PUBLICIDADE

O que vai acontecer com a população civil de Gaza depois da derrota do Hamas? Leia análise

Há sinais de que alguns membros do governo israelense têm de fato uma estratégia, ou pelo menos uma preferência, sobre o que vai acontecer daqui em diante

Por Peter Beinart

O senso comum tem afirmado que o governo de Israel não tem uma estratégia para a Faixa de Gaza que vá além da derrubada do grupo terrorista Hamas.

PUBLICIDADE

“Israel não tem um plano para Gaza após o fim da guerra, alertam os peritos”, noticiou a BBC em outubro. Em novembro, o Washington Post observou que o primeiro-ministro israelense Binyamin Netanyahu tem sido criticado por não apresentar um plano claro sobre o que acontecerá em Gaza se Israel conseguir o seu objetivo de derrubar o Hamas. Em dezembro, um título na Foreign Affairs lamentava “A estratégia confusa de Israel em Gaza”.

Mas há sinais de que alguns membros do governo israelense têm de fato uma estratégia, ou pelo menos uma preferência, sobre o que vai acontecer daqui em diante. Ela está implícita no tipo de guerra que Israel empreendeu em Gaza, que tornou o enclave praticamente inabitável. E um número crescente de oficiais israelenses está revelando seu plano em voz alta: Não querem forçar apenas o Hamas a sair de Gaza. Querem que muitos dos habitantes de Gaza também deixem o território palestino.

‘Deslocamento voluntário’

Os apelos às transferências de população começaram muito antes de Gaza ter sido reduzida às ruínas que é hoje. Seis dias após o massacre de civis israelenses pelos terroristas do Hamas, em 7 de outubro, o Ministério dos Serviços Secretos propôs o deslocamento permanente dos habitantes de Gaza para a região do Sinai, no Egito. Em 14 de novembro, o ministro das Finanças, Bezalel Smotrich, disse que apoiava “a emigração voluntária dos árabes de Gaza para países de todo o mundo”. Cinco dias depois, o Ministro dos Serviços Secretos, Gila Gamliel, apoiou “a reinstalação voluntária dos palestinos em Gaza, por razões humanitárias, fora da Faixa”.

O jornal Israel Hayom noticiou a 30 de novembro que Netanyahu tinha pedido ao ministro dos Assuntos Estratégicos Ron Dermer, um dos seus mais próximos confidentes, para desenvolver um plano para “reduzir” a população de Gaza “ao mínimo”, abrindo as portas do Egipto e as rotas marítimas para outros países. Netanyahu também teria pedido ao presidente americano, Joe Biden, e líderes do Reino Unido e da França a pressionarem o Egito a admitir centenas de milhares de refugiados de Gaza.

Soldado israelense dispara contra alvos do Hamas na Faixa de Gaza Foto: Exército de Israel/Reuters

As autoridades israelenses minimizaram ou negaram estes relatos em diversas oportunidades. O gabinete de Netanyahu considerou o plano de transferência do Ministério dos Serviços Secretos um mero “documento concetual” e a Embaixada de Israel em Washington esclareceu que a ministra dos Serviços Secretos não falava pelo governo. Outros ministros influentes do governo - como o ministro da Defesa Yoav Gallant e Benny Gantz, um rival de Netanyahu e antigo chefe do Estado-Maior das Forças Armadas de Israel que se juntou ao governo depois de 7 de outubro - opõem-se à transferência da população de Gaza para fora da Faixa, segundo o Israel Hayom. Na semana passada, Gallant apresentou uma proposta para que os palestinos não ligados ao Hamas ou à Autoridade Palestiniana administrem o território, com outros países a supervisionar a reconstrução.

Uma nova política?

Mas, nos últimos dias, a conversa sobre a saída dos palestinos de Gaza tornou-se mais ruidosa. Numa reunião do seu partido Likud, em 25 de dezembro, Netanyahu foi pressionado por um deputado a criar uma equipe para facilitar a saída “voluntária” dos palestinos de Gaza. O primeiro-ministro teria respondido que o governo estava trabalhando para encontrar países dispostos a recebê-los.

Publicidade

Seguiram-se comentários semelhantes do ministro da Segurança Nacional de Israel, com o Times of Israel afirmando na quarta-feira que a reinstalação voluntária de Gaza se tornará gradualmente “uma política oficial fundamental do governo”.

Há quem possa rejeitar esta conversa sobre transferência de população como uma fanfarronice de guerra. Mas, no terreno, já está bem encaminhada: Gaza está se tornando inabitável. De acordo com as Nações Unidas, estima-se que 85% da população de Gaza esteja atualmente deslocada. Mesmo que pudessem regressar às suas casas, muitos não teriam muito para onde voltar, uma vez que, de acordo com uma análise do The Wall Street Journal, quase 70% das habitações de Gaza estão danificadas ou destruídas.

Gaza em ruínas

Mais de 22.000 habitantes de Gaza foram mortos no conflito até agora, de acordo com o Ministério da Saúde de Gaza, gerido pelo Hamas, e muitos mais estão em perigo grave. De acordo com o diretor dos assuntos de Gaza da Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados, 40% dos habitantes da Faixa de Gaza estão em risco de fome. Dado o colapso dos sistemas sanitários e médicos de Gaza, cerca de um quarto da população de Gaza poderá morrer no espaço de um ano, principalmente devido a doenças ou à falta de acesso a cuidados médicos, de acordo com uma estimativa recente do Prof. Devi Sridhar, diretor do departamento de saúde pública global da Universidade de Edimburgo.

Se os combates em Gaza terminarem em breve, este cataclisma poderá ser de ordem menor. Mas no final de dezembro, Netanyahu sugeriu que a guerra de Israel em Gaza “duraria muitos meses”, embora com menos tropas. O ministro da Defesa Gallant disse que o conflito poderia levar anos. E enquanto as hostilidades em Gaza continuarem, Israel não permitirá que a maioria dos deslocados de Gaza regresse às suas casas por razões de segurança, informou recentemente o jornalista israelense Nadav Eyal. Não poderão regressar durante “pelo menos um ano”, sugeriu.

Prédios do bairro de Al-Rimal, em Gaza, foram alvos de bombardeio israelense Foto: Loay Ayyoub / The Washington Post

Pressão sobre o Egito

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Em outras palavras, é provável que a catástrofe humanitária persista. E quanto mais tempo durar, mais pressão o Egito sentirá para a aliviar, deixando entrar os residentes de Gaza. É muito provável que os funcionários israelenses continuem a apresentar essa migração como voluntária, apesar de terem criado as condições que a precipitaram.

Até agora, tanto o presidente do Egito, Abdel Fattah el-Sisi, como o governo Biden têm dito que se opõem firmemente à deslocação da população de Gaza. O Departamento de Estado dos EUA disse na semana passada que o governo israelense tem dito repetidamente às autoridades americanas que a reinstalação fora de Gaza não é a sua política oficial.

Mas alguns membros do governo de Israel acreditam que o Egito - que deve aos credores 28 mil milhões de dólares em pagamentos de dívidas no próximo ano - é vulnerável a pressões. E a política dos EUA pode sempre mudar: Questionada no mês passado sobre o que deveria acontecer aos palestinianos de Gaza, a candidata presidencial republicana Nikki Haley respondeu: “Deveriam ir para países pró-Hamas”.

Publicidade

Primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu conversa com ministros em Jerusalém Foto: AP / AP

Temor histórico

Há um pano de fundo histórico arrepiante para tudo isto. Os palestinos em Gaza sabem que, se partirem, é pouco provável que Israel os deixe regressar. Sabem disso porque a maior parte deles são descendentes da expulsão e da fuga que ocorreram por altura da fundação de Israel, em 1948, a que os palestinianos chamam de nakba. Vivem em Gaza porque Israel não permitiu que as suas famílias regressassem aos locais que depois se tornaram parte de Israel. Centenas de milhares de outros palestinos foram deslocados quando Israel conquistou a Cisjordânia e a Faixa de Gaza em 1967. O país também não permitiu que muitos desses refugiados regressassem.

Os dirigentes israelenses raramente lamentam estas deslocações em massa. Por vezes, até as invocam como precedentes. Dirigindo-se aos palestinianos no Facebook depois de três israelitas terem sido assassinados na Cisjordânia em 2017, Tzachi Hanegbi, o atual conselheiro de segurança nacional de Israel, avisou: “É assim que começa uma ‘nakba’. Assim mesmo. Lembrem-se de 48. Lembrem-se de 67″.

Terminou o seu post com as palavras: “Foram avisados!”

O mundo também foi avisado.

* Peter Beinart é professor de jornalismo e ciência política na Newmark School of Journalism da City University of New York. É também editor geral da Jewish Currents e escreve o Beinart Notebook, um boletim informativo semanal.

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.