Mousavi diz não estar otimista sobre recurso contra eleição

Opositor apresentou denúncia de fraude eleitoral para Conselho dos Guardiães; protestos ganham força

PUBLICIDADE

Atualização:

Jovem iraniano picha mensagem de apoio a Mousavi na Torre da Liberdade, em Teerã. Foto: AP

TEERÃ - O candidato derrotado à presidência do Irã, o reformista Mir Hussein Mousavi, disse nesta segunda-feira, 15, em um comunicado em seu site na internet que não está otimista sobre o resultado do recurso para anular a eleição que será analisado pelo Conselho dos Guardiães - instância executiva da teocracia xiita.

 

Veja também:

linkIrã pede que imprensa internacional deixe o país

linkProtesto é 'demonstração de quem perdeu', diz Lula

linkEstudantes acusam milícia de invadir universidade no Irã

linkJornais iranianos omitem protestos e confrontos

Publicidade

link"Reeleição do presidente foi golpe de Estado"

som Podcast: Possibilidade de fraude na eleição é grande, diz especialista

lista Conheça os números do poderio militar do Irã

lista Altos e baixos da relação entre Irã e EUA

PUBLICIDADE

especial Especial: O programa nuclear do Irã

especial Especial: As armas e ambições das potências  

Nesta segunda-feira, milhares de pessoas saíram às ruas de Teerã para protestar contra a vitória de Ahmadinejad, desafiando uma proibição do Ministério do Interior. Mousavi esteve no protesto, em sua primeira aparição pública desde o resultado eleitoral. Apesar da proibição, as forças de segurança não tomaram nenhuma atitude contra os manifestantes. Enquanto caminhavam pelas ruas de Teerã com cartazes com os dizeres "onde está o meu voto?" e gritando "morte ao ditador", em referência a Ahmadinejad, os opositores encontraram dezenas de simpatizantes do governo.

Publicidade

 

O líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, ordenou uma investigação sobre as acusações de fraude eleitoral supostamente cometidas nas eleições presidenciais do país na semana passada, segundo afirmou nesta segunda-feira, 15, a TV estatal iraniana. Mousavi entrou com um pedido na Justiça solicitando que o pleito seja anulado, citando irregularidades. A ação será julgada dentro de 10 dias.

 

Ahmadinejad e o Ministério do Interior negaram as acusações de irregularidades na eleição. O país entrou no terceiro dia de protestos contra a reeleição

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.