Putin pode fazer ameaças nucleares se a guerra se arrastar, dizem EUA

Chefe da Agência de Inteligência de Defesa americana oferece uma avaliação sombria, a Rússia pode ‘confiar em sua intimidação nuclear’ para sinalizar força

PUBLICIDADE

Por Redação
Atualização:
4 min de leitura

WASHINGTON - Pode-se esperar que o presidente da Rússia, Vladimir Putin, faça ameaças de usar armas nucleares contra o Ocidente se a dura resistência ucraniana à invasão russa continuar, drenando a mão de obra e os equipamentos russos, de acordo com uma nova avaliação da Agência de Inteligência de Defesa do Pentágono.

“A ocupação prolongada de partes do território ucraniano ameaça esgotar a mão de obra militar russa e reduzir seu arsenal de armas modernizado, enquanto as consequentes sanções econômicas provavelmente lançarão a Rússia em prolongada depressão econômica e isolamento diplomático”, disse o tenente-general Scott Berrier, diretor da Agência de Inteligência de Defesa em seu novo resumo de 67 páginas de ameaças mundiais.

A combinação do desafio da Ucrânia e sanções econômicas ameaçará a “capacidade da Rússia de produzir munições guiadas de precisão modernas”, disse Berrier em depoimento enviado ao Comitê de Serviços Armados da Câmara para uma audiência na quinta-feira.

“À medida que esta guerra e suas consequências enfraquecem lentamente a força convencional russa”, acrescentou Berrier, “a Rússia provavelmente dependerá cada vez mais de sua dissuasão nuclear para sinalizar ao Ocidente e projetar força para seu público interno e externo”.

A avaliação sombria da agência do Pentágono sobre os interesses mais amplos da guerra ocorre na véspera de uma ligação entre o presidente Joe Biden e o presidente da China, Xi Jinping. Mesmo enquanto as autoridades dos EUA lutam para discernir a posição da China na guerra, Biden buscará a ajuda de Xi para aumentar a pressão sobre Moscou para acabar com ela.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, esperando o líder de Belarus, Alexander Lukashenko em 11 de março Foto: Mikhail Klimentyev/Sputnik, Kremlin via AP

Continua após a publicidade

Putin já anunciou que colocou o arsenal nuclear da Rússia em estado de alerta máximo. A Embaixada da Rússia em Washington não retornou imediatamente um pedido de comentário sobre o relatório da Agência de Inteligência de Defesa.

Ao contrário de um relatório sobre ameaças globais divulgado por várias agências de inteligência na semana passada com descobertas anteriores à invasão russa, o novo relatório reflete as informações de terça-feira.

Um alto funcionário do Pentágono disse a repórteres na quinta-feira que a invasão está em grande parte paralisada, com a Rússia contando até agora com mais de 1.000 ataques de mísseis de longo alcance na Ucrânia.

“Os esforços dos Estados Unidos para minar os objetivos da Rússia na Ucrânia, combinados com sua percepção de que os Estados Unidos são uma nação em declínio, podem levar a Rússia a se envolver em ações mais agressivas não apenas na própria Ucrânia, mas também mais amplamente em seu confronto percebido com o Ocidente”. disse Berrier.

Uma motivação chave para a invasão, disse ele, é a determinação da Rússia de “restaurar uma esfera de influência sobre a Ucrânia e os outros estados da antiga União Soviética”.

Ele acrescentou que “apesar da resistência maior do que o previsto da Ucrânia e perdas relativamente altas nas fases iniciais do conflito, Moscou parece determinada a avançar usando recursos mais letais até que o governo ucraniano esteja disposto a chegar a um acordo favorável a Moscou”.

Continua após a publicidade

Ordem de Putin

Berrier disse que a ordem de Putin em fevereiro de colocar as forças nucleares da Rússia em “tarefa especial de combate” refere-se a “preparações intensificadas destinadas a garantir uma transição rápida para um estado de alerta mais alto, caso a situação exija”.

Além de procurar intimidar os adversários da Rússia, disse ele, reflete “as visões doutrinárias de Moscou sobre o uso de armas nucleares táticas e não estratégicas para compelir um adversário” a buscar negociações “que possam resultar no término do conflito em termos favoráveis à Rússia, ou deter a entrada de outros participantes quando o progresso ofensivo russo de suas forças convencionais parece que pode ser revertido ou o conflito se prolonga”.

Sobre as forças convencionais, Berrier disse que os reveses da Rússia até agora na Ucrânia questionam os orgulhos de Putin sobre a capacidade de seus militares de deter ou derrotar ameaças com “caças de quinta geração, sistemas de mísseis de defesa aérea e costeira de última geração, novos navios de superfície e submarinos, tanques avançados, artilharia modernizada e comando, controle e logística militares aprimorados”./BLOOMBERG e W.POST