PUBLICIDADE

Republicanos bloqueiam ajuda à Ucrânia, comprometendo o financiamento americano na guerra

A votação destacou o declínio do apoio do Congresso à Ucrânia na guerra, sinalizando que o suporte americano pode estar chegando ao fim

Por Karoun Demirjian
Atualização:

THE NEW YORK TIMES -O Partido Republicano bloqueou na quarta-feira, 6, um projeto de lei de gastos de emergência para financiar a guerra na Ucrânia, exigindo em troca uma mudança na política das fronteiras com o México e comprometendo o esforço do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, para reabastecer os cofres de guerra dos aliados americanos antes do final do ano.

PUBLICIDADE

A votação fracassada destacou o declínio do apoio dos Estados Unidos no esforço para financiar a Ucrânia, em um momento negativo para Kiev, que não conseguiu deslanchar a contraofensiva. Embora o projeto tenha falhado por conta de questões políticas relacionadas a imigração, os republicanos estão com um apetite cada vez menor de apoiar Kiev, segundo várias pesquisas de opinião dentro do partido.

No Senado, a votação para avançar com o projeto foi de 49 a 51, abaixo do limite de 60 votos necessários para avançar.

O presidente da Câmara dos Deputados dos EUA, Mike Johnson, conversa com repórteres em Washington, Estados Unidos  Foto: Al Drago/The New York Times

Os republicanos se mantiveram contra o projeto proposto pelos Democratas, de US$ 111 milhões, que forneceria um pacote financeiro para diversos países. 50 milhões de dólares iriam para a Ucrânia e 14 milhões para Israel. Eles votaram não, apesar de uma série de apelos de última hora dos democratas e de um pedido de Biden, que disse estar preparado para oferecer “compromissos significativos” na fronteira e os repreendeu por abandonarem a Ucrânia em um momento de necessidade.

“Não se engane: a votação de hoje será lembrada por muito tempo e a história julgará duramente aqueles que viraram as costas à causa da liberdade”, disse Biden na quarta-feira na Casa Branca, poucas horas antes da votação. Ele disse que os republicanos estavam “dispostos a literalmente dar uma joelhada na Ucrânia no campo de batalha e prejudicar a nossa segurança nacional no processo”.

Sem o pacote para Kiev, a chance de que a Ucrânia receba ajuda adicional americana até o final do ano é improvável. O conselheiro de segurança nacional, Jake Sullivan, afirmou que a “capacidade de defesa da Ucrânia será substancialmente limitada” se o Congresso não aprovar financiamento adicional em breve.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, assina um livro de convidados durante uma visita a Kiev, junto ao presidente da Ucrânia, Volodimir Zelenski  Foto: Evan Vucci / AP

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, “tem sido bastante público e vocal sobre a sua noção de que se a ajuda militar dos Estados Unidos cessar, isso significará que a Rússia derrotará a Ucrânia”, acrescentou Sullivan.

Publicidade

Autoridades do Pentágono questionaram as alegações da Casa Branca de que Kiev está prestes a ficar sem dinheiro americano. Eles disseram que a administração será capaz de continuar a ajudar militarmente a Ucrânia durante o inverno, distribuindo US$ 4,8 milhões para enviar armas a Kiev.

Os republicanos, mesmo aqueles que têm sido defensores ferrenhos do apoio a Ucrânia, culparam os democratas por se recusarem a ceder às suas exigências de grandes mudanças na política de imigração como o preço para garantir mais assistência para Kiev.

“Aparentemente, alguns dos nossos colegas preferem deixar a Rússia pisotear uma nação soberana na Europa do que fazer o que for necessário para impor as próprias fronteiras soberanas dos EUA”, disse o senador Mitch McConnell, o líder da minoria, no plenário do Senado. “Eles estão convencidos de que vale a pena comprometer a segurança em todo o mundo com fronteiras abertas.”

O líder republicano no Senado, Mitch McConnel, participa de sessão no Capitólio, em Washington  Foto: Al Drago / NYT

Outro lado

Os democratas alegam que haviam destinado 20 milhões de dólares em seu pacote para reforças medidas de segurança nas fronteiras, acusando os republicanos de uma falsa crise.

PUBLICIDADE

“Não se pode dizer ‘sou a favor da Ucrânia, mas apenas se conseguir que esta política totalmente independente seja promulgada’”, disse o senador Brian Schatz, democrata do Havai. “Você não pode impedir Putin de assumir o controle de um país pela força e depois votar contra o fornecimento à Ucrânia dos recursos para fazer exatamente isso.”

Os democratas votaram por unanimidade a favor da aprovação da medida, mas o senador Bernie Sanders, de Vermont, um independente que normalmente vota com eles, juntou-se aos republicanos na oposição. Em uma carta aos seus colegas, Sanders argumentou que seria “absolutamente irresponsável” fornecer a Israel milhões de dólares em assistência militar incondicional, dado o crescente número de mortes de civis em Gaza.

O senador americano Bernie Sanders, que é independente, mas geralmente vota com os Democratas, não apoiou o pacote do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden  Foto: Amanda Andrade-Rhoades/Reuters

Mas o caminho a seguir não estava claro. Enquanto alguns políticos estavam considerando os próximos prazos de financiamento do governo, em janeiro e fevereiro, como futuras oportunidades para chegar a um acordo, outros temem que a espera durante meses possa pôr em perigo o esforço de guerra da Ucrânia.

Publicidade

“O tempo está passando”, disse a senadora Patty Murray, democrata de Washington e presidente do Comitê de Dotações, no plenário do Senado. “A ajuda aos nossos aliados na Ucrânia acabou e o mundo inteiro está agora atento para ver se os EUA são agora capazes de apoiar todos os seus aliados em tempos de necessidade.” Antes da votação, Biden admitiu que a fronteira deveria ser resolvida, dizendo: “Precisamos consertar o sistema fronteiriço quebrado. Está quebrado.”

Negociações

Nas conversas entre os dois partidos nas últimas semanas para encontrar um meio termo, os democratas do Senado concordaram em dificultar os pedidos de asilo nos EUA, mas recusaram propostas mais restritivas dos republicanos. O presidente da Câmara dos Deputados dos EUA, Mike Johnson, exigiu a proibição do uso de um aplicativo para agilizar a entrada de imigrantes nos EUA.

O líder democrata no Senado, Chuck Shumer, fez um último esforço esta semana para manter vivo o projeto de lei de gastos, oferecendo aos republicanos a chance de tentar adicionar uma emenda de segurança fronteiriça à medida – desde que conseguissem 60 votos a favor.

Mas os republicanos não aceitaram a oferta de Schumer. Em vez disso, imediatamente após a votação, um grupo de republicanos tomou a palavra para insistir que o Senado abandonasse o esforço para aprovar o abrangente pacote de segurança nacional e se concentrasse em acelerar a ajuda a Israel.

O líder da maioria no Senado americano, Chuck Shumer, participa de coletiva de imprensa em Washington, EUA  Foto: J. Scott Applewhite / AP

Em um discurso na quarta-feira, Schumer questionou se os republicanos estavam mesmo interessados em fazer um acordo – ou se o objetivo tinha sido abandonar a Ucrânia desde o início.

“A fronteira não passou de uma desculpa para a extrema direita acabar com o financiamento para a Ucrânia e muitos outros senadores republicanos que não fazem parte da extrema direita estão concordando?” ele disse. “Porque não temos muito tempo para continuar negociando se tudo o que fizermos for andar em círculos.”

O Secretário da Defesa dos EUA, Lloyd Austin, também se comprometeu com a Ucrânia, apesar da discordância com os republicanos sobre o financiamento.

Publicidade

“Juntamente com os nossos aliados e parceiros, estou confiante de que temos todas as peças de que necessitamos para ajudar os nossos amigos ucranianos a sustentar a sua luta pela sua soberania a longo prazo”, disse Austin.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.