Rússia aumenta pressão por funeral secreto e ameaça enterrar Navalni no terreno da prisão

Porta-voz afirma que autoridades deram à mãe um ultimato; família se recusa a negociar

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação

MOSCOU - Autoridades da Rússia ameaçaram enterrar o opositor Alexei Navalni no terreno da prisão no Ártico onde morreu semana passada, caso a mãe Liudmila não concordasse com um funeral secreto, disse a a porta-voz Kira Yarmish nesta sexta-feira, 23.

PUBLICIDADE

As autoridades deram à mãe um prazo de três horas para concordar com o ultimato, mas ela se recusou a negociar, argumentando que elas não tinham o direito legal de decidir a hora e o local do enterro de seu filho, segundo Yarmish.

“Ela (Liudmila) está exigindo o cumprimento da lei, que determina que os investigadores entreguem o corpo dentro de dois dias, a partir do momento em que a causa da morte for estabelecida”, disse Yarmish em um comunicado divulgado no X (antigo Twitter). Os dois dias expiram no sábado.

Homenagem a Alexei Navalni, opositor do Kremlin que morreu na prisão Foto: AP / Kirsty Wigglesworth

Na quinta-feira, as autoridades entregaram uma certidão de óbito a Liudmila dizendo que Navalni morreu de causas naturais.

“A mãe do sr. Navalni está insistindo para que as autoridades permitam a realização de um funeral e um serviço memorial de acordo com a tradição”, acrescentou Yarmish. Não ficou claro se as autoridades russas fariam realmente o enterro do corpo de Navalni na prisão ontem, depois que o prazo dado à mãe chegou ao fim.

O Kremlin há muito tempo trata Navalni como alguém insignificante, e Putin até evita dizer seu nome em público. Mas a luta por seu corpo sugeriu o contrário, já que as autoridades russas demonstraram intensa sensibilidade à possibilidade de um funeral público em meio a uma repressão geral à dissidência.

As autoridades russas detiveram ou prenderam centenas de apoiadores de Navalni nos últimos dias, em alguns casos simplesmente por depositarem flores em memoriais para marcar sua morte./COM W. POST E NY TIMES

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.