PUBLICIDADE

Obra em praça de Roma encontra cabeça de mármore em perfeito estado

Arqueólogos estudam objeto para definir sua datação, mas hipótese é de que pertença ao período entre 27 a.C e o ano 14, período do império Augusto

Foto do author Redação
Por Redação

Uma cabeça de mármore feminina, intacta, foi encontrada por trabalhadores da construção civil durante obras da praça Augusto Imperatore, no centro histórico de Roma, na Itália. O anúncio foi feito pelo prefeito da cidade, Roberto Gualtieri, em seu Twitter, na quinta-feira, 6.

“#Roma continua a devolver preciosas evidências de seu passado: uma esplêndida cabeça de mármore intacta foi encontrada durante as obras na Piazza Augusto Imperatore supervisionadas pela @Sovrintendenza (a Superintendência Capitolina). Arqueólogos e restauradores estão ocupados limpando e estudando a descoberta”, escreveu o prefeito.

PUBLICIDADE

Com um acabamento refinado, a cabeça, esculpida em mármore grego, provavelmente pertence a uma estátua de uma divindade feminina, como Afrodite, segundo o superintendente capitolino, Claudio Parisi Presicce. “Mostra um penteado refinado de cabelo preso na parte de trás graças a uma ‘taenia’, uma fita amarrada no topo da cabeça”, disse.

A Superintendência Capitolina é órgão oficial de Roma responsável por administrar o patrimônio arqueológico, histórico-artístico e monumental da cidade.

Com acabamento refinado, a cabeça, esculpida em mármore grego, provavelmente pertence a uma estátua de uma divindade feminina, como Afrodite Foto: Superintendência Capitolina de Roma/Divulgação

De acordo com a prefeitura de Roma, o objeto, que tem dimensões reais, foi encontrado na fundação de uma parede antiga, mas está preservado e considerada intacto. A cabeça foi reutilizada como material de construção. Ela estava virada para baixo, protegida por um banco de argila sobre a qual repousa a fundação da parede.

“A reutilização de esculturas de obras, mesmo de importância significativa valor, foi uma prática muito comum nos finais da Idade Média, o que permitiu, como neste caso, a feliz preservação de importantes obras de arte”, diz o comunicado divulgado pela prefeitura de Roma.

A cabeça está agora a cargo de restauradores para a limpeza, e de arqueólogos para uma correta identificação e uma primeira proposta de datação, que parece estar ancorada na época augusta”, disse o superintendente, em referência ao período do primeiro imperador romano, entre 27 a.C e o ano 14.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.