Tática ucraniana para defender Kiev de avanço russo colocou civis em risco

Com as forças russas atacando as cidades, os ucranianos responderam fortificando áreas civis para defender a capital

PUBLICIDADE

Por Sudarsan Raghavan
Atualização:
11 min de leitura

THE WASHINGTON POST - O suposto míssil russo atingiu o prédio de apartamentos, envolvendo-o em chamas e fumaça. Ele matou pelo menos quatro pessoas, incluindo moradores idosos, e destruiu a vida de uma comunidade unida. Para o legislador Oleksii Goncharenko, a tragédia foi mais um exemplo de possíveis crimes de guerra russos.

“Eles estão atingindo prédios residenciais nessas áreas”, disse o parlamentar ucraniano, que chegou ao local logo após a explosão, há duas semanas. “Você pode andar por aí, não encontrará nenhum alvo militar, ou qualquer pessoal militar. Isso é apenas terror.”

No entanto, alguns minutos depois, o som de foguetes ucranianos disparados de um lançador de foguetes múltiplos assustou os moradores olhando fixamente para suas casas destruídas. Em seguida, outra sequência de disparos. As armas pareciam estar por perto, talvez a algumas ruas de distância, certamente bem dentro da capital.

Pessoas carregam tábuas para cobrir as janelas de um prédio bombardeado em Kiev Foto: Vadim Ghirda/AP

Cada vez mais, os ucranianos estão enfrentando uma verdade desconfortável: o compreensível impulso dos militares de se defender contra ataques russos pode estar colocando civis na mira. Praticamente todos os bairros na maioria das cidades se tornaram militarizados, alguns mais do que outros, tornando-os alvos potenciais para as forças russas que tentam derrubar as defesas ucranianas.

“Estou muito relutante em sugerir que a Ucrânia é responsável pelas baixas civis, porque a Ucrânia está lutando para defender seu país de um agressor”, disse William Schabas, professor de direito internacional da Middlesex University, em Londres. “Mas, à medida que a Ucrânia traz o campo de batalha para os bairros civis, aumenta o perigo para os civis.”

Continua após a publicidade

As cidades da Ucrânia - e áreas civis - tornaram-se a prova severa da guerra, onde uma intensa luta está se desenrolando entre os russos que querem tomar ou controlar essas áreas e os ucranianos que resistem desafiadoramente. Isso transformou o conflito em uma guerra em grande parte urbana, forjada mais por armamento aéreo e bombardeios do que os tradicionais combates de rua em muitas áreas.

Com as forças russas atacando as cidades, os ucranianos responderam fortificando áreas civis para defender Kiev, implantando sistemas de defesa aérea, armamento pesado, soldados e voluntários para patrulhar os enclaves. As baixas civis estão aumentando.

Crimes de guerra

Não há dúvida de que as forças russas estão por trás dos atos mais horríveis da guerra, que continua no segundo mês. Eles atingiram escolas, clínicas, ambulâncias, shopping centers, instalações elétricas e de água, carros de passeio, entre vários ataques indiscriminados a civis, segundo ativistas de direitos humanos.

Na cidade de Mariupol, no sul, um suposto ataque aéreo russo matou muitas pessoas que se refugiaram dentro de um teatro. Estava claramente marcado com a palavra russa para “crianças” em letras enormes visíveis do céu. Dias antes, uma maternidade foi atingida.

Mas a estratégia da Ucrânia de colocar equipamentos militares pesados e outras fortificações em zonas civis pode enfraquecer os esforços ocidentais e ucranianos para responsabilizar a Rússia por possíveis crimes de guerra, disseram ativistas de direitos humanos e especialistas em direito humanitário internacional. Na semana passada, o governo Biden declarou formalmente que Moscou cometeu crimes contra a humanidade.

“Se há equipamento militar lá e (os russos) estão dizendo que estamos lançando esse equipamento militar, isso mina a afirmação de que eles estão atacando intencionalmente objetos civis e civis”, disse Richard Weir, pesquisador da divisão de conflitos da Human Rights Watch, que está trabalhando na Ucrânia.

Continua após a publicidade

No mês passado, jornalistas do Washington Post testemunharam foguetes antitanque ucranianos, armas antia-éreas e veículos blindados colocados perto de prédios de apartamentos. Em um terreno baldio, os jornalistas do Post avistaram um caminhão carregando um lançador de foguetes Grad múltiplo.

Postos de controle com homens armados, barricadas de sacos de areia e pneus e caixas de coquetéis molotov são onipresentes nas estradas da cidade e nas ruas residenciais. O som de foguetes e artilharia saindo pode ser ouvido constantemente em Kiev, assim como os rastros brancos de mísseis são visíveis no céu.

“Todo dia é assim”, disse Lubov Bura, de 73 anos, do lado de fora do prédio onde morava, destruído há duas semanas. Momentos depois, enquanto o prédio ainda estava em chamas, o som de foguetes ucranianos saindo foi ouvido novamente. “Às vezes parece mais perto, às vezes parece longe. Pensamos nisso e, claro, ficamos preocupados, especialmente à noite.”

Os militares ucranianos têm “uma responsabilidade sob a lei internacional” de remover suas forças e equipamentos de áreas habitadas por civis e, se isso não for possível, remover civis dessas áreas, disse Weir.

“Se eles não fizerem isso, será uma violação das leis da guerra”, acrescentou. “Porque o que eles estão fazendo é colocar civis em risco. Porque todo esse equipamento militar são alvos legítimos.”

Continua após a publicidade

Andri Kovaliov, porta-voz militar da 112ª Brigada de Defesa Territorial da Ucrânia, cujas forças e equipamentos estão posicionados na capital, minimizou esse raciocínio. “Se seguirmos sua lógica, não deveríamos estar defendendo nossa cidade”, disse ele.

Em resposta a perguntas escritas enviadas pelo Post, Alexei Arestovich, assessor do chefe do gabinete do presidente ucraniano, Volodmir Zelenski, disse que a doutrina militar do país, aprovada pelo Parlamento, prevê o princípio da “defesa total”.

Isso significa que os voluntários das Forças de Defesa do Território ou de outras unidades de autodefesa têm autoridade legal para proteger suas casas, que em sua maioria estão em áreas urbanas. Além disso, ele argumentou que as leis humanitárias internacionais ou as leis da guerra não se aplicam neste conflito porque “a principal tarefa da campanha militar de Putin é a destruição da nação ucraniana”. Ele disse que o presidente russo, Vladimir Putin, negou repetidamente a existência da Ucrânia como uma nação independente.

“Portanto, o que está acontecendo aqui não é uma competição de exércitos europeus de acordo com as regras estabelecidas, mas uma luta do povo pela sobrevivência diante de uma ameaça existencial”, disse Arestovich. “Não podemos impedir que nossos cidadãos defendam seus lares, liberdades, valores e identidades como os entendem.”

Na segunda-feira, as forças ucranianas mostraram a um grupo de jornalistas uma fortificação militar em um bairro residencial do norte da capital, perto de prédios de apartamentos altos, uma estação de metrô e lojas. Na estrada, havia uma barricada com linhas de pneus, blocos de concreto, pilhas de sacos de areia, objetos metálicos pontiagudos para parar veículos e grandes armadilhas de tanques metálicas conhecidas como “ouriços”.

Havia também duas linhas de minas antitanque na estrada. De um lado, um pedaço de vegetação exuberante, local ideal para piqueniques, estava fechado com uma placa de alerta: minas.

Continua após a publicidade

“Se você quer proteger a cidade, você deve estar pronto para lutar dentro da cidade”, disse Pavlo Kazarin, voluntário da unidade de defesa territorial e porta-voz de seu batalhão. “Infelizmente, não podemos esvaziar toda a cidade porque ainda há 2 milhões de pessoas. Ainda assim, podemos parar o Exército russo fora da cidade. Mas todos entendemos os riscos. Não podemos defender a cidade sem riscos ou ferir os civis, infelizmente.”

Quando perguntado se havia preocupação de que as forças russas pudessem ver os apartamentos residenciais como um alvo militar por causa das fortificações na frente, Kazarin concordou. “Mas repito: sempre há alguns riscos quando você está tentando proteger a cidade.”

Menina diante de blocos de apartamentos destruídos por bombardeios russos em Mariupol Foto: Alexander Ermochenko/Reuters

Ele disse que as forças ucranianas estão tentando “de tudo para evitar” que Kiev se torne outra Mariupol ou Kharkiv, cidades que foram fortemente bombardeadas e sitiadas pelas forças russas. “Existe uma lógica muito cruel na guerra quando estamos tentando proteger os civis”, disse Kazarin.

Mesmo que a Ucrânia viole suas responsabilidades sob a lei internacional, “isso não significa que a Rússia tenha permissão para fazer o que quiser”, disse Weir. Se civis são mortos perto de uma posição ou equipamento militar, a Rússia ainda pode ser responsabilizada por um possível crime de guerra se seu ataque for indiscriminado e desproporcional contra a população civil.

Muito depende do tamanho e importância do alvo militar, do tipo de arma usada, se os civis foram conscientemente alvejados e se o dano a eles foi excessivo. Por exemplo, o disparo de munições de fragmentação proibidas pela Rússia no mês passado em três bairros residenciais em Kharkiv, a segunda maior cidade da Ucrânia, foi um possível crime de guerra, mesmo que os russos afirmem que estavam atacando equipamentos ou posições militares ucranianas, disseram ativistas. .

“Onde um ataque a um objetivo militar pode resultar em baixas civis, o dano a civis precisa ser equilibrado com a vantagem militar”, disse Schabas, o professor. “Se não há vantagem militar, então a violência não se justifica, e é razoável falar de crimes de guerra.”

Continua após a publicidade

Mas a linha entre o que constitui um crime de guerra torna-se mais tênue se os bairros residenciais forem militarizados e se tornarem campos de batalha onde as mortes de civis são inevitáveis. “A Ucrânia não pode usar bairros civis como ‘escudos humanos’”, disse Schabas, acrescentando que não estava sugerindo que é isso que está acontecendo.

Após cada ataque aéreo russo suspeito na capital e em outros lugares, os ucranianos enviaram equipes para coletar vídeos e outras evidências para usar em um possível caso de crimes de guerra contra a Rússia no Tribunal Penal Internacional em Haia, mas muitos desses locais podem ser motivos fracos em uma alegação de crimes de guerra.

“Se houver alvos militares na área, isso pode minar sua afirmação de que um ataque específico foi um crime de guerra”, disse Weir, da Human Rights Watch.

Coexistência

Há muitos lugares em Kiev onde as forças militares coexistem em enclaves civis. Escritórios, casas ou mesmo restaurantes em muitos bairros residenciais foram transformados em bases para as Forças de Defesa Territoriais da Ucrânia, milícias armadas compostas principalmente por voluntários que se alistaram na luta contra os russos.

No interior de edifícios municipais e em porões redondos, incluindo um embaixo de uma cafeteria, os ucranianos fazem coquetéis molotov para serem usados contra as forças russas se entrarem na capital. Dentro de um grande complexo fabril, aninhado em frente a uma movimentada rodovia principal com lojas e prédios de apartamentos nas proximidades, uma força paramilitar treina recrutas antes de enviá-los para as linhas de frente.

Continua após a publicidade

Shopping center atacado por bombardeios russos em Kiev Foto: Atef Safadi/EFE

Especialistas em segurança de organizações de mídia ocidentais notaram que as defesas aéreas ucranianas estão tão centradas na cidade que, quando atingem foguetes, mísseis ou drones russos, os destroços às vezes atingem ou caem em complexos residenciais.

Soldados e voluntários ucranianos alertam os jornalistas para não tirar fotos ou vídeos de postos de controle militares, equipamentos, fortificações ou bases improvisadas dentro da cidade para evitar alertar os russos sobre suas localizações. Um blogueiro ucraniano postou no TikTok um tanque ucraniano e outros veículos militares posicionados em um shopping center. O shopping foi posteriormente destruído em 20 de março em um ataque russo que matou oito pessoas.

Não há provas de que a postagem do TikTok tenha levado à greve. No Facebook, uma pessoa que apoia os militares ucranianos pediu que o homem seja caçado por revelar posições militares ucranianas “por causa de curtidas” nas mídias sociais. “Pago US$ 500 por qualquer informação sobre este autor no TikTok. ID, endereço de residência, detalhes de contato.” O Serviço de Segurança da Ucrânia disse mais tarde que prendeu o blogueiro.

Preço a pagar

Em outros bairros militarizados, os moradores também expressaram preocupação em ouvir foguetes e artilharia sendo disparados. “É assustador”, disse Ludmila Kramerenko. “Isso acontece três ou quatro vezes por dia.”

Quando questionada se ela se preocupava em ter armamento militar e caças tão perto de onde mora, ela respondeu após uma longa pausa: “Não sei o que dizer. Estamos apenas torcendo para que tudo dê certo e isso acabe logo.”

Como a maioria dos moradores entrevistados, ela expressou resiliência e lealdade às forças militares da Ucrânia. Ela disse que não gosta de como a capital foi transformada em uma zona militar parecida com uma fortaleza, mas ela entende. Valeu a pena ouvir o som dos disparos de foguetes ou viver à vista de armas pesadas para impedir que os russos entrassem na capital, disse ela.

“Nós nos sentimos mal e tristes por causa de como nossa cidade mudou”, disse Kramerenko. “Mas entendemos a situação e acreditamos em nossos soldados ucranianos. Nós, ucranianos, temos que revidar.”