Rede do YouTube pró-China usou I.A. para difamar os EUA, segundo relatório

O conteúdo de pelo menos 30 canais da rede obteve quase 120 milhões de visualizações e 730.000 assinantes desde o ano passado.

PUBLICIDADE

Por Tiffany Hsu e Steven Lee Myers

THE NEW YORK TIMES - Em um tom levemente afetado e com uma gramática um pouco estranha, a voz com sotaque americano no YouTube no mês passado ridicularizou a maneira como Washington lidou com a guerra entre Israel e o Hamas, alegando que os Estados Unidos não conseguiram “desempenhar seu papel de mediador como a China” e “agora se encontram em uma posição de isolamento significativo”.

PUBLICIDADE

A publicação de 10 minutos foi um dos mais de 4.500 vídeos em uma rede excepcionalmente grande de canais do YouTube que divulgam narrativas pró-China e anti-EUA, de acordo com um relatório desta semana do Australian Strategic Policy Institute, um think tank focado em segurança.

Alguns dos vídeos usavam avatares ou narrações gerados artificialmente, tornando a campanha a primeira operação de influência conhecida pelo instituto a combinar vozes de inteligência artificial com ensaios em vídeo.

O objetivo da campanha, de acordo com o relatório, era claro: influenciar a opinião global a favor da China e contra os Estados Unidos. Os vídeos promoviam narrativas de que a tecnologia chinesa era superior à americana, que os Estados Unidos estavam condenados ao colapso econômico e que a China e a Rússia eram atores geopolíticos responsáveis. Alguns dos clipes elogiavam empresas chinesas como a Huawei e denegriam empresas americanas como a Apple.

Uma campanha viral on-line gerada por IA promoveu narrativas de que a tecnologia chinesa era superior à dos Estados Unidos Foto: Edgar Su/Reuters

O conteúdo de pelo menos 30 canais da rede atraiu quase 120 milhões de visualizações e 730.000 assinantes desde o ano passado, juntamente com anúncios ocasionais de empresas ocidentais, segundo o relatório.

Alguns dos vídeos apresentavam títulos e roteiros que pareciam ser traduções diretas de frases chinesas comuns e nomes de empresas chinesas, segundo o relatório. Outros mencionavam informações que podiam ser rastreadas até notícias produzidas e circuladas principalmente na China continental.

Desinformação

A desinformação - como a falsa alegação de que algumas nações do sudeste asiático haviam adotado o yuan chinês como sua própria moeda - era comum. Os vídeos geralmente eram capazes de reagir rapidamente a eventos atuais. Jacinta Keast, analista do instituto australiano, escreveu que a campanha coordenada pode ser “uma das mais bem-sucedidas operações de influência relacionadas à China já testemunhadas nas mídias sociais”.

Publicidade

O YouTube disse em um comunicado que suas equipes trabalham 24 horas por dia para proteger sua comunidade, acrescentando que “investimos muito em sistemas robustos para detectar proativamente operações de influência coordenadas”. A empresa disse que acolheu os esforços de pesquisa e que fechou vários dos canais mencionados no relatório por violarem as políticas da plataforma.

Os esforços para promover mensagens pró-China proliferaram nos últimos anos, mas apresentaram, em grande parte, conteúdo de baixa qualidade que atraiu engajamento limitado ou não conseguiu sustentar públicos significativos, disse Keast.

Homem passa por um cartaz sobre a Inteligência Artificial durante a Conferencia Mundial de Inteligência Artificial em Xangai, China  Foto: Aly Song/Reuters

“Essa campanha, na verdade, aproveita a inteligência artificial, o que lhe dá a capacidade de criar conteúdo persuasivo de ameaças em escala a um custo muito limitado em comparação com as campanhas anteriores que vimos”, disse ela.

Vários outros relatórios recentes sugeriram que a China se tornou mais agressiva ao pressionar a propaganda que denigre os Estados Unidos. Historicamente, suas operações de influência têm se concentrado em defender o governo do Partido Comunista e suas políticas em questões como a perseguição aos uigures ou o destino de Taiwan.

A China começou a visar os Estados Unidos mais diretamente em meio aos protestos em massa pró-democracia em Hong Kong em 2019 e continuou com a pandemia de Covid-19, ecoando os esforços russos de longa data para desacreditar a liderança e a influência americanas no país e no exterior.

Durante o verão, pesquisadores da Microsoft e de outras empresas descobriram evidências de contas não autênticas que a China empregou para acusar falsamente os Estados Unidos de usar armas de energia para provocar os incêndios florestais mortais no Havaí em agosto.

O presidente da China, Xi Jinping, conversa com o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, após uma reunião bilateral em São Francisco, Estados Unidos  Foto: Kevin Lamarque/Reuters

Em um relatório de setembro, o Departamento de Estado acusou a China de usar “métodos enganosos e coercitivos” para moldar o ambiente global de informações, incluindo a criação de contas falsas de mídia social e até mesmo organizações de notícias falsas. Outras pesquisas sugerem que a China tem espalhado ativamente a desinformação em Taiwan de que os Estados Unidos acabarão traindo a nação insular.

Publicidade

A Meta anunciou no mês passado que removeu 4.789 contas do Facebook da China que estavam se passando por americanos para debater questões políticas, alertando que a campanha parecia estar preparando o terreno para interferência nas eleições presidenciais de 2024. Essa foi a quinta rede com vínculos com a China que a Meta detectou este ano, a maior de todos os outros países.

O advento da tecnologia artificial parece ter atraído um interesse especial de Pequim. Keast, do instituto australiano, disse que os vendedores de desinformação estavam usando cada vez mais programas de edição de vídeo e IA de fácil acesso para criar grandes volumes de conteúdo convincente.

Ela disse que a rede de canais pró-China no YouTube provavelmente alimentou scripts em inglês com software de texto para vídeo on-line prontamente disponível ou outros programas que não exigem conhecimento técnico e podem produzir clipes em minutos. Esses programas geralmente permitem que os usuários selecionem narração de voz gerada por IA e personalizem o gênero, o sotaque e o tom de voz.

Algumas das vozes usadas na rede pró-China eram claramente sintéticas.Keast observou que o áudio não tinha pausas naturais e incluía erros de pronúncia e notas ocasionais de interferência eletrônica. Ocasionalmente, vários canais da rede usavam a mesma voz. (Um grupo de vídeos, no entanto, tentou fazer com que os espectadores pensassem que uma pessoa real estava falando, incorporando áudio como “Eu sou seu apresentador, Steffan”).

Em 39 dos vídeos, Keast encontrou pelo menos 10 avatares gerados artificialmente, anunciados por uma empresa britânica de I.A. Ela escreveu que também descobriu o que pode ser o primeiro exemplo em uma operação de influência de um avatar digital criado por uma empresa chinesa - uma mulher de vestido vermelho chamada Yanni.

A escala da rede pró-China provavelmente é ainda maior, de acordo com o relatório. Canais semelhantes pareciam ter como alvo os indonésios e os franceses. Três canais separados publicaram vídeos sobre a produção de chips que usavam imagens em miniatura semelhantes e o mesmo título traduzido para o inglês, francês e espanhol.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.