Produtores da Argentina fazem ‘tratoraço’ em protesto contra o governo

Eles rejeitam pressão tributária adicional sobre o setor rural e demandam menos gastos políticos, entre outros

PUBLICIDADE

Por Redação
Atualização:
3 min de leitura

Um grupo de produtores rurais marchou neste sábado, 23, pelo centro de Buenos Aires, alguns deles em tratores, para protestar contra as políticas do governo da Argentina que consideram prejudiciais ao setor agropecuário.

A caravana, composta por 30 tratores e centenas de carros, motocicletas e outros veículos, avançou pelas avenidas da zona norte da capital até chegar à icônica Praça de Maio, em frente à Casa Rosada, sede do Executivo argentino.

Mais de mil pessoas se reuniram ali para encerrar o ato de protesto, que se espalhou por outras cidades do país, como Córdoba, Tucumán e Rosário.

Produtores rurais conduzem tratores pelas ruas de Buenos Aires em protesto contra o governo  Foto: Matias Campaya/EFE

Esse “tratoraço” não teve o respaldo institucional da chamada Mesa de Enlace, formada pelas quatro maiores associações patronais rurais da Argentina, embora tenha contado com o apoio de algumas entidades agropecuárias regionais e setores da oposição política.

Os motivos do protesto são diversos: além de rejeitar qualquer pressão tributária adicional sobre o setor rural, os organizadores clamaram por melhor administração pública dos recursos, menos gastos políticos e maior investimento em infraestrutura produtiva, entre outros pontos.

Da mesma forma, um grande número de cidadãos aproveitou a ocasião para sair às ruas e expressar sua rejeição ao governo nacional, com palavras de ordem contra a corrupção política e a favor da redução de impostos.

Continua após a publicidade

Marcha política

Nos últimos dias, o governo de Alberto Fernández questionou o protesto, argumentando que suas reivindicações “não são muito claras”.

“Não temos dúvidas de que esta é uma marcha absolutamente política e que tem a ver com outros interesses que não a defesa dos direitos legítimos dos agricultores no campo”, comentou a porta-voz presidencial, Gabriela Cerruti, em entrevista coletiva na sexta-feira.

Por sua vez, o prefeito de Buenos Aires, o opositor Horacio Rodríguez Larreta, pediu que o governo nacional “respeite” esses protestos, em vez de “promover confrontos” entre os trabalhadores.

Protesto de produtores e trabalhadores rurais tomam as ruas da capital argentina  Foto: EMILIANO LASALVIA / AFP

“Dada a expectativa do anúncio de que querem aumentar os impostos, como não vão se manifestar, como não vamos apoiá-los? Esse é o motor e o futuro da Argentina”, afirmou Rodríguez à emissora TN.

O protesto ocorre no quadro de uma forte alta nos preços internacionais das matérias-primas desde a invasão russa da Ucrânia, que favorece os agroexportadores da Argentina, um dos maiores produtores e exportadores mundiais de grãos e derivados, mas que tem impactado diretamente em uma aceleração da inflação doméstica, particularmente sobre os alimentos.

Continua após a publicidade

Além dessa situação derivada da guerra na Ucrânia, o setor agrícola argentino mantém uma relação difícil com os governos kirchneristas desde 2008, principalmente devido às altas taxas de impostos de exportação de grãos e derivados, uma importante fonte de receita para o Tesouro argentino./EFE

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.