PUBLICIDADE

Porta que soltou de avião da Alaska Airlines em pleno voo é encontrada em quintal de Portland

Jennifer Homendy, presidente do Conselho Nacional de Segurança no Transporte, apontou que a entidade está investigando o acidente e que todas as aeronaves deste modelo da Boeing foram enviadas para manutenção

Por Kelly Kasulis Cho

A tampa da porta que se soltou da fuselagem de um avião da Alaska Airlines sobre Portland, no Estado americano de Oregon, na sexta-feira, 5, foi encontrada no quintal da casa de uma professora, em meio a investigações sobre o acidente de despressurização explosiva que desencadeou um pouso de emergência e resultou em grandes danos ao interior do avião.

PUBLICIDADE

A Alaska Airlines registrou que a luz de falha de pressurização automática do avião – projetada para sinalizar falhas no controle da pressão da cabine – acendeu em três voos nas semanas anteriores ao incidente de sexta-feira. Esses relatórios, em 7 de dezembro, 3 e 4 de janeiro, levaram a testes e ao reinício da manutenção, apontou Jennifer Homendy, presidente do Conselho Nacional de Segurança no Transporte, em entrevista coletiva no domingo à noite, 7.

Ela acrescentou que a companhia aérea restringiu o avião de voar para o Havaí caso precisasse de um pouso rápido, e que um pedido posterior da Alaska Airlines para uma análise mais aprofundada não foi atendido antes do incidente de sexta-feira.

Tampa do avião da Alasca Airlines saiu da aeronave durante um voo entre as cidades de Portland e Ontário  Foto: Conselho Nacional de Segurança no Transporte/AP

“É certamente uma preocupação e queremos nos aprofundar”, disse Homendy. Ela acrescentou que não está claro se a luz está ligada ao acidente e disse que é possível que a luz tenha funcionado mal independentemente do sistema de autopressurização do avião.

O voo 1282 estava a caminho de Ontário, no Estado da Califórnia, antes de ser forçado a retornar ao aeroporto depois que a porta – uma saída que é isolada, geralmente porque é considerada opcional nos regulamentos de segurança – foi separada do avião no ar. , logo após a decolagem. A explosão causou um som alto e forte e ventos gelados e violentos atingiram a aeronave.

A porta da cabine se abriu imediatamente, batendo na porta do banheiro e sacudindo o copiloto para frente, fazendo com que ele perdesse temporariamente o fone de ouvido, disse Homendy, citando entrevistas com comissários de bordo. O capitão e o primeiro oficial conseguiram colocar máscaras de oxigênio e ligar o alto-falante, mas “a comunicação era um problema sério”, disse ela.

Avião da Alasca Airlines está sendo investigado após uma das portas da aeronave sair durante um voo entre as cidades americanas de Portland e Ontario  Foto: Conselho Nacional de Segurança no Transporte/AFP

Os investigadores que examinaram o avião após o acidente descobriram que faltavam os encostos de cabeça de dois assentos diretamente adjacentes ao plugue da porta, bem como o encosto de um assento.

Publicidade

Um comissário sofreu ferimentos leves, de acordo com o sindicato que representa as tripulações do Alasca. Vários passageiros precisaram de atendimento médico devido a ferimentos, segundo a companhia aérea. O voo transportava 171 passageiros e seis tripulantes.

Pedaços de acabamento, painéis e isolamento foram arrancados do interior do avião, disse Homendy, e os danos eram visíveis em pelo menos 12 fileiras, incluindo o lado interno de algumas janelas. No entanto, estas peças “não são críticas para a estrutura da aeronave”, disse ela, acrescentando que os tubos de várias máscaras de oxigénio foram “cortados”.

“Minha impressão quando vi isso foi que deve ter sido um evento terrível de se vivenciar”, apontou a presidente do Conselho Nacional de Segurança no Transporte.

Funcionário do Conselho Nacional de Segurança no Transporte inspeciona o avião da Alasca Airlines  Foto: Conselho Nacional de Segurança no Transporte/AFP

Boeing

O acidente alimentou um novo escrutínio sobre a Boeing depois que ela encerrou um ano turbulento. Vídeos gravados por passageiros, que mostram máscaras de oxigênio caídas e o avião sem a tampa da porta, rapidamente viralizaram nas redes sociais. Antes do acidente, a empresa já estava ciente dos problemas de fabricação da aeronave e havia fechado um acordo em outubro com um fornecedor importante para resolver problemas na fuselagem do modelo, corpo principal da aeronave.

PUBLICIDADE

A Administração Federal de Aviação ordenou a manutenção de todos os aviões Boeing 737-9 Max com a mesma peça para inspeção, afetando 171 aviões operados por companhias aéreas como Alaska, United e Air Canada.

O presidente-executivo da Boeing, David Calhoun, cancelou uma cúpula de liderança para vice-presidentes da empresa esta semana e enviou um e-mail aos funcionários no domingo anunciando uma reunião de segurança em toda a empresa, marcada para 9 de janeiro.

“Quando ocorrem acidentes graves como este, é fundamental que trabalhemos de forma transparente com os nossos clientes e reguladores para compreender e abordar as causas do evento e para garantir que não voltem a acontecer”, escreveu ele. “Este é e deve ser o foco da nossa equipe neste momento.”

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.