PUBLICIDADE

Trump chega a NY para se apresentar à Justiça sob forte sistema de segurança e temor de protestos

Ex-presidente chegou à cidade com discrição e acenou a apoiadores que o aguardavam no local

Por Luciana Rosa, especial para o Estadão
Atualização:

Com temores de protestos violentos similares ao da invasão no Capitólio, no dia 6 de janeiro de 2021, a cidade de Nova York convocou um forte operativo de segurança para se preparar para o fichamento do ex-presidente Donald Trump nesta terça-feira, 4, no processo que ele responde por subornar a atriz pornô Stormy Daniels com verbas não declaradas de campanha na disputa pela Casa Branca em 2016.

PUBLICIDADE

Trump comparece à Justiça Estadual na terça-feira, 4, quando deve fornecer suas impressões digitais, fotografia e dados pessoais ao processo. Ele chegou com discrição no fim da tarde desta segunda-feira, 3, à Trump Tower, em Manhattan, e acenou a apoiadores que o aguardavam no local.

Depois da audiência de custódia, o ex-presidente deve ser liberado e voltar a Mar-a-Lago, na Flórida, onde deve fazer um pronunciamento. Os próximos passos do processo incluem uma série de audiências preliminares, nas quais o juiz do caso deve ouvir as argumentações da defesa.

Patrulhas de Nova York passam próximo do escritório da procuradoria de Manhattan, na quinta-feira, 30 Foto: Bebeto Matthews/Associated Press

Caso isso não ocorra, Trump deverá, em outra audiência, declarar-se culpado ou inocente e se preparar para o julgamento. Além disso, a procuradoria pode remover o sigilo de Justiça do caso e divulgar todas as acusações que pesam contra o réu.

Mobilização policial

O departamento de polícia de Nova York acionou todos os funcionários na sexta-feira, dia seguinte ao indiciamento. São cerca de 36 mil oficiais e 19 mil funcionários civis para conter possíveis protestos e conflitos entre apoiadores e opositores.

Assim, a famosa Quinta Avenida foi tomada por grades de segurança que alteraram o seu entorno, que é uma das zonas mais turísticas da cidade. A Trump Tower amanheceu nesta segunda-feira cercada por jornalistas, policiais e curiosos, todos esperando a chegada de Trump, que deixou sua residência em Mar-a-Lago na Flórida por volta das 13h do horário local.

Espectadores tiram fotos de um brinquedo de pelúcia do lado de fora da Trump Tower nesta segunda-feira, 3 Foto: Corey Sipkin/AP

Membros do movimento MAGA (Make America Great Again) e civis também estavam no local com bandeiras e cartazes com críticas ao procurador de Manhattan Alvin Bragg, responsável pela denúncia do ex-presidente. Uma das presentes, Susan Muiller, segurava um cartaz ridicularizando a imagem de Bragg, um homem de corpo gordo, com piadas sobre o seu peso.

Publicidade

Outro apoiador presente era o americano Alan Gotlieb, que se queixou do indiciamento contra Trump enquanto ladrões de Nova York “não são presos por praticamente nada”. “E eu ouvi, não sei se é verdade, que vão colocar uma mordaça nele”, disse, em uma demonstração dos boatos que circulam entre trumpistas.

Para John Mac Wigan, que é de Nova Jersey e vestia uma camiseta com a frase “Gays for Trump”, disse à reportagem que a fama de homofóbico, racista e misógino do ex-presidente não passa de uma armação midiática.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.