PUBLICIDADE

Líderes mundiais lamentam morte de Kissinger e relembram atuação diplomática; veja

Henry Kissinger, ex-secretário de Estado dos EUA, morreu nesta quarta-feira, 29, aos 100 anos

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

Para uns, um estadista e líder político mundial, elogiado como um hábil defensor dos interesses dos EUA. Para outros, um criminoso de guerra que deixou danos duradouros em todo o mundo. A morte do ex-secretário de Estado americano Henry Kissinger polarizou as reações de diversos líderes mundiais.

PUBLICIDADE

Kissinger morreu em sua casa no estado americano de Connecticut, a causa não foi divulgada e o enterro será nesta quinta, 30, será reservado para a família e, depois, uma cerimônia aberta ocorre em Nova York.

O líder chinês, Xi Jinping, expressou as condolências ao presidente americano Joe Biden e à família Kissinger pelo falecimento. Kissinger foi descrito pelo porta-voz do ministério de Relações Exteriores da China, Wang Wenbin, como “querido velho amigo do povo chinês” pelo papel que desempenhou na aproximação dos EUA da China nos anos 70.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, chamou o ex-secretário de “homem profundo e extraordinário” pela atuação política. “O nome de Henry Kissinger está inextricavelmente ligado a linha pragmática de política externa, que em certo momento possibilitou alcançar um relaxamento nas tensões internacionais e chegar aos acordos sino-soviéticos mais importantes que contribuíram para o fortalecimento da segurança global”, declarou. “Tive a oportunidade de me comunicar pessoalmente com este homem profundo e extraordinário muitas vezes, sem dúvida guardarei as mais caras lembranças dele”, acrescentou.

O presidente George Bush, à esquerda, ao lado do ex-secretário de Estado Henry Kissinger depois que o presidente falou sobre a economia durante um discurso perante o Clube Econômico de Nova York em Nova York, 14 de março de 2008.  Foto: Charles Dharapak/ AP

O primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, elogiou Kissinger pelo “formidável intelecto” e por “sua capacidade diplomática” no cenário global. “Cada encontro com ele não foi apenas uma lição de diplomacia, mas também uma aula magistral de estadista. Sua compreensão das complexidades de as relações internacionais e a sua visão única sobre os desafios que o nosso mundo enfrenta foram incomparáveis”, declarou.

Outros líderes que se pronunciaram sobre a morte do diplomata foram o chanceler britânico, David Cameron, e o alemão, Olaf Scholz. Na América do Sul, onde Kissinger teve papel ativo no apoio a ditaduras militares, os líderes escolheram silenciar.

Nos Estados Unidos, o ex-presidente George W. Bush afirmou que Kissinger era uma das vozes “mais confiáveis e distintas” nas relações exteriores. “Há muito tempo admiro o homem que fugiu dos nazistas ainda menino, de uma família judia, e depois lutou contra eles no Exército dos Estados Unidos”, disse Bush em um comunicado. “Quando, mais tarde, ele se tornou Secretário de Estado, sua nomeação como ex-refugiado disse tanto sobre sua grandeza quanto sobre a grandeza dos Estados Unidos.”

Publicidade

As críticas a Kissinger, que recebeu o Prêmio Nobel da Paz, foram especialmente fortes nas mídias sociais, onde muitos postaram vídeos comemorativos em reação à sua morte.

Uma manchete da revista Rolling Stone dizia: “Henry Kissinger, criminoso de guerra amado pela classe dominante dos Estados Unidos, finalmente morre”.

Atuação em governos dos EUA

Kissinger serviu a dois presidentes, Richard Nixon e Gerald Ford, e dominou a política externa quando os Estados Unidos se retiraram do Vietnã e estabeleceram laços com a China comunista.

Outro ex-secretário de Estado, Mike Pompeo, disse que Kissinger deixou uma marca indelével na história americana e mundial.

“Sempre serei grato por seus conselhos e ajuda graciosos durante meu próprio período como secretário”, Pompeo tuitou em X. “Sempre apoiando e sempre informado, sua sabedoria me tornou melhor e mais preparado após cada uma de nossas conversas.”

Kissinger exerceu uma influência incomum em assuntos globais muito após deixar o cargo. Em julho, por exemplo, ele se encontrou com o líder chinês Xi Jinping em Pequim, enquanto as relações entre os EUA e a China estavam em um ponto baixo.

As filhas de Nixon, Tricia Nixon Cox e Julie Nixon Eisenhower, disseram que seu pai e Kissinger desfrutaram de “uma parceria que produziu uma geração de paz para nossa nação”.

Publicidade

O secretário de Estado Henry Kissinger, à esquerda, gesticula para o público na Sala Leste da Casa Branca, 22 de setembro de 1973, enquanto o presidente Richard Nixon observa, em Washington. Kissinger acabara de tomar posse como 56º secretário de Estado.  

Kissinger iniciou as negociações de Paris que, em última análise, proporcionaram um meio de salvar a face para tirar os Estados Unidos de uma guerra dispendiosa no Vietnã.

“Kissinger desempenhou um papel importante na abertura histórica para a República Popular da China e no avanço da descompressão com a União Soviética, iniciativas ousadas que deram início ao começo do fim da Guerra Fria. Sua “diplomacia de vaivém” para o Oriente Médio ajudou a promover o relaxamento das tensões nessa região conturbada do mundo”, disseram as filhas de Nixon em um comunicado. /AP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.