Análise|O que a revelação do câncer de Kate Middleton mostra sobre as lições aprendidas pela mídia inglesa

Embora a princesa não tenha respondido a questões essenciais sobre a sua doença, o anúncio feito por ela pode dissipar a maior parte das teorias da conspiração que a têm envolvido

PUBLICIDADE

Durante mais de dois meses, Kate Middleton, a Princesa de Gales, perdeu o controle da sua história para uma espiral de rumores online selvagens e sem fundamento. Na sexta-feira à noite, com um vídeo de dois minutos e 13 segundos, ela decidiu recuperar essa condição.

PUBLICIDADE

Para conseguir isso, a princesa teve de divulgar a dolorosa notícia de que luta contra um câncer potencialmente fatal, o tipo de revelação profundamente pessoal a que ela e o marido, o Príncipe William, há muito resistiam.

Kate, de 42 anos, tomou a decisão de gravar ela própria o vídeo, disseram no sábado três pessoas familiarizadas com o processo de planejamento. Anteriormente, ela tinha decidido publicar um pedido de desculpas por ter alterado digitalmente uma fotografia sua com os seus três filhos, que desencadeou uma nova onda de teorias da conspiração depois que foi divulgada no Dia das Mães da Grã-Bretanha.

“Foi perfeito do ponto de vista dela”, disse Peter Hunt, um antigo correspondente real da BBC. “O fato de ser um vídeo foi uma resposta a todas as perguntas sobre o seu paradeiro.”

Notícias de jornais britânicos, todos com manchetes sobre Kate, Princesa de Gales, depois que ela revelou tratamento de um câncer Foto: Toby Melville/Reuters

Ao optar por tornar pública a notícia dessa forma, Kate conquistou um lugar para si nos anais da família real britânica e entre as mulheres da Casa de Windsor. O vídeo, na sua franqueza e emoção mal escondida, recordou a mensagem televisiva da Rainha Elizabeth II dias depois do acidente de carro que matou a Princesa Diana, Princesa de Gales, em 1997.

Kate parecia estar seguindo o modelo de Elizabeth, cujo vídeo tinha como objetivo apagar outra tempestade midiática, sobre se ela e a família real não tinham demonstrado o luto adequado após a morte de Diana. Também a diferenciava de Diana, que acabou por ser vítima das correntes midiáticas que a rodeavam.

Embora Kate não tenha respondido a questões essenciais sobre a sua doença — Que tipo de câncer? Até onde se espalhou? Durante quanto tempo será tratada com quimioterapia? —, o anúncio pode dissipar a maior parte das teorias da conspiração que a têm envolvido desde que foi submetida a uma cirurgia abdominal em janeiro.

Publicidade

Tal como o Rei Charles III, que confirmou no mês passado que também tem um câncer, a política de revelação parcial parece ter sido calculada para satisfazer um público e uma imprensa incansavelmente curiosos, preservando alguma privacidade. No caso de Kate, isso parecia particularmente importante, tendo em conta os seus três filhos pequenos.

“Eles sabem que não podem controlar o mundo online”, disse Hunt. “Mas esperam que, depois disso, os meios de comunicação social se reavaliem e deixem de reciclar esses absurdos. Vão deixar claro aos jornais que têm uma expectativa de privacidade.”

Numa apresentação, na sexta-feira, para os jornalistas que cobrem a família real, um porta-voz do Palácio de Kensington deu a mesma resposta cinco vezes a perguntas sobre a natureza e a extensão do câncer de Kate, onde e com que frequência estava sendo tratada e por que razão foi operada.

“Não compartilharemos mais nenhuma informação médica privada”, disse o porta-voz. “A princesa tem direito à privacidade médica, tal como todos nós.”

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

A hospitalização de Kate deu início a um ciclo de especulação que foi extraordinário até mesmo para os padrões da família real. O seu estado de saúde, o seu paradeiro e a sua relação com William foram interminavelmente dissecados nas redes sociais, chegando mesmo a fazer parte do monólogo do apresentador de televisão americano Stephen Colbert.

O Palácio de Kensington, onde Kate e William têm os seus escritórios, teve dificuldades em gerir a crise desde o início. A sua recusa em revelar pormenores sobre o estado de saúde de Kate quando deu entrada no hospital criou um vazio de informação que um exército online rapidamente preencheu com teorias cada vez mais estapafúrdias.

Quando o palácio distribuiu a fotografia de Kate, ladeada por George, Charlotte e Louis, o objetivo era que servisse como uma espécie de prova de vida. Mas o plano saiu pela culatra depois de as agências Associated Press, Reuters e outras encontrarem provas de que a imagem tinha sido manipulada.

Publicidade

Longe de acabar com a especulação, a notícia deu origem a mais rumores, deixando o palácio inquieto e impactado. Nessa altura, segundo pessoas que acompanharam o processo, Kate decidiu publicar na sua conta das redes sociais que tinha sido ela a responsável pela edição da fotografia, apesar de ter sido tirada por William.

O caos agravou-se na semana passada, depois de ter surgido um vídeo de Kate e William saindo de uma loja de produtos alimentares perto da sua casa em Windsor. Embora essas pessoas tenham insistido que o palácio não orquestrou a aparição, os funcionários não fizeram qualquer pressão sobre os jornais que publicaram as imagens, o que não é habitual para William, que reclama aos jornais para não publicarem fotografias do tipo paparazzi.

O fato de o casal ter de revelar o câncer nunca esteve em questão, de acordo com uma das pessoas, que aconselhou o palácio nos últimos dias e que falou sob condição de anonimato por razões de privacidade. As alegações, na semana passada, de que membros do pessoal da London Clinic, onde Kate foi tratada, tinham tentado acessar os seus registros médicos privados, lembraram que seria quase impossível manter esse tipo de informação em segredo indefinidamente.

A questão era saber quando e como. A equipe de comunicação analisou várias opções, disse essa pessoa, entre as quais esperar até depois da Páscoa. O casal escolheu sexta-feira porque era o dia em que os filhos começavam as férias escolares, o que significava que não teriam de enfrentar perguntas no recreio sobre a doença da mãe.

Foto postada pelo Palácio de Kensington foi retirada do ar por diversas agências de notícias após sinais de manipulação; Kate confirmou que a foto foi editada e pediu desculpas Foto: Reprodução X/@KensingtonRoyal

Uma vez marcada a data para a revelação, os funcionários discutiram se deveriam emitir uma declaração escrita do palácio — como o Palácio de Buckingham fez com o diagnóstico de câncer de Charles — ou se Kate deveria publicar a notícia nas contas do casal no Instagram e no X. Mas dadas as consequências da fotografia do Dia das Mães, Kate optou por falar diretamente para uma câmera.

Em vez de gravar o vídeo com uma equipe interna ou contratar uma empresa privada, o palácio contactou a BBC Studios, o braço de produção da empresa, o que também foi deliberado, segundo essa pessoa, porque queria a impressão da emissora pública britânica no vídeo, depois do fracasso da fotografia.

Acrescentando às complicações, estava a rotação de pessoal no Palácio de Kensington. O novo secretário privado de William, Ian Patrick, assumiu as suas funções há apenas duas semanas. Antigo diplomata britânico que serviu na Bósnia, trabalhou de perto no processo com o tenente-coronel Tom White, que começou este mês como secretário privado de Kate. Este último é um antigo oficial dos Royal Marines que serviu como escudeiro, ou assistente, de Elizabeth.

Publicidade

Os dois homens trabalharam com Lee Thompson, um antigo funcionário de relações-públicas da NBC que é o secretário de comunicação do casal. Também consultaram vários antigos conselheiros de comunicação, de acordo com outra pessoa informada pelo palácio, que falou sob condição de anonimato por razões de privacidade.

Apesar de todo o drama que envolveu o anúncio, ele não vai pôr completamente de lado as questões sobre Kate. O palácio continua a proteger a privacidade da família, recusando-se a comentar sobre o seu paradeiro no sábado, por exemplo.

“William tem dois aspectos cruciais ao assumir o seu destino como futuro rei: privacidade e controle”, afirmou Hunt. “Ele teve de ceder o controle para dar privacidade à sua mulher. Mas ao concentrarem-se tanto na privacidade, criaram o vazio de informação que resultou em todo esse ruído branco e absurdos.”

Pelo menos na sexta-feira, Kate silenciou o ruído.

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Análise por Mark Landler
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.