PUBLICIDADE

ONU relata ‘grande número’ de baleados após tiroteio israelense em Gaza

Organização estima que 2,2 milhões dos 2,4 milhões de palestinos estão ameaçados pela fome após cinco meses do conflito

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

AFP - Uma equipe da ONU disse ter encontrado um “grande número” de feridos a bala em um hospital da Faixa de Gaza depois que soldados de Israel dispararam contra uma multidão perto de um comboio humanitário, um acontecimento que mostra a situação desesperadora no território palestino.

PUBLICIDADE

No sábado, o exército israelense continuou a bombardear a Faixa de Gaza, matando pelo menos 92 pessoas nas últimas 24 horas, de acordo com o Ministério da Saúde do movimento islâmico palestino Hamas, que governa o território. Em resposta, os Estados Unidos anunciaram que participarão do lançamento aéreo de ajuda ao território palestino sitiado, que tem sido bombardeado incessantemente por Israel desde o início da guerra contra o Hamas, há quase cinco meses.

De acordo com a ONU, 2,2 milhões dos 2,4 milhões de habitantes do estreito território estão ameaçados pela fome após quase cinco meses de conflito, que já tirou a vida de mais de 30 mil pessoas. Na quinta-feira, soldados israelenses dispararam contra uma multidão faminta que havia cercado um comboio de ajuda humanitária no norte de Gaza.

De acordo com o Hamas, 115 pessoas foram mortas e 760 ficaram feridas. Uma equipe da ONU visitou o hospital Al Shifa da Cidade de Gaza no dia seguinte, onde dezenas de pessoas feridas na tragédia foram internadas. Lá eles viram “um grande número de pessoas feridas por balas”, disse Stéphane Dujarric, porta-voz do secretário-geral da ONU, Antônio Guterres.

Pessoas recebem atendimento em hospital de Rafah, no sul da Faixa de Gaza, após bombardeio de Israel, no dia 2 de março de 2024 Foto: AFP

A comunidade internacional exigiu uma investigação e um cessar-fogo imediato na guerra. O conflito foi desencadeado em 7 de outubro, quando comandos islâmicos do Hamas e outros grupos mataram cerca de 1.160 pessoas, a maioria civis, e sequestraram cerca de 250 no sul de Israel, de acordo com uma contagem da AFP baseada em dados israelenses.

Uma trégua de uma semana em novembro levou à troca de cerca de 100 reféns por 240 prisioneiros palestinos, e Israel estima que cerca de 130 pessoas permanecem em cativeiro, 30 das quais foram mortas desde então. Em resposta, Israel lançou uma operação aérea e terrestre para “aniquilar” o Hamas, um movimento que o país classifica, assim como os EUA e a União Europeia, como uma organização “terrorista”.

De acordo com correspondentes da AFP, Israel continuou seu bombardeio na Faixa de Gaza nas últimas horas, particularmente em Khan Younis e Rafah, no sul do território, em uma campanha que até agora matou 30.320 pessoas, a maioria mulheres e crianças, de acordo com o ministério da saúde do Hamas. Na sexta-feira, o presidente dos EUA, Joe Biden, anunciou que seu país participará “nos próximos dias” do lançamento aéreo de ajuda em Gaza.

Publicidade

Vários países, incluindo a Jordânia, começaram a enviar ajuda por via aérea para Gaza. A França, a Holanda, o Reino Unido e o Egito também apoiaram esse gesto. Por terra, a ajuda humanitária chega de forma muito limitada, através de Rafah, pois está sujeita a autorizações de Israel, que impõe um bloqueio a Gaza desde 2007. “Recebemos sacos de farinha da ajuda que chegou no dia do massacre em Gaza, na quinta-feira”, disse Hisham Abu Eid, de 28 anos, morador do bairro de Zeitun. “Mas isso não é suficiente. Todos estão com fome. A ajuda é escassa e insuficiente”.

Nos últimos dias, dez crianças morreram de “desnutrição e desidratação” no enclave, de acordo com o Ministério da Saúde de Gaza. O ministro das Relações Exteriores da França, Stéphane Séjourné, disse em uma entrevista publicada no sábado pelo jornal Le Monde que “a responsabilidade pelo bloqueio de ajuda é claramente israelense”.

Na frente diplomática, o Catar, os Estados Unidos e o Egito vêm tentando há semanas chegar a um acordo sobre uma trégua de seis semanas, incluindo a libertação de reféns em troca de prisioneiros palestinos e a entrada de grandes quantidades de ajuda em Gaza.

Na sexta-feira, Biden admitiu que a tragédia durante a distribuição de ajuda complica as negociações de trégua, mas disse que estava “esperançoso” de que um acordo poderia ser alcançado antes do início do Ramadã, por volta de 10 de março. “Espero que sim, ainda estamos trabalhando muito duro nisso. Ainda não chegamos lá”, disse ele.

O conflito provocou hostilidades com outros países da região. No sábado, o Hezbollah libanês anunciou a morte de três de seus membros em um bombardeio israelense que, de acordo com a agência de notícias libanesa, teve como alvo o veículo deles no sul do país.

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.