PUBLICIDADE

Quem é Hasan Nasrallah, o líder do Hezbollah?

Tensões no Oriente Médio podem aumentar com discurso de Nasrallah após o assassinato de dos líderes do Hamas em Beirute

Por Bryan Pietsch
Atualização:

Hasan Nasrallah, o líder do Hezbollah, um grupo militante apoiado pelo Irã com ampla influência política no Líbano, deve fazer um discurso na quarta-feira que pode indicar como o grupo responderá ao assassinato de um líder sênior do Hamas.

PUBLICIDADE

Saleh Arouri era hóspede de Nasrallah quando foi morto em uma explosão em um subúrbio de Beirute na terça-feira. O Hezbollah culpou Israel, embora Israel não tenha reivindicado a responsabilidade pelo ataque.

Nasrallah havia alertado anteriormente que “qualquer assassinato em solo libanês que tenha como alvo um libanês, palestino, sírio, iraniano ou outros certamente terá uma forte reação”.

O líder do Hezbollah, Sayyed Hassan Nasrallah, em 13 de novembro de 2013.  Foto: HASAN SHAABAN / REUTERS

A retaliação do Hezbollah poderia levar a um conflito regional mais amplo que, até agora, Israel, Irã e outros países têm evitado.

Aqui está o que você deve saber sobre o papel de Nasrallah no Hezbollah e suas opiniões sobre a guerra entre Israel e Gaza.

Quem é Hasan Nasrallah?

Nasrallah nasceu em Beirute em 1960. Estudou para se tornar um clérigo em seminários xiitas no Irã e no Iraque.

Ele teria se juntado ao Hezbollah no início da década de 1980, após a invasão israelense do Líbano em 1982. Tornou-se líder do grupo em 1992, após o assassinato de seu antecessor, Sayyad Abbas Musawi, pelas forças israelenses.

Publicidade

Nasrallah, 63 anos, liderou o Hezbollah durante a segunda metade da ocupação israelense do Líbano, que durou formalmente 15 anos no final do século XX.

Embora não seja tecnicamente um funcionário público no Líbano, Nasrallah é uma das figuras políticas mais importantes do país. O Hezbollah e seus aliados perderam a maioria nas eleições parlamentares do ano passado, mas ainda detêm a maior parte das cadeiras, em uma época de crise econômica e descontentamento generalizado.

Nasrallah é conhecido por seus discursos longos e bombásticos e por seu ceceio pronunciado. Seus seguidores o chamam de “The Sayyed” ou “Abu Hadi” - em árabe, pai de Hadi, seu filho que foi morto em confrontos com tropas israelenses em 1997.

Um apoiador segura uma foto do secretário-geral do Hezbollah, Hasan Nasrallah, durante um evento para marcar o quarto aniversário da morte do comandante iraniano Qasem Soleimani, no subúrbio sul de Beirute, Líbano, em 3 de janeiro de 2024.  Foto: ABBAS SALMAN / EFE

Um de seus momentos de maior triunfo foi durante a guerra de um mês que os militantes do Hezbollah e Israel travaram em 2006: Três dias após o início do conflito, ele estava falando no ar com o canal Al-Manar do Hezbollah e disse que as surpresas que havia prometido estavam prestes a começar. Um navio de guerra israelense foi alvejado na ocasião. “Vejam-no queimar”, disse ele.

Walid Phares, um comentarista político nascido no Líbano, disse ao Conselho de Relações Exteriores em 2010 que Nasrallah é visto por alguns no Líbano como uma “figura messiânica”.

Em uma reportagem de 2006 do Líbano, Robin Wright, então repórter do Washington Post que visitou Nasrallah em Beirute, escreveu que o rosto de Nasrallah era exibido em protetores de tela de computador, pôsteres e chaveiros. “Os táxis tocam seus discursos em vez de música”, relatou Wright.

Quais são seus pontos de vista?

Um dos principais objetivos do Hezbollah, de acordo com seu manifesto de 1985, é a destruição de Israel. Sob o comando de Nasrallah, o Hezbollah continuou a se envolver em conflitos com Israel.

Publicidade

Embora o Hamas seja sunita e o Hezbollah seja xiita, e os dois grupos militantes tenham discordado em outros conflitos na região, eles encontraram recentemente uma causa comum na oposição a Israel; destruir Israel também é um objetivo declarado do Hamas. Ambos os grupos foram classificados como organizações terroristas pelos Estados Unidos. Ambos recebem apoio do Irã, segundo especialistas e autoridades.

Sayyed Hassan Nasrallah em 16 de julho de 2008.  Foto: Khalil Hassan / REUTERS

A ocupação israelense do Líbano parece ter sido um fator de formação das motivações de Nasrallah. Ele disse a Wright em 2006 que ele e seus colegas testemunharam “o que aconteceu na Palestina, na Cisjordânia, na Faixa de Gaza, em Golã, no Sinai”.

Isso lhe ensinou que, no Líbano, “não podemos contar com os estados da Liga Árabe nem com as Nações Unidas”, disse ele. “A única maneira que temos é pegar em armas e lutar contra as forças de ocupação.”

O que Nasrallah disse sobre a guerra entre Israel e Gaza?

Desde o início do conflito, em 7 de outubro, quando o Hamas atacou Israel, o Hezbollah e Israel trocaram tiros perto da fronteira entre Israel e Líbano. No entanto, não está claro até que ponto o Hezbollah se envolverá na guerra entre o Hamas e Israel, em meio a temores de uma escalada regional mais ampla.

Nasrallah fez seus primeiros comentários públicos sobre o assunto em um discurso na sexta-feira, dizendo que o Hezbollah e outros aliados do Hamas não tinham conhecimento dos planos para o ataque de 7 de outubro, mas que o Hamas não tinha “outra escolha” a não ser atacar Israel. “A outra escolha”, disse ele, “teria sido o silêncio e a morte”.

Palestinos passam pelo prédio destruído no bombardeio israelense na Faixa de Gaza, na Cidade de Gaza, na quarta-feira, 3 de janeiro de 2024.  Foto: Mohammed Hajjar / AP

Em seu discurso, Nasrallah se gabou de que os ataques “diários e direcionados” do Hezbollah contra Israel estavam distraindo e enfraquecendo o país em sua luta contra o Hamas. Ele advertiu Israel contra qualquer “agressão ou ataque preventivo” contra o Líbano, o que, segundo ele, seria “a maior idiotice da história de sua existência”.

Publicidade

O combate do Hezbollah com Israel na fronteira, disse ele, “é uma frente de solidariedade e apoio a Gaza”.

Essa frente está evoluindo com base nos desenvolvimentos em Gaza, disse ele, acrescentando que “todas as opções estão sobre a mesa e podemos ir em direção a elas a qualquer momento”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.