidemann apontou para o local onde os colonos planejam construir um teleférico sobre o distrito predominantemente palestino de Silwan, que chegaria até os muros da Cidade Velha. Ao norte, onde estão localizados os locais cristãos, fala-se sobre a construção de um parque temático bíblico que seria supervisionado pela autoridade israelense de parques. A luta política por Jerusalém “tem sido conduzida por piromaníacos religiosos”, disse-me Seidemann.

Publicidade

Dentro da Cidade Velha, conversei com jovens manifestantes que estão tentando impedir a construção de um novo hotel de luxo dentro das muralhas da cidade, no Bairro Armênio, em um estacionamento e terreno adjacente alugado pelo patriarca armênio a um incorporador israelense australiano. Desde então, o patriarca apresentou documentos às autoridades israelenses retirando o consentimento para o arrendamento, mas os bulldozers tentaram aplicá-lo mesmo assim. Até agora, eles foram bloqueados por um protesto ininterrupto dos armênios, explicou seu líder, Hagop Djernazian.

Ao norte de Jerusalém fica Ramallah, a sede do poder da Autoridade Palestina. É um centro apertado, quase claustrofóbico, para os residentes da Área A, que representa 18% da Cisjordânia e é nominalmente controlada pelos palestinos. Mas, mesmo aqui, seus direitos são limitados. Na manhã em que visitei o local, soldados israelenses invadiram e prenderam dois jovens palestinos em frente a uma pequena loja chamada Olive Market.

As forças de segurança palestinas devem manter a ordem no local. Mas os moradores locais reclamam que o principal trabalho das forças palestinas é fazer a ligação com Israel e que elas não podem proteger os palestinos da violência israelense. Passei de carro por três escritórios separados das forças de segurança, cada um deles em um prédio moderno e reluzente. Elas têm dinheiro, obviamente, mas pouco poder.

Visitei Sabri Saidam, membro do Comitê Central do Fatah, que por muito tempo foi o grupo político dominante na Cisjordânia, mas é cada vez mais desafiado pelo Hamas. Ele estava todo vestido de preto, em um escritório decorado com imagens de Yasser Arafat, o icônico líder da Organização para a Libertação da Palestina e o primeiro presidente da Autoridade Palestina.

Dizem que o Fatah e a Autoridade Palestina prepararam uma “declaração de visão” sobre o que virá depois da guerra, e afirmam ter até 40.000 membros do Fatah em Gaza que poderiam ser reativados para tarefas de segurança. Talvez a Autoridade Palestina possa ser revitalizada para essa função, como espera o governo Biden. Mas, no momento, eles não estão fazendo um trabalho muito bom nem mesmo no controle dos fragmentos da Cisjordânia que são de sua responsabilidade.

Viajar para o norte de Ramallah é como cortar um bolo em camadas. Você passa por um vilarejo palestino, depois por um assentamento no topo de uma colina, depois por outro vilarejo, depois por um posto avançado não oficial, quilômetro após quilômetro. Em fevereiro, o governo de Netanyahu adotou nove desses postos avançados e os transformou em assentamentos oficiais.

Esse cenário quadriculado está fadado a gerar tensão, e eu vi as consequências de dois exemplos cruéis na estrada ao norte, em direção a Nablus - onde colonos e soldados israelenses atacaram vilarejos palestinos no que eles disseram ser uma vingança por ataques terroristas. O Departamento de Estado condenou um desses ataques, no qual os soldados destruíram a casa de uma família para punir um garoto de 13 anos, e tuitou: “Uma família inteira não deveria perder sua casa por causa das ações de um indivíduo”.

Publicidade

Cerca de 200 “colonos desordeiros”, como a publicação israelense Ynet os chamou, atacaram o vilarejo de Turmus Ayya em 21 de junho. Muitos vieram de um assentamento vizinho chamado Shiloh, e alguns estavam mascarados. De acordo com a Ynet, eles queimaram aproximadamente 30 casas e 60 carros. Um palestino foi morto e 12 ficaram feridos.

“As vítimas decidiram não registrar queixa devido à falta de confiança nas autoridades; elas afirmaram que os soldados [israelenses] estavam presentes e não impediram o ataque”, explicou-me por e-mail um porta-voz da Yesh Din, a organização israelense de direitos humanos que reuniu depoimentos sobre o ataque.

Um morador de Turmus Ayya me disse que tudo o que sua família pôde fazer foi tentar apagar o fogo antes que ele destruísse sua residência.

Na extremidade oeste da cidade, de frente para os arredores do assentamento de Shiloh, quatro carros palestinos queimados foram empilhados em um monumento de metal carbonizado ao ataque. O derramamento de sangue em Turmus Ayya chocou as autoridades americanas, em parte porque a maioria dos moradores da cidade possui passaporte americano. Andrew P. Miller, vice-secretário adjunto de Estado que monitora a região, visitou a cidade em agosto para expressar condolências.

Mais adiante na estrada, chega-se à cidade de Huwara, que foi atacada por colonos próximos em 26 de fevereiro. De acordo com as evidências que o Yesh Din me forneceu, os colonos queimaram dezenas de carros em uma concessionária, incendiaram uma casa com seus ocupantes dentro e perambularam pela cidade incendiando outros carros e casas e atacando um carro com um machado.

Dois israelenses, um do assentamento Yitzhar e outro de um posto avançado chamado Givat Ronen, foram detidos mais tarde, de acordo com a Associated Press.

A violência continua em Huwara, que já foi um próspero centro comercial, mas que, quando visitei, tinha apenas um fio de tráfego na rua principal.

Publicidade

Nem mesmo os funerais são seguros. Os enlutados se reuniram em Huwara após um ataque em 6 de outubro que resultou na morte de um palestino de 19 anos que supostamente havia atirado um tijolo em um veículo israelense. Durante o funeral no mesmo dia, colonos e tropas atacaram novamente, ferindo 51 palestinos, segundo a Reuters. Bezalel Smotrich, ministro das finanças de Israel e líder de grupos pró-colonos, visitou a cidade mais tarde e disse que Israel deveria tomar medidas mais duras contra os militantes palestinos “para salvar vidas e restabelecer a segurança”.

No dia em que visitei Huwara, a cidade ainda estava abalada. Jassim Audi tinha acabado de reabrir sua pequena barraca de café a algumas dezenas de metros de um posto de guarda do exército israelense. “Enquanto o exército estiver protegendo os colonos, não terei uma vida normal”, ele me disse.

Essa proteção do exército para os colonos é um dos aspectos mais perigosos - e intrigantes - da bagunça dos assentamentos. Shaul, que dirige um grupo chamado Ofek: o Centro Israelense para Assuntos Públicos, explicou que, com a guerra em Gaza, o serviço na Cisjordânia foi deixado principalmente para os reservistas, alguns dos quais vêm dos assentamentos e servem em “unidades de defesa regional”. Alguns colonos que já serviram nas forças armadas simplesmente vestem seus antigos uniformes quando vão fazer incursões, disse Shaul.

Ali Hussein, que mora em um vilarejo próximo, estava tomando seu café da manhã na tranquila e cautelosa rua principal de Huwara. Ele balançou a cabeça com cinismo enquanto conversávamos sobre como acabar com a violência. “Quando falamos de um Estado palestino, isso é irreal”, ele me disse. “A maior parte da terra foi tomada por colonos.” A promessa do governo Biden de um “dia seguinte” mais feliz era como uma dose de drogas, disse ele.

Em meu último dia na Cisjordânia, visitei a família Kashkeesh. Eu os conheci há 41 anos, quando passei uma semana com eles em Halhul, perto de Hebron. Quando tento imaginar a realidade da vida palestina, penso neles.

Hammadeh, um cortador de pedras que era o patriarca da família, morreu em 10 de junho aos 74 anos. Ele não viveu para ver a guerra de Gaza, que teria destruído os fragmentos de esperança que lhe restavam no futuro. Sua esposa, Antissar, ainda jovem aos 60 anos, me recebeu com seu filho Mouayed e várias filhas.

Como muitas famílias palestinas, essa sobreviveu trabalhando e estudando muito e mantendo-se longe de problemas. Recebi um resumo sobre os dois filhos, um deles mecânico em Minneapolis e o outro dirigindo uma loja de eletrônicos em Halhul, e as cinco filhas, que incluem uma enfermeira, uma estudante de direito e uma estudante de matemática.

Publicidade

“Viver na Cisjordânia tornou-se um pesadelo”, disse-me Mouayed. “Você está cercado em sua cidade. Não pode levar sua família para lugar nenhum. Você vive em cantões, separado de todos. O que você quer neste momento é sobreviver e não perder ninguém da sua família.”

Existe um final feliz para essa história? Provavelmente não, a menos que Biden consiga fazer um esforço diplomático que não vemos desde os dias dos presidentes Jimmy Carter e Bill Clinton. Mas, em minha viagem, conheci tantos israelenses e palestinos corajosos que estão trabalhando juntos para documentar os obstáculos à paz que posso ver um caminho a seguir - se os Estados Unidos tiverem a coragem de ajudá-los.

*David Ignatius escreve uma coluna de assuntos internacionais duas vezes por semana para o The Washington Post. Seu último romance é “The Paladin”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.