Obama convida Netanyahu a visitá-lo na Casa Branca na semana que vem

Líderes tratarão de assuntos de segurança e negociações de paz no Oriente Médio

PUBLICIDADE

Atualização:

JERUSALÉM - O presidente dos EUA, Barack Obama, convidou nesta quarta-feira, 26, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, a visitar a Casa Branca na semana que vem para discussões bilaterais, anunciou o chefe de gabinete do governo americano, Rahm Emanuel.

 

PUBLICIDADE

O convite foi feito a Netanyahu pessoalmente por Rahm, que está em visita a Israel. "O presidente Obama me pediu para convidá-lo a visitar a Casa Branca para conversar sobre segurança e cooperação em buscar a paz entre Israel e seus vizinhos", disse o americano ao líder israelense.

 

A visita de Netanyahu deve se realizar na terça-feira, após as viagens do premiê à França, onde participa de uma cerimônia de ingresso de Israel na Organização de Comércio e Desenvolvimento Econômico (OCDE), e ao Canadá. A última vez em que os líderes se encontraram foi em março, também na Casa Branca.

 

No início daquele mês, Israel causou embaraço a Washington e irritou palestinos ao anunciar um projeto de construir mais 1.600 casas em Jerusalém Oriental durante a visita do vice-presidente americano, Joe Biden, apesar de uma paralisação parcial divulgada alguns dias antes.

 

As negociações de paz entre israelenses e palestinos estavam paralisada há 18 meses, quando o Estado judeu realizou a Operação Chumbo Fundido na Faixa de Gaza e matou milhares de civis. No início de maio, porém, os lados anunciaram a retomada das conversas, embora nenhum progresso tenha sido feito até agora.

 

Os palestinos exigem a suspensão total da construção de novos assentamentos como condição para que ocorram negociações diretas. A porção oriental de Jerusalém foi tomada pelos israelenses após a Guerra dos Seis Dias de 1967, e desde então são construídas casas para colonos judeus na área. Os assentamentos são considerados ilegais pela ONU.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.